Como a velhice afeta o comportamento dos gatos

fevereiro 20, 2020
Saiba de que forma o seu gato vai mudar quando ficar mais velho.

Assim como os outros animais, os gatos também se tornam idosos e, à medida que vão envelhecendo, podem apresentar mudanças de comportamento. No entanto, essas mudanças não necessariamente vão levar a problemas comportamentais. Elas são transformações normais que não exigem preocupação, e sim compreensão. A seguir, descubra como a velhice afeta o comportamento dos gatos.

Para os gatos, a entrada na velhice é muito mais sutil do que para os cães. De fato, não há consenso sobre o momento em que um gato deve ser considerado fisiologicamente idoso. Por isso, todos os gatos com mais de 11 anos são considerados gatos idosos.

É preferível usar a idade como parâmetro para fazer as mudanças necessárias na alimentação e para aumentar a atenção dada às consultas veterinárias. Por exemplo, um gato com 12 anos pode ser saudável e ativo, mas, mesmo assim, trata-se de um gato idoso.

Síndrome da disfunção cognitiva em gatos

A síndrome da disfunção cognitiva não é a mesma coisa que o envelhecimento dos gatos. Um felino pode ser idoso e ter alterações no seu comportamento, mas isso não precisa estar relacionado a essa síndrome.

A disfunção cognitiva provoca alterações anatômicas e fisiológicas específicas no cérebro do gato, muito semelhantes ao mal de Alzheimer em humanos.

Mulher acariciando seu gato

As mudanças comportamentais provocadas pela idade podem ser muitas, em comparação com os sintomas apresentados por um gato com síndrome da disfunção cognitiva:

  • Desorientação
  • Alterações na interação com os donos e com outros animais de estimação
  • Alterações no ciclo sono-vigília
  • Urinar ou defecar no chão
  • Alterações no nível de atividade (aumento ou diminuição)

Como a velhice afeta o comportamento dos gatos

Os problemas comportamentais em gatos idosos podem refletir a deterioração das diferentes partes do corpo causada pela idade. Por exemplo, se um gato urina no chão, isso pode estar acontecendo devido a dores nas articulações causadas pela artrite, que impedem que ele entre na caixa de areia.

Recolher as fezes dos gatos da caixa de areia

Por outro lado, o surgimento de comportamentos agressivos pode ser a manifestação de um desconforto geral, como uma dor de dente ou até mesmo um problema hormonal.

Além disso, o aparecimento da ansiedade em gatos pode ser o resultado de uma doença renal crônica, muito comum em gatos.

Essas mudanças comportamentais podem ser o primeiro sintoma de que algo está errado com o animal de estimação, e podem ajudar o veterinário a fazer um diagnóstico precoce.

De acordo com várias pesquisas e estudos, os comportamentos mais comuns que se iniciam quando os gatos atingem a velhice são:

  • Urinar ou defecar fora da caixa de areia
  • Agressão entre os diferentes gatos da casa
  • Agressão contra as pessoas
  • Excesso de vocalizações
  • Ansiedade
  • Higiene excessiva
  • Andar sem rumo
  • Irritabilidade
  • Medo
  • Apego excessivo aos donos

Como ajudar o seu gato durante a velhice?

Para ajudar a reduzir as mudanças no comportamento do seu gato quando ele atingir a velhice, você tem muitas opções para tornar a última etapa da vida dele um período feliz. Antes de tudo, para descartar todos os possíveis problemas de saúde, você precisará fazer um checkup veterinário completo, específico para a idade dele.

Primeiramente, você deve adaptar a casa para um gato idoso. Por exemplo, se ele tiver dificuldade para entrar na caixa de areia, forneça uma que tenha as bordas mais baixas, pois assim o gato não precisará fazer um grande esforço para entrar nela.

Por outro lado, para que ele possa se deitar no sofá ou na cama, como sempre fez, procure um banquinho ou algo que funcione como uma escada para ele. Durante esta última fase de sua vida, evite gerar grandes mudanças que possam desorientá-lo. Assim, mantenha o comedouro e o bebedouro onde sempre estiveram.

Ainda que ele seja um gato idoso, deve permanecer ativo. Portanto, não se esqueça de brincar com ele ou de oferecer brinquedos com os quais ele possa interagir. Porém, evite as canetas laser, pois elas podem causar frustração para o animal.

Finalmente, cuide bem da sua dieta. Se o gato se alimentar de ração seca, procure uma que seja específica para a sua idade. Além disso, se ele gosta de ração úmida, este é o momento ideal para aumentar a quantidade dela e diminuir a de ração seca. Isso fará bem para os rins, desde que as rações em lata sejam de boa qualidade.

  • Gunn-Moore, D. A. (2011). Cognitive dysfunction in cats: clinical assessment and management. Topics in companion animal medicine, 26(1), 17-24.
  • Karagiannis, C., & Mills, D. (2014). Feline cognitive dysfunction syndrome. Veterinary Focus, 24(2), 42-7.
  • Landsberg, G. M., Denenberg, S., & Araujo, J. A. (2010). Cognitive dysfunction in cats: a syndrome we used to dismiss as ‘old age’. Journal of feline medicine and surgery, 12(11), 837-848.
  • Landsberg, G. M., Nichol, J., & Araujo, J. A. (2012). Cognitive dysfunction syndrome: a disease of canine and feline brain aging. Veterinary Clinics: Small Animal Practice, 42(4), 749-768.