Cientistas encontram espécies que parecem não envelhecer

Os beija-flores têm uma vida média que varia entre 3 e 5 anos, pois seu metabolismo é bastante rápido e acelerado. Pelo contrário, as tartarugas têm um comportamento mais sedentário e lento que as ajuda a chegar aos 60 ou 150 anos, dependendo da espécie.
Cientistas encontram espécies que parecem não envelhecer
Cesar Paul Gonzalez Gonzalez

Escrito e verificado por o biólogo Cesar Paul Gonzalez Gonzalez.

Última atualização: 16 setembro, 2023

O envelhecimento é um processo biológico inevitável que interrompe a funcionalidade normal do corpo. Consequentemente, aparecem várias condições que pioram com o tempo. Embora isso seja bastante evidente em todos os seres vivos, um estudo recente confirmou que existem algumas espécies que parecem não envelhecer.

Esta nova descoberta confirma várias teorias sobre alguns animais com grande longevidade. Embora isso não signifique que eles permaneçam jovens por toda a vida, explica como é possível que certas espécies ultrapassem os 100 anos de idade com bastante facilidade. Continue lendo e saiba mais sobre este tema.

O que é envelhecer?

Em geral, os processos metabólicos geram uma série de moléculas tóxicas para a célula, que a deterioram progressivamente. Assim, com o passar do tempo, os danos se acumulam e causam problemas no funcionamento normal do organismo. Como resultado, os tecidos do corpo perdem elasticidade, aparecem as rugas e a resistência diminui, todos estes sinais de envelhecimento.

O metabolismo pode ser entendido como qualquer reação bioquímica que permita a sustentação da vida. Isso significa que, se você quiser evitar o envelhecimento, todos os processos metabólicos do corpo devem ser interrompidos, o que inevitavelmente levaria à morte. Isso é o que torna o envelhecimento inevitável.

Por que os seres vivos têm expectativas de vida diferentes?

Embora existam certas semelhanças, os processos metabólicos são diferentes em cada um dos seres vivos. Devido a isso, a velocidade com que as moléculas tóxicas são geradas varia em cada espécie, o que faz com que o envelhecimento apareça em momentos diferentes.

Contudo, embora o metabolismo seja um dos principais fatores responsáveis pelo envelhecimento, o ambiente e a qualidade de vida também afetam esse processo. Isso ocorre porque qualquer fator que afete o corpo causa danos adicionais às células. Portanto, o processo de envelhecimento é acelerado.

A expectativa de vida de uma espécie é ditada não apenas pela taxa de seu metabolismo, mas também pelo seu modo de vida e pelo ambiente que a cerca. É por isso que a expectativa média de vida nada mais é do que um indicador da possível idade que o espécime pode atingir. No entanto, não garante que a vida do organismo dure até esse ponto.

Habitat da tartaruga de esporão.

Espécies com grande longevidade

Embora o metabolismo, o ambiente e o modo de vida de uma espécie sejam propícios para retardar o envelhecimento, a realidade é que não o impedem. Portanto, nenhum animal é capaz de viver para sempre ou alcançar a imortalidade. No entanto, existem alguns seres que ultrapassam os 100 anos, o que é incrível quando várias espécies têm dificuldade em chegar aos 50 anos (incluindo o ser humano).

Os humanos talvez sejam o melhor exemplo de como combater a velhice, pois dobraram sua expectativa de vida em menos de 100 anos. Durante 1930, as pessoas viviam em média 34 anos, enquanto em 2019 esse número aumentou para 75 anos. Ao contrário do que se possa pensar, esse resultado é causado por avanços médicos que permitem remediar as consequências da velhice, sem, contudo, impedi-las.

Por outro lado, existem espécies magníficas que, apesar de não terem capacidade para remediar os efeitos do envelhecimento, parecem não envelhecer. Um exemplo disso são os vários tipos de tartarugas que ultrapassam os 60 anos e chegam até aos 150.

Por que as tartarugas podem viver tanto tempo?

Embora as tartarugas não tenham a capacidade de se medicar ou curar a si mesmas, elas possuem um mecanismo biológico complexo que as ajuda a ter grande longevidade. Durante anos, foi levantada a hipótese de que o processo metabólico desses répteis poderia ser mais lento do que o de outros animais, o que lhes daria a capacidade de retardar o envelhecimento. No entanto, não houve nenhum estudo científico para confirmar ou negar este fato.

Em 2022, um estudo realizado pela Universidade da Dinamarca descobriu que várias espécies de testudíneos (tartarugas) apresentavam poucos sinais de envelhecimento. Visto de outra forma, das 77 espécies de tartarugas analisadas, cerca de 75% apresentaram a capacidade de retardar o processo de envelhecimento. Alguns dos exemplares analisados foram:

  • Tartaruga-grega (expectativa de vida: 20 anos).
  • Tartaruga-gigante-de-aldabra (expectativa de vida: 80-120 anos).
  • Tartaruga-das-galápagos (expectativa de vida: 100-150 anos).
  • Siebenrockiella crassicollis (expectativa de vida: 60 anos).
Uma tartaruga gigante olhando para a câmera.

Por que as tartarugas não envelhecem tão rápido?

Ainda não há uma razão concreta que explique por que algumas espécies de tartarugas parecem não envelhecer. No entanto, acreditava-se que poderia ter algo a ver com sua incapacidade de gerar seu próprio calor. Como é sabido, os répteis não regulam a temperatura do corpo e dependem inteiramente do sol para se aquecer. Isso significa que seu metabolismo se desgasta menos, o que pode retardar o envelhecimento.

No entanto, essa ideia foi recentemente negada (2022) por um grande grupo de pesquisadores. O estudo menciona que não há relação entre o envelhecimento dos animais e sua capacidade de regular sua temperatura (ectotérmicos e endotérmicos). Portanto, ainda não há uma razão específica para que várias espécies de tartarugas pareçam não envelhecer tão rapidamente.

Se o segredo por trás da capacidade dessas espécies de tartarugas de evitar o envelhecimento puder ser descoberto, ele poderá ser usado para melhorar a saúde humana no futuro. É claro que ainda falta muito para encontrar as respostas necessárias, mas é possível que essa seja uma das primeiras pistas que nos levarão à imortalidade.


Todas as fontes citadas foram minuciosamente revisadas por nossa equipe para garantir sua qualidade, confiabilidade, atualidade e validade. A bibliografia deste artigo foi considerada confiável e precisa academicamente ou cientificamente.


  • Reinke, B. A., Cayuela, H., Janzen, F. J., Lemaître, J. F., Gaillard, J. M., Lawing, A. M., … & Miller, D. A. (2022). Diverse aging rates in ectothermic tetrapods provide insights for the evolution of aging and longevity. Science, 376(6600), 1459-1466.
  • da Silva, R., Conde, D. A., Baudisch, A., & Colchero, F. (2022). Slow and negligible senescence among testudines challenges evolutionary theories of senescence. Science, 376(6600), 1466-1470.
  • Finch, C. E. (2009). Update on slow aging and negligible senescence–a mini-review. Gerontology, 55(3), 307-313.
  • Girondot, M., & Garcia, J. (1999). Senescence and longevity in turtles: what telomeres tell us. In Proceedings of the 9th extraordinary meeting of the Europea Societas herpetologica (Vol. 1, pp. 25-29).

Este texto é fornecido apenas para fins informativos e não substitui a consulta com um profissional. Em caso de dúvida, consulte o seu especialista.