10 curiosidades dos tritões

Salamandras são parentes diretos de sapos e rãs, então eles têm muitas semelhanças com todos os anfíbios com os quais eles compartilham uma classe. Quer conhecer algumas de suas características?
10 curiosidades dos tritões

Última atualização: 28 Setembro, 2021

As curiosidades sobre os tritões são variadas, pois, como sapos e rãs, eles se acostumaram a viver tanto na terra quanto na água. Esses animais costumam ter um tipo complexo de reprodução, possuem uma cauda que os ajuda a nadar e se alimentam de insetos aquáticos (entre outros invertebrados).

Embora sejam tritão e salamandra frequentemente usados como termos intercambiáveis, não são a mesma coisa. Esses animais possuem traços próprios não compartilhados com nenhum outro anfíbio, além de certo parentesco entre eles. Descubra conosco o mundo desses anfíbios, pois nas linhas a seguir mostramos 10 curiosidades das tritões.

1. Os tritões são anfíbios

Os tritões pertencem à classe Amphibia, que também inclui sapos, rãs, salamandras e cobras-cegas. Embora 88% dos anfíbios sejam anuros (sapos), deve-se notar que os pertencentes à ordem Caudata (salamandras e tritões) representam cerca de 695 espécies vivas. Eles diferem de outros anfíbios pela presença de caudas.

Os tritões são caudados, mas nem todos os caudados são tritões. Existem mais de 100 espécies desses anfíbios com cauda, mas eles tendem a diferir das salamandras por seus hábitos mais aquáticos e pela ausência de glândulas parotoides atrás dos olhos. Também é comum que alguns tritões tenham pés palmados, o que os ajuda a nadar.

Existem entre 14 e 17 gêneros de tritões vivos hoje.

2. Investigando sua situação taxonômica

Os tritões pertencem à família Salamandridae, mas se distinguem do resto de seus parentes por serem incluídos na subfamília Pleurodelinae. Os gêneros de anfíbios conhecidos como “tritões estritos” são os seguintes: Cynops, Echinotriton, Euproctus, Neurergus, Notoftalmo, Pachytriton, Paramesotriton, Pleurodeles, Taricha, Triturus e Tylototriton.

No nível genético, as salamandras pertencem aos gêneros Chioglossa, Mertensiella e Salamandra.

Uma salamandra nadando para a superfície.

3. Os tritões habitam lugares muito diversos

Uma das características mais marcantes dos tritões é representada por sua distribuição heterogênea. Eles podem ser encontrados em corpos d’água e pântanos da América do Norte, Europa, Norte da África e Ásia. A maioria dos representantes desse grupo são encontrados no Velho Mundo, já que a Ásia é o lar de mais de 40 das 100 espécies existentes.

Os tritões são semiaquáticos, então eles requerem fontes de água semipermanentes durante pelo menos os meses mais quentes do ano. Em locais como a Península Ibérica (onde as fontes de água secam no outono-inverno) podem adotar uma fase terrestre que dura vários meses.

4. Uma série de características gerais comuns

Como todos os anfíbios, os tritões têm 4 membros, bocas grandes, olhos marcantes e pele muito fina. No entanto, ao contrário dos anuros, têm um corpo cilíndrico, geralmente cabeças achatadas e uma cauda muito poderosa que os ajuda a nadar.

Em geral, os tritões são escuros na região dorsal e nas laterais, e apresentam tons muito mais marcantes na seção ventral. Isso faz muito sentido, visto de cima eles se misturam com o fundo do corpo d’água, enquanto de baixo você pode ver suas cores que indicam uma certa toxicidade.

Alguns tritões são aposemáticos. Apresentam tonalidades marcantes que mostram sua capacidade de produzir toxinas.

5. Uma respiração não tão pulmonar

Os pulmões dos anfíbios são bastante básicos, sem as estruturas e câmaras esponjosas que estão presentes no trato respiratório de mamíferos e pássaros. Portanto, eles devem ajudar sua pele a respirar. Em algumas espécies, a taxa de troca de oxigênio epidérmico chega a 100% do total.

Embora não sejam tritões, as salamandras do gênero Plethodontidae se destacam dos demais anfíbios pela ausência total de pulmões. Esses vertebrados respiram apenas através da pele e através do epitélio localizado na cavidade orofaríngea.

