Dermatite por Malassezia em cães

06 Janeiro, 2021
O fungo conhecido como Malassezia em cães, apesar de viver normalmente na pele, pode causar vários distúrbios.

A doença de que falamos hoje é peculiar, pois é causada por um microrganismo que vive na pele de forma normal. Quando ocorrem certas alterações, a Malassezia em cães torna-se um fungo patogênico, causando dermatites e outras doenças.

A Malassezia em cães

Em primeiro lugar, convém conhecer um pouco mais a fundo sobre esse organismo. O gênero Malassezia foi inicialmente descrito por volta de 1874 como um fungo um tanto particular, tanto na morfologia quanto no estilo de vida. Atualmente são conhecidas até 11 espécies diferentes.

Em condições normais, esse fungo vive na pele dos cães, com presença especial nas orelhas, boca ou região genital do animalVários fatores – como a descamação natural da própria pele ou a imunidade natural do cão – mantêm o crescimento da Malassezia em equilíbrio.

A Malassezia em cães

Quando a população desse fungo está dentro dos limites, sua presença é até benéfica, pois evita que outras espécies de fungos nocivos comecem a proliferar nos tecidos da pele. No entanto, a Malassezia pode começar a ficar descontrolada em certas situações, como:

  • Um aumento significativo de umidade ou calor.

Sintomatologia em cães

Como se vê, esse fungo é oportunista, o que significa que ele aproveita para proliferar quando outras patologias mais importantes se manifestam. Um dos principais sintomas, e talvez o mais esclarecedor, é o cheiro desagradável de mofo que começa a exalar da pelagem do cachorro. Isso se deve às crostas, que costumam ser acompanhadas de coceira.

Outros sintomas característicos da dermatite por Malassezia são:

Normalmente, o abdômen é o principal local de infecção. Depois, ele se espalha para as axilas, a região da virilha e a cabeça. Ocasionalmente, atinge as extremidades e causa pododermatite, caracterizada pela coloração marrom da região interdigital.

Sintomatologia

Existem algumas raças com maior predisposição para sofrer esta dermatite, como o basset hound, o poodle, o labrador ou o shar-pei, entre outras.

Existe tratamento para essa dermatite?

Se o seu cão apresentar os sintomas que mencionamos, você deve levá-lo ao veterinário para que o animal seja examinado. Uma vez lá, o veterinário fará uma série de testes de diagnóstico – uma cultura e contagem de células, normalmente – e se a infecção por Malassezia for confirmada, a primeira coisa a fazer é aplicar antifúngicos à base de imidazol.

Dependendo da extensão da área afetada, o tratamento pode ser feito de várias maneiras. Se a lesão for muito localizada, a aplicação tópica de pomadas antifúngicas costuma ser suficiente. Nos casos mais graves, deve-se seguir um tratamento diário com xampus especialmente indicados para esse tipo de infecção.

Após algumas semanas, o número de colônias de Malassezia é contado novamente. Se voltar aos limites normais, significa que o tratamento funcionou. Contudo, de qualquer forma, pode-se prescrever algum tipo de xampu preventivo.

  • López, J. R. (2008). Dermatitis canina por Malassezia. REDVET. Revista electrónica de Veterinaria9(5), 1-13.

 

  • Nardoni, S., Dini, M., Taccini, F., & Mancianti, F. (2007). Occurrence, distribution and population size of Malassezia pachydermatis on skin and mucosae of atopic dogs. Veterinary microbiology122(1-2), 172-177.

 

  • Chen, T. A., Halliwell, R. E., Pemberton, A. D., & Hill, P. B. (2002). Identification of major allergens of Malassezia pachydermatis in dogs with atopic dermatitis and Malassezia overgrowth. Veterinary dermatology13(3), 141-150.