Cuidados com o acará-disco

Durante a época de acasalamento, os acarás-disco ficam mais escuros, devido ao fato de que as larvas são atraídas pela falta de luz (fototaxia negativa). Com isso, a prole consegue localizar os pais para se alimentar.
Cuidados com o acará-disco

Última atualização: 23 agosto, 2021

O acará-disco é uma espécie bastante apreciada pelos aquaristas, mas também famosa pelos seus complicados cuidados. O acará-disco é considerado o rei dos peixes de aquário de água doce, pois possui cores e formas marcantes que chamam a atenção. Na verdade, seu comportamento também é digno de um rei, pois ele é refinado, calmo e elegante.

Esse organismo pertence à família dos peixes ciclídeos, do gênero Symphysodon, que inclui todos os tipos de acará-disco. Se você quiser saber mais detalhes sobre os cuidados desse rei, continue lendo este artigo.

Características do acará-disco

O acará-disco é um peixe de água doce que pode atingir 15 centímetros de comprimento. A forma do seu corpo é achatada, redonda e delgada, quase como o formato de um disco, o que faz referência ao seu nome. Além disso, suas barbatanas dorsal e anal cobrem grande parte de seu corpo, dando-lhe uma forma mais oval. O plano do corpo termina com uma barbatana caudal em forma de leque.

Sua coloração particular é uma das razões pelas quais esses animais de água doce são famosos. Os padrões em tons de vermelho, verde, marrom e turquesa conseguem criar formas bastante atraentes aos olhos. Além disso, manchas, faixas e linhas podem ser vistas ao longo de sua pele.

Variantes de acará-disco

Atualmente são reconhecidas 3 espécies de acarás-disco, cuja principal diferença é a cor do corpo, o que não altera em nada os seus cuidados. De acordo com um artigo da revista científica Evolutionary Biology, as variantes são as seguintes:

  • Symphysodon discus: os espécimes dessa espécie são vermelhos. São originários do rio Negro ao norte da Amazônia e do rio Abacaxis ao sul.
  • Symphysodon tarzoo: de cor verde, esse peixe é nativo da Amazônia Ocidental, nas montanhas do Arco de Purus.
  • Symphysodon aequifasciatus: é uma espécie de tons predominantemente castanhos e proveniente da Amazônia oriental, habitando os rios Negro e Solimões.

Todos esses tipos são considerados morfotipos estabelecidos, graças ao fato de estarem respaldados por estudos genéticos. Em geral, pode-se dizer que todos eles habitam praticamente as mesmas regiões, podendo até coexistir sem maiores problemas. Portanto, a possibilidade de hibridização entre eles é alta, o que explica por que existe a grande diversidade de acarás-disco que conhecemos hoje.

 

Finalmente, deve-se notar que os organismos de vida selvagem e de cativeiro são diferentes. Isso ocorre porque hibridizações artificiais foram realizadas para manter certas características que eram mais atrativas. Poderíamos dizer que estamos diante dos primeiros passos de uma domesticação e seleção artificial.

Habitat natural

Esse peixe tem sua origem na América do Sul, onde habita os rios e matas alagadas da Amazônia. A espécie vive em águas rasas e de fluxo lento, em áreas onde a vegetação costuma ser abundante. Na verdade, no caso das florestas alagadas, o ambiente é um pouco ácido, devido à quantidade de lixo e matéria orgânica que o compõe.

Comportamento no aquário

O comportamento dessa espécie costuma ser pacífico, podendo conviver com outros peixes. No entanto, esses peixes não são sempre assim: na época de acasalamento se tornam territoriais e agressivos para defender os seus filhotes. Por isso, é melhor tentar não incluí-los em aquários com peixes muito ativos, para minimizar os riscos.

Esse ciclídeo é gregário, o que significa que vive naturalmente em grupos de 6 a 20 indivíduos. Por essa razão, os proprietários de espécimes desse tipo costumam manter vários indivíduos no mesmo tanque. Apesar disso, e embora não seja a melhor opção, alguns indivíduos conseguem sobreviver sozinhos, porém, consideram que essa escolha coloca em risco a vida do seu animal de estimação.

Essa espécie é tímida, pois busca refúgio a qualquer sinal de perigo, momento em que sua forma plana permite que acesse locais estreitos para se abrigar. Por esse motivo, é um peixe muito sujeito ao estresse, o que deve ser levado em consideração para a sua manutenção.

Preparação do tanque

É necessário ter experiência prévia com outros peixes antes de iniciar a preparação do tanque, uma vez que essa espécie é difícil de manter. Isso se deve à sua sensibilidade às mudanças na qualidade da água, além de sua clara intolerância ao estresse.

O aquário deve conter pelo menos 200 litros de água e cerca de 50 ou 80 litros a mais devem ser adicionados para cada peixe adicionado. Lembre-se de que esses tipos de animais devem viver em grupos de 4 ou mais espécimes. Portanto, tanques de 400 litros ou mais seriam adequados para isso.

Para melhorar sua qualidade de vida, é necessário ter no fundo pedras, plantas ou estruturas que permitam que os peixes se escondam. Além disso, antes da chegada do novo integrante, o tanque já deve estar instalado no local onde ficará permanentemente. Tudo isso deve ser levado em consideração para reduzir o estresse causado pela mudança de habitats e pelo transporte.

