Conjuntivite em cães: sintomas, prevenção e tratamento

junho 11, 2018

A conjuntivite é uma doença inflamatória que afeta os olhos dos cães. Uma boa higiene é fundamental para evitá-la.

A conjuntivite é tão irritante e dolorosa para os cães como é para os humanos. É importante saber identificar seus sintomas, assim como suas causas, para podermos assegurar que a visão do nosso cão não corra riscos.

Causas e sintomas da conjuntivite canina

A conjuntivite pode afetar tanto gatos como cães. Trata-se uma inflamação na conjuntiva, uma membrana que cobre a parte posterior das pálpebras e interior dos olhos. É comum em espécies que tendem a contrair doenças cutâneas autoimunes e possuir olhos secos.

A conjuntivite canina pode ser viral, bacteriana ou alérgica. Os sintomas que nosso animal apresenta podem nos ajudar a discernir as causas da inflamação. Entre eles, temos:

  • Espasmos nos olhos
  • Tecido ocular muito molhado ou vermelho
  • Secreções oculares, que podem ser transparentes ou conter muco ou pus
  • Inchaço devido ao acúmulo de fluidos na conjuntiva
  • Formação de folículos linfoides na conjuntiva. Chamamos de “folículo” uma pequena estrutura translúcida em forma de saco que aparece na mucosa ocular em resposta a lesões ou infecções externas. Esse sintoma é próprio da conjuntivite folicular.
  • Hipersensibilidade à luz. Se o nosso animal de estimação rejeita a luz solar, é provável que tenha algum tipo de infecção ocular.
Veterinária examina olhos de cachorro

Em todos esses casos, é essencial levar nosso animal ao veterinário para que um diagnóstico adequado seja feito. Um dos métodos de diagnóstico mais utilizados é a angiografia ocular, um teste em que se injeta uma substância fluorescente no olho do animal para buscar possíveis úlceras ou alterações no sistema vascular da retina.

Tipos de conjuntivite canina

O tipo de lesão ou infecção em nosso cão vão determinar os sintomas e tratamentos da doença. Temos aqui uma lista das doenças mais comuns:

  • Conjuntivite infecciosa. Pode ser de origem viral ou bacteriana, sendo ambas contagiosas. Para identificar o agente infeccioso que a originou, devemos prestar atenção aos sintomas. Dessa forma, se nosso animal estiver com um resfriado e constatarmos que seus olhos expelem uma substância mais líquida do que espessa, é provável que seja uma conjuntivite viral. Se for bacteriana, o líquido expelido será mais espesso.
  • Conjuntivite autoimune. Trata-se de conjuntivites alérgicas ou foliculares. A primeira se relaciona com a rinite alérgica primaveral ou com o aumento do pólen na natureza, entre outros.
  • Conjuntivite neonatal. Geralmente está associada a conjuntivites virais ou bacterianas.
Sintomas da conjuntivite canina

Outros possíveis casos muito comuns são o da conjuntivite derivada da presença de tumores oculares ou de outras doenças, como o glaucoma ou a ceratite ulcerativa.

Uma obstrução do canal lacrimal também pode levar à conjuntivite. Nesse caso, existe a possibilidade de que tenhamos que submeter nosso animal a uma intervenção cirúrgica.

Tratamento e prevenção

A chave para a prevenção da conjuntivite canina é a higiene. Devemos garantir que nossos cães tenham a região ocular o mais limpa possível.

Olhos de um cachorro

Para isso, convém retirar o pelo excessivo dos olhos dos animais que acumulam muita pelagem nessa região. O pelo dos cães tende a acumular sujeira e germes, sendo esse um bom primeiro passo para evitar que contraiam infecções.

Quanto ao tratamento, devemos ter em conta que a origem da conjuntivite (um vírus, bactéria, etc) vai ser determinante. Em qualquer caso, é fundamental a limpeza ocular com soro fisiológico e a retirada de secreções e corpos estranhos.

Os colírios devem ser receitados por um veterinário, já que muitos contêm corticoides que, dependendo do tipo da doença, podem piorar os sintomas.