Como as corujas viram a cabeça?

As corujas podem virar a cabeça e encontrar você onde quer que esteja. Como tudo na natureza, essa adaptação tem um claro significado evolutivo.
Como as corujas viram a cabeça?

Última atualização: 27 Maio, 2021

É impossível surpreendê-las por trás, pois as corujas viram a cabeça até limites impensáveis para os humanos. Claramente, elas têm algo que falta ao resto dos animais, ou não poderiam virar o rosto quase até dar uma volta completa sem acabar com sua própria vida.

Mas por que as corujas precisam dessa habilidade? Como elas fazem isso? Elas são os únicos animais capazes de realizar esse gesto nesse nível? A resposta a essas e outras perguntas está nas linhas a seguir. Não perca!

Por que as corujas podem virar a cabeça desse jeito?

Esses predadores noturnos são dotados de um extraordinário senso de audição e visão para encontrar suas presas na escuridão. As corujas, assim como outros animais noturnos, não conseguem ver as cores – à noite não é necessário – mas sua visão binocular é excelente.

Por outro lado, os globos oculares das corujas – e de outras aves de rapina – têm um formato tubular para melhorar sua visão em profundidade, por isso é impossível movê-los para examinar os arredores. Isso implica, diretamente, que essas aves precisam virar o pescoço para olhar para qualquer ponto.

 

As corujas podem virar a cabeça.

As corujas podem virar 360 graus a cabeça?

Embora à primeira vista não pareça, essas aves não conseguem realmente virar a cabeça em uma circunferência perfeita. No entanto, não ficam muito longe disso: as corujas são capazes de virar a cabeça até 270 graus. Para fins de comparação, os humanos só chegam até 90 graus em nosso próprio eixo.

É lógico pensar que não é possível girar tanto o pescoço, por se tratar de uma área por onde passam importantes tubos, como a traqueia, tendões e vasos sanguíneos. Se essa estrutura for torcida além de suas possibilidades, ocorrem hemorragias internas, interrupção da passagem do ar para os pulmões e até mesmo fraturas cervicais, mas não no caso das corujas.

Então, como as corujas fazem isso?

As corujas não danificam seus vasos sanguíneos nem forçam seus tendões para torcer o pescoço, pois são projetadas para isso. Toda a sua anatomia cervical permite torções extremas sem causar lesões ou interromper a passagem de ar ou sangue para o cérebro.

A própria estrutura óssea cervical da coruja foi projetada para esse movimento extremo. Enquanto os humanos têm apenas 7 vértebras cervicais, essa ave de rapina tem 14. No entanto, o que é realmente surpreendente é o desenho do seu sistema circulatório, como mostram os estudos.

As artérias cervical e cefálica percorrem toda a extensão da coluna, passando por pequenos orifícios em cada vértebra. No caso dessas aves de rapina noturnas, esses buracos são 10 vezes maiores do que nos humanos. Esse excesso de espaço cria pequenas bolsas de ar, que evitam o estrangulamento da artéria vertebral. Isso permite que o cérebro continue a ser irrigado durante a torção.

Por outro lado, essas aves noturnas têm pequenas interconexões entre as artérias carótidas e vertebrais, o que permite a troca de sangue entre elas. Dessa forma, se uma via ficar bloqueada pela torção do pescoço, a outra artéria ainda é capaz de levar sangue ao cérebro.

A importância desse fato para a medicina humana

Em conclusão, nunca é demais enfatizar o quanto se pode aprender com os animais. Qualquer médico que vir uma ave de rapina noturna virar a cabeça dessa forma vai se perguntar como as florestas não estão cheias de corujas mortas por acidente vascular cerebral.

As artérias humanas, que são frágeis e finas, nada têm a ver com as grandes artérias das corujas e suas interconexões. O mesmo vale para os nossos tendões e músculos, muito menos flexíveis do que os dessas aves maravilhosas. Todas as aves estrigiformes – corujas, mochos, murucututus e outras – possuem esses sistemas motores e circulatórios robustos.

 

Uma coruja olha para a câmera.

O que para as lendas é sombrio e assustador, para a medicina é uma fonte de informações que pode salvar vidas. O que mais essas criaturas incríveis têm a nos mostrar? Somente a ciência e o estudo fisiológico dos seres vivos nos darão mais respostas ao longo do tempo.

Pode interessar a você...
Quais são as diferenças entre os mochos e as corujas?
Meus AnimaisLeia em Meus Animais
Quais são as diferenças entre os mochos e as corujas?

Os mochos e as corujas são animais semelhantes, mas com algumas características diferentes que podem nos ajudar a distingui-los.



  • Posters & Graphics. (2013, 1 febrero). Science. https://science.sciencemag.org/content/339/6119/514
  • Strigiformes – es.LinkFang.org. (2021). LinkFang. https://es.linkfang.org/wiki/Strigiformes
  • Boumans, M. L., Krings, M., & Wagner, H. (2015). Muscular arrangement and muscle attachment sites in the cervical region of the american barn owl (Tyto furcata pratincola). PLoS One, 10(7), e0134272.
  • Bent, A. C. (1961). Life histories of North American birds of prey: orders Falconiformes and Strigiformes (Vol. 167). US Government Printing Office.