Demônio da Tasmânia retorna à Austrália continental após 3.000 anos

23 Dezembro, 2020
O demônio da Tasmânia retorna à Austrália após ser encurralado por vários fatores em uma pequena ilha durante milhares de anos.

Nem tudo são más notícias no mundo da conservação animal. Fontes oficiais divulgaram a seguinte notícia nos últimos meses: o demônio da Tasmânia retorna ao à Austrália continental após 3000 anos.

Essa espécie desapareceu do continente australiano em meados do Holoceno – a era geológica atual. Embora as causas não sejam totalmente conhecidas, o demônio da Tasmânia estava confinado à ilha da Tasmânia, um pequeno estado insular que pertence ao governo australiano. Até agora.

Essa notícia é uma verdadeira alegria para todos os ecologistas e conservacionistas do mundo, pois mostra que, mesmo em raras ocasiões, o ser humano pode devolver as terras que tomou dos seres vivos.

Austrália: a terra perdida do demônio da Tasmânia

O demônio da Tasmânia (Sarcophilus harrisii) é um mamífero marsupial que pertence à família Dasyuridae. É importante destacar que este é o maior marsupial carnívoro do mundo, pois seu tamanho é semelhante ao de um cão pequeno.

Além das suas características morfológicas, essa espécie chama a atenção por sua sobrevivência no limite. Por milhares de anos, o demônio da Tasmânia teve seu alcance reduzido à ilha da Tasmânia, uma área de cerca de 68 mil quilômetros quadrados localizada na costa sul do continente australiano.

Além disso, a União Internacional para a Conservação da Natureza (UICN) considera que esse marsupial está em perigo, estimando que atualmente não haja mais de 15 mil indivíduos na natureza. Como ele chegou nessa situação?

Como ele chegou nessa situação?

Um declínio contínuo da população

Em meados do Pleistoceno, essa espécie se distribuiu por todo o continente australiano, mas durante o Holoceno, suas populações foram reduzidas a três núcleos remanescentes na ilha da Tasmânia.

As causas exatas desse declínio exagerado são desconhecidas, mas sabe-se que coincidiu com a expansão dos dingos – uma espécie de lobo – e dos aborígenes pelo continente. Não se sabe se foi a caça direta, a competição interespecífica ou uma combinação de fatores que levou ao seu desaparecimento.

Contudo, a provação do demônio da Tasmânia não terminou quando ele se isolou na ilha. Mostraremos a seguir dois eventos desastrosos para a espécie:

Como podemos ver, esse feroz marsupial não teve um período fácil, historicamente falando. Além de continuar sendo caçado ao longo dos anos, ele teve que lidar com o único tipo de câncer considerado transmissível.

Boas notícias para o demônio da Tasmânia

Fontes profissionais, como a revista National Geographic, destacam a importância das notícias sobre as quais falamos anteriormente, já que é uma nova oportunidade de sobrevivência para a espécie.

Graças ao ambicioso projeto Devil comeback – promovido pelas organizações Aussie Ark, WildArk e Global Wildlife conservation – 26 diabos da Tasmânia foram libertados no santuário natural Barrington Tops.

É uma reserva de cerca de 400 hectares, localizada no estado de New South Wales. Além da localização geográfica exata, o mais importante é que o demônio da Tasmânia voltou ao continente australiano.

Além disso, os esforços de conservação não terminam aqui. Após o sucesso da primeira reintrodução, as organizações já citadas pretendem integrar mais cerca de 40 indivíduos nos próximos dois anos. A esperança é que esse marsupial volte ao seu habitat original.

Isso não visa apenas proliferar a espécie, mas também obter um ecossistema mais equilibrado e natural com predadores nativos.

Os esforços de conservação não terminam aqui

Como vimos, a reintrodução do demônio da Tasmânia no continente australiano não foi um milagre. Esse plano envolveu décadas de esforços de múltiplas organizações e, sem elas, certamente estaríamos diante da extinção dessa espécie.

  • Tasmanian Devil, IUCN. Recogido a 9 de octubre en https://www.iucnredlist.org/fr/species/40540/10331066
  • El retorno del demonio de Tasmania a la Australia continental tras 3000 años https://www.nationalgeographic.com.es/naturaleza/retorno-demonio-tasmania-a-australia-continental-3000-anos-despues_15960