Chi-poo: características, cuidados e comportamento

O chi-poo é uma raça mestiça de pequeno porte com um temperamento muito agradável e adaptável. Aqui contamos tudo sobre ela.
Chi-poo: características, cuidados e comportamento

Última atualização: 24 agosto, 2022

O mundo das raças de cães está se tornando cada vez mais conhecido e, em particular, suas misturas de estão cada vez mais na moda. É o caso do chi-poo, uma mistura entre um chihuahua e a versão toy do poodle. O resultado é um cão pequeno, de pelo bagunçado e com uma personalidade muito peculiar.

No entanto, se você está pensando em adotar um animal desses (a probabilidade de encontrá-los em um abrigo é real, você não precisa comprá-los), seria melhor se antes você conferisse um perfil definido sobre suas características. É exatamente isso que você encontrará neste espaço, então vamos ao que interessa.

Características da raça

O chi-poo (também chamado de choodle, chipoodle, poochi ou poohuahua) é uma raça mestiça, ou seja, não é oficialmente reconhecida como raça, mas foi concebida a partir de cruzamentos artificiais pensados pelo homem. A intenção era criar um cão com as vantagens de ambas as raças.

Embora os chi-poos não sejam reconhecidos pelo American Kennel Club, eles são reconhecidos pelo American Canine Hybrid Club, o Designer Dogs Kennel Club, o International Designer Canine Registry e o Designer Breed Registry.

O resultado é um cão de pequeno porte, com pelagem de comprimento médio e uma gama de cores que vai do creme ao preto, passando pelo cinza, tigrado ou prata, entre outros. Sua expectativa de vida é de acordo com seu tamanho, de 12 a 15 anos.

A verdade é que a aparência geral desses cães varia muito dependendo de quais espécimes misturaram seus genes. Se você olhar as fotos, verá que alguns têm olhos grandes e focinhos finos, como os chihuahuas, e outros herdam os pelos compridos e as orelhas caídas dos poodles. As combinações são muitas e variadas.

A história do chi-poo

Embora o cruzamento exista desde que as raças existem, a história do chi-poo começou na década de 1970 nos Estados Unidos. Além da intenção de criar filhotes que reunissem as melhores qualidades do chihuahua e do poodle, também se desejava aproveitar a melhoria da saúde que a mistura de raças traz.

A grande versatilidade dessa raça híbrida, somada à sua inteligência e natureza afetuosa, fez com que as vendas de filhotes disparassem. Isso, como você pode imaginar, também aumentou o número de exemplares dessa mistura que entraram em abrigos e foram parar na rua.

O temperamento geral

Possivelmente, a característica mais positiva do chi-poo é seu caráter. São cães enérgicos e sociáveis que se adaptam facilmente a qualquer ambiente, seja em apartamentos ou casas no campo. Eles tendem a criar um forte vínculo com seus tutores e gostam muito de fazer atividades com eles, principalmente quando se trata de jogos, esportes ou treinos.

Esses cães se destacam por sua grande inteligência e sua facilidade para aprender novos truques. Esse tipo de treinamento, além de entreter o tutor, proporciona um meio de aprender a se comunicar com o chi-poo e fortalecer o vínculo.

A saúde chi-poo

A saúde do chi-poo é geralmente boa, pois são cães resultantes de uma mistura de raças. No entanto, é possível que eles herdem algumas das doenças relacionadas à genética de seus pais. Alguns dos problemas de saúde encontrados nesses cães são os seguintes:

  • Glândulas lacrimais hiperativas ou epífora: embora o lacrimejamento excessivo geralmente seja causado por um distúrbio subjacente (como o entrópio), algumas raças sofrem com isso de forma congênita.
  • Hipoglicemia: é uma queda repentina na concentração de glicose no sangue. Típico em chihuahuas jovens, requer atenção veterinária imediata, pois a vida do cão pode ficar em perigo.
  • Glaucoma: aumento excessivo da pressão intraocular que acaba pressionando o nervo óptico e causando cegueira.
  • Luxação da patela: essa patologia é caracterizada pelo alinhamento anormal desse osso, seja por deformação durante o desenvolvimento ou por trauma, entre outros fatores.

Por outro lado, as raças pequenas tendem a apresentar problemas digestivos se receberem uma dieta pobre, assim como problemas dentários. Lembre-se disso nos cuidados diários e nos exames veterinários.

Cuidados especiais

Embora o chi-poo tenha sido pensado para ser o mais fácil de cuidar possível, certas atenções não podem ser ignoradas para que ele se desenvolva com a maior qualidade de vida possível. Antes de tudo, certifique-se de dar a ele uma ração de qualidade e distribuí-la em várias refeições ao dia, além de escovar seus dentes diariamente.

Por outro lado, já dissemos que é um cão enérgico, por isso precisa de sua porção diária de exercícios. Além disso, sua mente também precisa de alimento, ou seja, você deve socializar com ele, brincar junto e proporcionar-lhe entretenimento para os momentos em que estiver sozinho.

Em lares com crianças, é aconselhável estabelecer regras claras ao interagir com o animal, pois às vezes ocorrem acidentes devido ao pequeno tamanho deles. O chi-poo não terá problemas em se relacionar com toda a família, mas deve ser educado para respeitar tanto os humanos quanto outros cães.

Como você pode ver, o chi-poo é um cão ideal para muitas pessoas, então não hesite em adotar um deles se surgir a oportunidade. São animais carinhosos, engraçados, inteligentes e, acima de tudo, merecedores de uma vida melhor ao seu lado.


Todas as fontes citadas foram minuciosamente revisadas por nossa equipe para garantir sua qualidade, confiabilidade, atualidade e validade. A bibliografia deste artigo foi considerada confiável e precisa academicamente ou cientificamente.


  • Bellumori, TP, Famula, TR, Bannasch, DL, Belanger, JM y Oberbauer, AM (2013). Prevalencia de trastornos hereditarios entre perros mestizos y de pura raza: 27.254 casos (1995-2010). Diario de la Asociación Médica Veterinaria Americana, 242 (11), 1549-1555.
  • Frejlich, M., Capiau, E., & Van Ham, L. (2020). Primary glaucoma in the dog: a review of the current therapies and the research into future possibilities: Part I: medical therapy. Vlaams Diergeneeskundig Tijdschrift89(1).
  • GLAZKO, T., Kosovsky, G. Y., Blokhina, T. V., Zhirkova, A. A., & Glazko, T. T. (2021). SOCIALIZATION AND GENETIC VARIABILITY AS A DRIVER OF DOMESTICATION (BY THE EXAMPLE OF DOG BREEDS). Sel’skokhozyaistvennaya Biologiya [Agricultural Biology]56(1), 292-303.

Este texto é fornecido apenas para fins informativos e não substitui a consulta com um profissional. Em caso de dúvida, consulte o seu especialista.