9 curiosidades da visão da águia-real

O grupo das aves caracterizou-se por desenvolver altamente o sentido da visão, por isso não é difícil imaginar que tanto a águia quanto o falcão tenham os olhos com a melhor acuidade visual que existe.
9 curiosidades da visão da águia-real

Última atualização: 03 junho, 2022

O grupo das aves costuma ser muito reconhecido por sua grande capacidade de visão. Graças a isso, elas podem localizar suas presas mesmo em pleno voo a vários metros de altura. De fato, alguns especialistas consideram a visão de águias e falcões tão incrível que tentaram imitá-la para aproveitar seu potencial.

Uma das aves que possui os olhos mais desenvolvidos dentro do seu grupo é a águia-real (Aquila chrysaetos). Esse poderoso e imponente exemplar é carnívoro, por isso seu estilo de caça se baseia quase inteiramente em sua capacidade visual. Continue a leitura e descubra algumas curiosidades sobre a visão da águia-real.

Quem é a águia-real?

A águia-real pertence à ordem dos Falconiformes, na qual se encontram outras aves de rapina como urubus, falcões e outros tipos de águias. Esse grupo é caracterizado por ter um bico arqueado e afiado que é usado para rasgar seus alimentos. Além disso, suas garras complementam bem essa atividade, pois seus dedos são longos e fortes o suficiente para capturar suas presas.

Essa águia tem um tamanho entre 90 e 100 centímetros de altura, com uma envergadura de quase 2,3 metros de comprimento. Da mesma forma, tem uma bela e brilhante plumagem marrom com tons de vermelho, que se tornam mais escuro no dorso e mais claro na barriga.

Fêmeas maiores que machos: águia-real

Curiosidades sobre a visão da águia-real

Para ser um bom caçador, as águias precisam de uma visão incrível. Devido a isso, seus olhos se adaptaram e se modificaram para fornecer capacidades que os humanos não possuem. A lista a seguir compila algumas das características mais curiosas sobre a visão dessa ave.

1. Seus olhos são quase tão grandes quanto os de um humano

Essa característica é uma bastante óbvia, pois seus olhos ocupam a maior parte de seu crânio. No entanto, isso não significa que suas funções sejam as mesmas que as do órgão do ser humano. Embora seu grande desenvolvimento indique que a informação visual é bastante importante para a águia.

2. Seus olhos são imóveis

Uma das consequências para a águia por ter olhos tão grandes em um crânio tão pequeno é que elas são incapazes de movê-los como os humanos. Por essa razão, se eles quiserem olhar em outra direção, precisam virar toda a cabeça e direcionar sua visão para o alvo.

3. São capazes de ver para frente e para o lado ao mesmo tempo

As águias têm dois pontos focais (fóveas) em cada olho. Esses pontos são responsáveis por permitir a entrada de luz para que a informação visual seja processada. No entanto, um deles se encarrega de olhar o que está à sua frente, enquanto o outro observa o que existe nas laterais. Dessa forma, embora seus olhos não possam se mover, a ave é capaz de enxergar em ambas as direções ao mesmo tempo.

4. Percebem mais cores que os humanos

Uma das células responsáveis por perceber as cores são os famosos cones, que costumam ser divididos em 3 tipos e que detectam as cores vermelho, azul e verde. No entanto, a águia-real possui um quarto tipo de cone que é capaz de perceber o ultravioleta. Isso faz com que ela enxergue mais cores do que os humanos. Além de permitir que ela siga o rastro de suas presas e as capture com mais facilidade.

5. Têm uma terceira pálpebra

Assim como os humanos, a águia-real possui uma pálpebra superior e uma inferior, ambas com a função de proteger o olho de qualquer problema. O único problema é que ao usar essa proteção a ave fica cega por alguns segundos, o que pode ser fatal para ela. Para evitar isso, elas desenvolveram uma terceira pálpebra transparente (nictitante) que protege seus olhos e permite que enxerguem ao mesmo tempo.

6. Enxergam muito bem na escuridão

As águias são diurnas e costumam usar a luz do dia para caçar. No entanto, existem alguns espécimes que são vistos se alimentando à noite e no escuro. Isso não é impossível, pois sua visão também possui um grande número de bastonetes nos olhos, o que lhes confere uma ótima visão noturna.

7. Seu pescoço é flexível para melhor visualizar suas presas

Como mencionado acima, os olhos da águia-real são incapazes de se mover, então a ave precisa virar todo o crânio para poder enxergar os arredores. Por essa razão, a natureza lhe deu um pescoço bastante flexível que lhe permite girar facilmente e adaptar sua visão.

8. A acuidade visual é entre 4 e 5 vezes maior que a do humano

Estima-se que a acuidade visual da águia possa ser entre 4 e 5 vezes maior que a do humano. Isso se baseia em 3 pontos principais, as aves têm olhos mais longos, sua pupila é maior e os fotorreceptores (bastonetes e cones) são mais numerosos.

9. A águia é capaz de processar mais informações visuais por segundo

A águia-real é capaz de atingir velocidades vertiginosas de até 320 quilômetros por hora. Por isso, sua visão precisa ser capaz de processar uma grande quantidade de informações por segundo. Ela consegue isso graças ao enorme número de hastes que seus olhos possuem, que aumentam a velocidade com que a informação visual flui e permitem caçar presas em pleno voo.

Águia-real em voo.

Como você pode ver, a visão da águia-real é bastante impressionante e tem muitas características que você pode não conhecer. Como se isso não bastasse, sua aparência é bastante marcante, o que a torna uma ave magnífica e especial. Às vezes é incrível o que a natureza pode formar, mas é claro que cada um dos traços que ela confere está atrelado à vida de cada ser vivo.

Pode interessar a você...
Águia-perdigueira: habitat e características
Meus Animais
Leia em Meus Animais
Águia-perdigueira: habitat e características

A águia-perdigueira é uma ave de rapina fascinante, mas suas populações estão começando a diminuir de forma preocupante com o tempo.



  • González-Martín-Moro, J., Hernández-Verdejo, J. L., & Clement-Corral, A. (2017). El sistema visual de las rapaces diurnas: revisión actualizada. Archivos de la Sociedad Española de Oftalmología, 92(5), 225-232.
  • Julivert, M. À. (2013). Las aves rapaces. Parramón Paidotribo.
  • Potier, S. (2020). Visual adaptations in predatory and scavenging diurnal raptors. Diversity, 12(10), 400.
  • Bodio, S. Golden Eagle-Aquila Chrysaetos. Apex, 16, 3-638.
  • May, R., Åström, J., Hamre, Ø., & Dahl, E. L. (2017). Do birds in flight respond to (ultra) violet lighting?. Avian Research, 8(1), 1-10.