Parâmetros e condições da água

Todas as variedades de acarás-disco são bastante sensíveis ao ambiente. É por isso que é recomendado cumprir estritamente os seguintes parâmetros:

  • Tipo de substrato: areia e cascalho (combinação).
  • Luzes: moderadas, favorecendo a presença de cavernas ou áreas escuras.
  • Temperatura: 27,8 a 31,1 graus centígrados.
  • pH: 6- 6,5 (ligeiramente ácido).
  • Dureza: 10-15 dGH.
  • Movimento da água: moderado.
  • Troca de água: semanal, pelo menos 25% do volume total de água.

Uma das melhores alternativas é instalar um equipamento automatizado que mantenha a qualidade e as condições da água, pois isso diminui o volume de trabalho. Não é obrigatório, mas facilita o cuidado e a manutenção dos acarás-disco, deixando tudo ao alcance de alguns movimentos.

Precauções e cuidados extras com os acarás-disco

Depois de preparar tudo e decidir levar o peixe para casa, a primeira coisa a fazer é adaptá-lo ao seu novo lar. Isso se consegue ao expor o peixe à temperatura do aquário, flutuando o saco da loja sobre o tanque por um período de 20 minutos. A partir de então, deve-se começar a misturar aos poucos a água do aquário e a água do saco em que o peixe está.

Embora seja um processo tedioso, é extremamente importante para que o espécime se adapte ao seu novo lar e, em espécies difíceis como essa, a má aclimatação pode custar sua vida. Portanto, se você ainda nunca fez esse processo, é melhor optar por algum outro peixe que seja menos sensível a essas mudanças.

Alimentação

Os acarás-disco são organismos carnívoros, embora às vezes comam pequenas porções de plantas. Por isso, um dos melhores alimentos para eles é a comida viva, como artêmias ou Daphnias. Apesar disso, não descarte a preparação comercial em flocos, pois em algumas ocasiões eles também podem aceitá-la.

A melhor opção é manter uma mistura de comida viva e alimentos congelados, além de permitir que os acarás-disco tenham algumas plantas em seu ambiente, para que sua dieta seja balanceada. Essa espécie só precisa se alimentar duas ou três vezes ao dia, em pequenas quantidades para evitar a alimentação em excesso.

Reprodução

A reprodução em cativeiro desse ciclídeo é difícil e complicada, pois nesse processo as exigências nas condições da água são maiores ainda. Apesar disso, já foi realizado com sucesso muitas vezes, mas apenas por especialistas dedicados.

Durante esse evento, os machos da espécie ficam territoriais, a fim de chamar a atenção da fêmea e evitar que outros a roubem. Estabelecido o casal, os dois procuram um lugar entre a vegetação, para limpá-la e poder depositar seus futuros ovos. Geralmente os ovos são bastante pegajosos, podendo ficar suspensos em rochas, na vegetação ou até na parede de tanques.

As larvas eclodem após 62 ou 74 horas, onde os pais cuidarão delas o tempo todo, revezando-se nas tarefas. Para isso, secretam uma espécie de muco, que serve de alimento para os filhotes, algo semelhante ao que fazem os mamíferos. Com isso, os filhotes grudam na pele dos pais, que os “carregam” durante determinados períodos, cuidando deles e alimentando-os até que se tornem independentes.

 

Os cuidados com o acará-disco.

Por fim, resta apenas enfatizar o preparo antes da chegada do animal, uma vez que devem ser atendidas as condições para mantê-lo saudável. Cuidar de um acará-disco não é fácil, então sua melhor ferramenta sempre será a informação. Afinal, estamos lidando com uma vida que é deixada aos nossos cuidados e responsabilidade. Um animal de estimação não é um brinquedo, mas um compromisso.

Pode interessar a você...
Peixe-anjo Centropyge loriculus: habitat, características e cuidados
Meus Animais
Leia em Meus Animais
Peixe-anjo Centropyge loriculus: habitat, características e cuidados

O peixe-anjo Centropyge loriculus é um pequeno habitante de recifes que apresenta uma coloração particular. Aprenda sobre ele neste artigo.



  • Koh, T. L., Khoo, G., Fan, L. Q., & Phang, V. P. E. (1999). Genetic diversity among wild forms and cultivated varieties of discus (Symphysodon spp.) as revealed by random amplified polymorphic DNA (RAPD) fingerprinting. Aquaculture173(1-4), 485-497.
  • Amado, M. V., Farias, I. P., & Hrbek, T. (2011). A molecular perspective on systematics, taxonomy and classification Amazonian discus fishes of the genus Symphysodon. International Journal of Evolutionary Biology2011.
  • Crampton, W. G. (2008). Ecology and life history of an Amazon floodplain cichlid: the discus fish Symphysodon (Perciformes: Cichlidae). Neotropical Ichthyology6, 599-612.
  • Ready, J. S., Ferreira, E. J., & Kullander, S. O. (2006). Discus fishes: mitochondrial DNA evidence for a phylogeographic barrier in the Amazonian genus Symphysodon (Teleostei: Cichlidae). Journal of Fish Biology69, 200-211.
  • Hildemann, W. H. (1959). A cichlid fish, Symphysodon discus, with unique nurture habits. The American Naturalist93(868), 27-34.
  • Abd El-Ghany, N. A., El-Khatib, N. R., & Salama, S. S. (2014). Causes of mortality in discus fish (Symphysodon) and trials for treatment. Egypt J Aquac4, 1-12.
  • Mohammadi, F., Mousavi, S. M., & Rezaie, A. (2012). Histopathological study of parasitic infestation of skin and gill on Oscar (Astronotus ocellatus) and discus (Symphysodon discus). Aquaculture, Aquarium, Conservation & Legislation5(2), 88-93.