Conheça mulheres que lutaram pelos direitos dos animais

· junho 9, 2017

Ao longo da história, são muitos os personagens famosos que lutaram a favor dos direitos dos animais. No caso das mulheres, cientistas, escritoras e ativistas de vários setores dedicaram-se a uma única causa: obter avanços pelos direitos dos animais.

Jane Goodall, primatologista

Uma autoridade na pesquisa com chimpanzés. Seus estudos na Tanzânia, ao largo de 45 anos, sobre a interação entre o homem e o chimpanzé, tornaram-na mundialmente famosa. No desenvolvimento de seu trabalho, criou o Instituto Jane Goodall. Esse centro protege os chimpanzés e seus habitats desde o ano de 1977.

Ainda é atualmente uma das ativistas da causa animal mais conhecidas. E mais, continua sendo uma autêntica referência para milhares de pessoas de todas as gerações.

Ruth Harrison, autora

Teve a valentia de ser uma das primeiras pessoas a denunciar a crueldade nos sistemas intensivos de produção. Durante a década de 60, colocou em questão os processos com os quais a indústria alimentícia tratava os animais em seu livro “Máquinas animais”.

A raiz do trabalho de Ruth Harrison começou a formar o movimento chamado “assistencialista”. Tem os direitos dos animais como símbolo.

Marian Dawkins, pesquisadora

Segundo Dawkins, os animais são seres conscientes. Têm a capacidade de sentir diferentes sensações, como a alegria, o medo, a dor, etc… Inclusive, indica que eles têm a capacidade de chegar a deduções. Segundo ela, está demostrada a consciência dos animais.

Um do estudos de Dawkins foi sobre o comportamento das galinhas confinadas em sistemas intensivos de produção. A raiz dessas investigações associou um padrão de estresse à falta de espaço.

Lizzy Lind af Hageby, ativista

No ano de 1902, a ativista de origem sueca Lizzy Lind af Hageby ingressou na Escola de Medicina de Londres. Ali, colocou sobre a mesa a crueldade com que os animais eram utilizados nas aulas.

Sua obra “Os desastres da ciênciadenuncia todo tipo de crueldades e experimentos cruéis que testemunhou. Essa obra originou muitos protestos e levou aos tribunais um dos professores que estavam envolvido nos estudos.

No ano de 1906, Hageby criou a Sociedade de Defesa dos Animais e Anti-Vivissecção. Depois de um tempo, assumiu o santuário de animais Ferne House.

Jo-Anne McArthur e Keri Cronin

Ambas, a investigadora Cronin e a jornalista McArthur, fundaram o Projeto Unboung Project. Este serviu para recolher e divulgar os marcos conseguidos por mulheres ativistas em todo o planeta. Tanto no relacionado aos direitos dos animais, como a direitos sociais em geral.

Direitos dos animais

Na atualidade, são muitas as áreas em que se luta pelos direitos dos animais. Temos o tema dos touros, a caça à raposa, o tratamento aos animais de granja, de laboratório, as exibições em circos e zoológicos, os cuidados aos animais de companhia.

Os direitos dos animais já são reconhecidos nas leis e normas de muitos países, que cada vez mais se dedicam ao trato que se deve dispensar aos animais.

Declaração Universal

No ano de 1977, foi proclamada a Declaração Universal dos Direitos dos Animais, que substituía a de 1948. É composta por 14 artigos, que se referem fundamentalmente ao direito à existência, à liberdade, a não sofrer maus-tratos e a morrer sem dor.

Os animais têm a capacidade de sofrer de uma forma muito parecida à das pessoas.

Em um mundo de seres integrados na natureza, todos com direitos, devemos educar no respeito ao valioso, no cuidado do vulnerável, tanto mais se esses seres tiverem a capacidade de sofrer.

Ainda que os animais não possam ter consciência de seus direitos, não se pode falar por eles que não a tenham. Da educação deve nascer o erradicar dos mau-tratos e de outras situações, como o abandono de animais.

Segundo os objetivos que diferentes Organizações a nível mundial se propuseram para o novo Milênio, a proteção dos direitos dos animais é uma das tarefas prioritárias.

Seria desejável que todos os países, em todas as zonas do mundo, estivessem comprometidos com os avanços desses direitos.