Como saber se seu gato está desidratado

Embora os gatos não sejam amantes da água, é essencial que se mantenham hidratados, pois as consequências podem ser fatais.
Como saber se seu gato está desidratado

Última atualização: 06 Fevereiro, 2021

Para saber se um gato está desidratado, você deve prestar atenção a alguns sinais. No entanto, o mais importante seria não deixar chegar a essa situação extrema que pode comprometer perigosamente a vida do seu animal de estimação.

Devido à sua baixa relação superfície/volume, os gatos são animais que podem facilmente ficar desidratados. Apesar disso, devido à domesticação do gato selvagem (Felis silvestris), habituado a climas desérticos, os gatos seguem diferentes estratégias para evitar a perda de água e não ter que beber muita água.

Por que seu gato está desidratado?

Gatos adultos, como a maioria dos mamíferos, têm 60% de água em seu corpo. A perda de parte dessa porcentagem coloca a saúde do animal em sério risco, já que as reações fisiológicas não poderão ser realizadas.

A desidratação passa por diferentes estados e nem todos exigem terapia com fluidos intravenosos. Os diferentes graus de desidratação são:

  • Moderado: perda de até 10%. Nesse caso, se o animal não se alimenta nem bebe sozinho, pode-se utilizar sonda nasogástrica.
  • Grave: o gato perdeu mais de 10% da água do seu corpo. Nesse caso, sua vida estaria em risco e a fluidoterapia seria necessária.
Por que seu gato está desidratado?

Existem vários motivos pelos quais um gato pode ficar desidratado:

  • Perda de grandes volumes de sangue devido a um acidente.
  • Sangramento interno causado por trauma ou doença.
  • Aumento da temperatura ambiente e falta de disponibilidade de água.
  • Patologias que apresentam poliúria, como diabetes mellitus, diabetes insipidus ou doença renal crônica.
  • Doenças que afetam as glândulas suprarrenais ou o hipotálamo.
  • Condições médicas que causam vômitos ou diarreia.

Sintomas que indicam que seu gato está desidratado

Um gato desidratado é um animal doente e, portanto, apresentará um estado geral que pode nos fazer pensar que algo não está bem. Se você acha que seu gato pode estar desidratado, procure observar alguns detalhes e tomar algumas medidas que podem ajudar a determinar se essa condição está presente ou não.

  • Observe a elasticidade da pele. A pele de um animal hidratado é elástica e, se você puxar um pouco, ela voltará rapidamente para o lugar. Quando um gato está desidratado, se você der uma pinçada de pele entre as escápulas, ao soltar, ela vai voltar muito lentamente ao seu lugar.
  • Teste de enchimento capilar. Esse método consiste em apertar a gengiva do gato com o dedo. Ao retirar o dedo veremos que a área ficar branca, mas rapidamente – em menos de dois segundos – muda para o tom rosado. Se isso não acontecer, o animal está desidratado.
  • Um gato desidratado tem uma expressão facial diferente. Os olhos parecem fundos, o nariz fica muito marcado e os bigodes ficam caídos.
Sintomas

Consequências da desidratação em gatos

Um gato desidratado apresentará um estado geral de letargia ou fadiga. Como consequência, ele rejeitará a comida, porque não terá vontade de comer. Para os gatos domésticos, não comer tem consequências fatais para o fígado, pois o animal pode desenvolver lipidose hepática, o que complica seu quadro clínico e coloca sua vida em sério perigo.

Por outro lado, o uso de fluidoterapia, se o caso não for devidamente estudado, pode causar um aumento do coração, com suas consequências subsequentes.

Quando um gato está desidratado e não consegue comer ou beber sozinho, uma das melhores opções é o uso de sondas nasogástricas, por meio das quais podemos, aos poucos, reidratar o animal.

De qualquer forma, se você acha que seu gato está desidratado, procure o veterinário o mais rápido possível.

Pode interessar a você...
Meu gato está babando: por que e o que fazer?
Meus Animais
Leia em Meus Animais
Meu gato está babando: por que e o que fazer?

Seu gato está babando, mas você não sabe o porquê. Afinal, diferentemente dos cães, os gatos geralmente não babam. A seguir, mais detalhes.



  • Baker, M. A., & Doris, P. A. (1982). Effect of dehydration on hypothalamic control of evaporation in the cat. The Journal of physiology, 322(1), 457-468.
  • Doris, P. A., & Baker, M. A. (1981). Effects of dehydration on thermoregulation in cats exposed to high ambient temperatures. Journal of Applied Physiology, 51(1), 46-54.
  • Heredia, M. E. J. M., & Cossío, M. E. T. L. I. (2013). MANUAL DE PRÁCTICA DE MEDICINA DE GATOS.
  • Zoran, D. L. (2002). The carnivore connection to nutrition in cats. Journal of the American Veterinary Medical Association, 221(11), 1559-1567.