Os ciclos de vida mais curtos e mais longos do reino animal

abril 26, 2020
Alguns animais não atingem 24 horas, enquanto outras espécies superam os mil anos.

Os ciclos de vida do reino animal têm uma duração tão diversa quanto as espécies existentes, uma vez que o principal fator determinante é o genético. Abaixo, apresentaremos uma série de exemplos representativos disso.

Os animais com ciclos de vida mais curtos

  • Efêmeras: insetos pertencentes à ordem dos efemerópteros, que também inclui as libélulas, caracterizam-se por viver menos de 24 horas na fase adulta. Apesar dessa brevidade, eles sofrem grandes alterações morfológicas e fisiológicas divididas em três estágios: ninfa, forma aquática, subimago, forma terrestre e imago, um adulto sexualmente maduro cuja vida pode durar até cinco minutos, como ocorre com a Dolania americana.
  • Gastrotricha: invertebrados microscópicos que vivem em ambientes marinhos intersticiais. Apresentam um desenvolvimento fugaz pelo qual atingem a maturidade sexual no terceiro dia e morrem logo depois.
  • Formigas machos: são os espécimes masculinos de uma colônia de formigas cuja expectativa de vida mal chega a três semanas. Sua única função se limita a reproduzir com a formiga rainha, que, devido à sua importância em termos de sobrevivência do grupo, costuma viver mais tempo.
  • Moscas: insetos voadores pertencentes à ordem dos dípteros. Seus ciclos de vida variam entre 15 e 30 dias, período em que experimentam quatro estágios morfológicos diferentes: ovo, larva, pupa e imago, fase adulta e sexualmente madura em que podem colocar até 1.000 ovos.
Os animais com ciclos de vida mais curtos

Os animais com ciclos de vida mais longos

  • Água-viva imortal: cientificamente chamadas de Turritopsis nutricula, elas são um tipo de hidromedusa capaz de reverter seu ciclo de vida indefinidamente. Em situações de ameaça, esses organismos possuem células totipotenciais especiais, diferentes das células-tronco, com capacidade de originar células diferentes daquelas que corresponderiam geneticamente.
  • Porífera ou esponja-do-mar: apesar dos seus ciclos de vida variarem de acordo com a espécie, eles normalmente são caracterizados por sua longa duração e chegam a 1.500 anos, como ocorre com alguns espécimes da Antártida.
  • Amêijoas oceânicas: moluscos marinhos endêmicos do Atlântico Norte com longevidade capaz de exceder cinco séculos. Até o momento, os círculos que aparecem em sua concha geralmente são contados como um ‘registro biográfico’.
  • Baleia-da-groenlândia ou baleias do Ártico: são os mamíferos com a vida mais longa do planeta, além de alguns dos maiores, pois podem atingir 18 metros de comprimento e 1.000 toneladas de peso.
  • Tartaruga-das-galápagos: este réptil é o animal terrestre com a maior expectativa de vida, atingindo uma média de 150 anos. No entanto, alguns indivíduos excederam em muito esse número, como aconteceu com a tartaruga chamada de Adwaita, que completou 250 anos.
Os animais com ciclos de vida mais longos

Algumas considerações importantes

A longevidade dos seres vivos é o resultado de um compêndio de fatores nos quais a genética, tanto a nível das espécies quanto do próprio organismo, é fundamental. Alguns dos fatores determinantes que mais influenciam a duração da vida são:

  • As circunstâncias individuais às quais o animal está exposto. A disponibilidade de recursos alimentares e a presença de ameaças de predadores superiores são fundamentais.
  • A alteração do nicho ecológico. Todas as mudanças, ambientais ou antrópicas, capazes de alterar o estado natural do habitat de um indivíduo representam riscos que podem encurtar ou acabar com a vida do animal.
  • Condições naturais vs condições artificiais. Em relação aos dois fatores anteriores, normalmente os animais estudados em condições artificiais atingem uma maior expectativa de vida do que os encontrados no ambiente natural, uma vez que os fatores bióticos e abióticos que os cercam promovem uma maior estabilidade.