Comportamento dos golfinhos, quase humano?

· julho 29, 2018
A grande inteligência desses cetáceos sugere que eles tomam decisões parecidas com as dos humanos.

Os golfinhos são animais belos e inteligentes, e sempre foram objeto de nossa admiração. Vários estudos e pesquisas foram feitos sobre o comportamento deles, e coisas surpreendentes foram descobertas. Você quer saber quais?

O estranho comportamento dos golfinhos

Os estudos realizados em golfinhos, baleias e botos mostraram que eles têm comportamentos quase humanos. Parece que isso está relacionado ao tamanho de seus cérebros. Para chegar a essas conclusões, eles coletaram informações sobre 90 espécies diferentes de golfinhos, baleias e botos. Vamos ver o que descobriram.

Estes são os tipos de comportamento dos golfinhos e que têm muitas semelhanças com os humanos:

Eles trabalham juntos para benefício mútuo

Os golfinhos sempre entram em grupo, são animais sociais e, também, não têm problema em mostrar que precisam do grupo para seu benefício. Eles trabalham juntos e todos se beneficiam, seja para ir a um lugar, para procurar comida ou para outras tarefas necessárias à vida.

Transferir informações para novas gerações

Quando novos membros chegam à família, os mais velhos, independentemente de serem seus pais ou outros membros do grupo, ensinam técnicas de caça e até mesmo como usar várias ferramentas que podem encontrar no fundo do mar para isso.

Eles caçam em um grupo

Dizem que a união faz a força, e esta é uma lição que os golfinhos aprenderam bem. Sempre que vão caçar, fazem isso em grupo e o sucesso é garantido. Depois, eles não têm problema em distribuir entre todos os membros do grupo o que eles caçaram, mesmo que isso não satisfaça a fome do grupo tudo. Se isso acontecer, eles continuarão caçando.

golfinhos

Eles conversam entre si

Sabemos que os golfinhos emitem sons peculiares que servem para a comunicação. Bem, esses sons são a maneira de falar uns com os outros e, mesmo dependendo da região em que vivem, podem ser diferentes.

Assovios exclusivos

Além da linguagem geral dos golfinhos, cada um dos espécimes tem um assovio característico que lhes permite diferenciarem-se uns dos outros. Poderíamos dizer que é como sua identificação pessoal ou como um nome próprio.

Instinto materno

Se os golfinhos encontrarem filhotes que não são deles, eles tendem a cuidar deles, como no caso dos humanos. Essa é uma atitude muito curiosa no comportamento dos golfinhos que tem sido vista em poucas espécies: a adoção.

Cooperar com outras espécies

Eles gostam de interagir com outras espécies e podem colaborar com elas na busca por comida ou em outras tarefas. Além disso, eles gostam de participar de outras atividades. Em suma, gostam de fazer amigos.

Eles brincam

Não importa quantos anos tenham, eles gostam de brincar com os pequenos ou uns com os outros. Isso mostra que os golfinhos precisam mais do que simplesmente só nadar. Eles precisam desfrutar de uma vida ativa e prazerosa, que traga um sentimento de felicidade e plenitude.

golfinhos no fundo do mar

Todos esses comportamentos têm muito a ver conosco e, como dissemos anteriormente, isso tem muito a ver com o tamanho do seu cérebro, que é excepcionalmente grande.

Assim, tem sido demonstrado que baleias e golfinhos são extremamente inteligentes e que são as espécies mais próximas da inteligência e do comportamento dos humanos e de outros primatas. Um dos coautores do estudo chegou a essa conclusão, citando textualmente:

“Os cetáceos têm muitos comportamentos sociais complexos que são semelhantes aos dos seres humanos e aos de outros primatas. No entanto, eles têm estruturas cerebrais diferentes de nós, levando alguns pesquisadores a argumentar que as baleias e os golfinhos não poderiam alcançar habilidades cognitivas e sociais mais elevadas. Eu acho que nossa pesquisa mostra claramente que não é assim. A nova pergunta que surge é: como podem os padrões muito diferentes de estrutura cerebral de diferentes espécies resultarem em comportamentos cognitivos e sociais semelhantes”. 

Kieran Fox

É óbvio que, por causa da forma de seus corpos, eles não serão capazes de criar e desenvolver muitos dos avanços que alcançamos, e não sabemos até onde a inteligência deles pode ir, mas certamente sabemos que eles são uma espécie única no mundo.