Coleira antilatido: tudo que você precisa saber sobre ela

maio 5, 2019
A coleira antilatido é uma das opções que os donos podem considerar como uma solução possível, mas ela não é totalmente recomendada...

Os cachorros são considerados um dos animais de estimação mais nobres e fiéis. No entanto, entre as muitas qualidades que possuem, eles também têm alguns detalhes que podem ser inconvenientes. Se pensarmos nesse sentido, os latidos certamente vão ocupar uma das primeiras posições da lista. Para este problema, uma das soluções oferecidas pelo mercado é a coleira antilatido.

A coleira antilatido: o que é

A coleira antilatido é um sistema criado para evitar o latido do cão. Funciona da seguinte forma: ela é uma coleira com um receptor que é colocada no pescoço do animal. O receptor capta os movimentos da garganta do cachorro e, de acordo com o tipo de coleira, atuará de diferentes maneiras. No entanto, a garganta é uma das regiões mais delicadas do animal e as consequências que esse tipo de sistema pode gerar são complicadas.

A coleira antilatido

Tipos de coleira antilatido

Existem diferentes tipos de coleira antilatido, dentre os quais as mais utilizadas são as seguintes:

Coleira antilatido com spray

A coleira antilatido com spray é colocada ao redor do pescoço do animal. No momento em que ele late, o microfone capta o latido e envia um sinal. O sinal ativa a liberação do spray, localizado sob o focinho do animal. Isso provoca uma reação de surpresa no cão, que reage com os quatro sentidos: audição, visão, tato e olfato.

Diferentes estudos concluíram que em aproximadamente 28% dos casos o latido desaparece parcialmente e, em 70%, completamente. Esta coleira antilatido é a menos prejudicial dentre todas as existentes. Não causa efeitos diretos no corpo do animal, mas borrifa um líquido inofensivo. Uma opção, por exemplo, é a coleira com um spray contendo citronela, a qual não é muito agradável para os cachorros.

Coleira elétrica

O funcionamento da coleira antilatido elétrica é semelhante às de spray, exceto pelo fato de que ela afeta apenas o sentido do tato do animal. Na hora em que o animal late, a coleira emite uma descarga eletrostática, que age como um castigo diante da ação do animal.

Se esta opção for escolhida, a coleira deverá emitir descargas ajustáveis, já que cada cachorro tem uma sensibilidade diferente, assim como acontece com as pessoas.

Coleira elétrica

A emissão da descarga tende a ser automática e varia de acordo com a intensidade e a frequência do latido. Por isso, é essencial que a coleira antilatido seja ajustável. Também é recomendado que o cachorro não use a coleira continuamente, porque os eletrodos podem causar necrose na pele do animal.

Limites de eficácia

Todos as coleiras antilatido têm um limite de eficácia. Por isso, é necessário tratar a causa dos latidos. Caso contrário, apenas a consequência será combatida, mas o problema não será resolvido. Alguns animais param de latir mas, como uma válvula de escape, tendem a destruir o que está ao seu redor, a fazer as suas necessidades em diferentes locais ou até mesmo a se automutilar.

Identificação da causa dos latidos

Antes de considerar o uso desta opção, primeiramente é necessário identificar a causa dos latidos. Os cachorros latem com o objetivo de expressar diferentes estados de humor: alegria, excitação, preocupação, etc. O objetivo do latido sempre é o de passar uma mensagem. Alguns especialistas os consideram como “válvulas de segurança para aliviar o estresse e o tédio”.

Para identificar a causa que faz o cachorro latir, vamos mostrar a seguir várias razões pelas quais um animal pode latir:

  • Tédio. Como reação ao estresse produzido pela solidão, o cachorro late para atrair companhia.
  • Visão. Se pessoas, outros cães ou outros animais que lhe parecem curiosos passarem diante dos seus olhos, o cachorro vai latir para se comunicar com os outros cães, ou também como uma forma de expressar a sua frustração.
  • Ruídos. Qualquer tipo de ruído pode ser captado pelo nosso animal de estimação, que vai reagir a eles de diversas maneiras. Se a porta for aberta e os donos entrarem, ele vai latir para manifestar a sua alegria.
  • Atenção. Ele quer que prestem atenção nele, então faz o que for necessário para ser ouvido.
  • Comportamento compulsivo. Ele pode latir quando se sentir desconfortável, ou simplesmente porque se acostumou a fazer isso.
  • Medo. Por causa do medo que sentem quando estão sozinhos, eles latem para se acalmar.

Outra opção é que o cão esteja conversando com os seus donos, com o latido como a sua forma de se expressar.

Diante de todas as informações reunidas para a redação deste artigo, há uma conclusão que é importante destacar. Este sistema antilatido não é positivo para o cão, pois pode dar origem a uma série de consequências negativas. Existem muitas outras terapias ou opções que podem ser usadas para resolver o problema dos latidos.

Desachy, F. (2009). Mi perro ladra mucho ¡Hay solución! (S. A. (10 de septiembre de 2009) DE VECCHI EDICIONES, Ed.). Retrieved from https://books.google.es/books?id=nmiKDwAAQBAJ&pg=PT50&dq=collar+antiladridos&hl=es&sa=X&ved=0ahUKEwiOop2R5eHgAhUQJhoKHfPsDTkQ6AEIKDAA#v=onepage&q=collar antiladridos&f=false

 

Sentelles, E. I. (2014). La regulación de los collares dañinos : avanzando en el bienestar canino, 1–3.