6. Talvez o segredo da regeneração esteja neles?

Larvas de salamandra do gênero Ambystoma têm sido utilizadas em vários experimentos, pois são capazes de desenvolver órgãos inteiros após lesão. De qualquer forma, outra das curiosidades sobre os tritões é que eles também têm uma capacidade regenerativa incomum.

Uma das teorias mais difundidas é que as células desses urodelos são capazes de se desdiferenciar, se proliferar e se especializar novamente para reconstruir o tecido danificado. Assim, em vez de formar tecido cicatricial (como os humanos), eles são capazes de substituir uma parte amputada por outra igualmente funcional.

7. Os tritões têm reprodução intrincada

A época de reprodução dos tritões no hemisfério norte é entre junho e julho, embora em locais mais secos como a Península Ibérica eles possam começar a desenvolver o instinto de cópula muito mais cedo, por volta de março-abril. O dimorfismo sexual costuma ser muito evidente, pois os machos apresentam calosidades nas pernas, cristas e cloacas inchadas.

De acordo com estudos, alguns tritões têm um comportamento reprodutivo chamado lekking. Nele, os machos se inserem no corpo d’água de forma ordenada e seguindo uma certa hierarquia. Eles se exibem como se fosse uma exposição, e as fêmeas escolhem os mais chamativos.

A coloração, posição hierárquica e dimorfismo sexual do macho são indicativos de sua qualidade genética.

8. Como todos os anfíbios, eles passam por um estágio larval

Outra curiosidade sobre os tritões é que todos eles têm uma fase larval aquática. No entanto, ao contrário de sapos e rãs, os filhotes não têm a forma de girino. São mais alongados, desenvolvem os membros mais precocemente e possuem guelras externas em forma de “árvore”.

Quando as larvas se metamorfoseiam, perdem as guelras, desenvolvem os pulmões e passam por uma fase terrestre de duração variável.

9. Esses anfíbios fazem o seu melhor

Alguns tritões produzem substâncias tóxicas de certas glândulas para intimidar seus predadores, pois são animais lentos e desajeitados com poucos meios de fuga disponíveis. A espécie Taricha granulosa é especialmente notável nessa frente, pois produz tetrodotoxinas suficientes para matar um ser humano sem nenhum problema.

Outras espécies possuem métodos de defesa mais rudimentares. Por exemplo, a salamandra-de-costelas-salientes Pleurodeles waltl tem uma série de glândulas tóxicas por todo o corpo. Quando ameaçada, ela enfia suas próprias costelas sobre as glândulas e as puxa para fora, perfurando e intoxicando qualquer predador em potencial que tente comê-la.

Um dos tipos de anfíbios.

10. Não são animais perigosos e estão ameaçados

Como última curiosidade sobre os tritões, é preciso ressaltar que não são perigosos para os humanos. A menos que uma pessoa coloque intencionalmente um espécime na boca ou esfregue os olhos após manuseá-lo, é impossível que suas toxinas, se tiverem, cheguem ao nosso corpo.

Além disso, os tritões e 41% dos anfíbios em geral estão em perigo de extinção, pois as mudanças climáticas e a poluição da água estão destruindo seus habitats originais. É preciso conhecer e cuidar desses impressionantes seres vivos para continuar a desfrutá-los por muitos mais anos.

Pode interessar a você...
As salamandras têm fungos?
Meus Animais
Leia em Meus Animais
As salamandras têm fungos?

As salamandras têm fungos específicos que causam infecções bastante sérias, até mesmo mortais. É o caso de uma descoberta recente. Leia mais!



  • Hedlund, L., & Robertson, J. G. (1989). Lekking behaviour in crested newts, Triturus cristatus. Ethology, 80(1‐4), 111-119.
  • Zhang, P., Papenfuss, T. J., Wake, M. H., Qu, L., & Wake, D. B. (2008). Phylogeny and biogeography of the family Salamandridae (Amphibia: Caudata) inferred from complete mitochondrial genomes. Molecular phylogenetics and evolution, 49(2), 586-597.
  • Oberpriller, J. O., & Oberpriller, J. C. (1974). Response of the adult newt ventricle to injury. Journal of Experimental Zoology, 187(2), 249-259.
  • Oldham, R. S., Keeble, J., Swan, M. J. S., & Jeffcote, M. (2000). Evaluating the suitability of habitat for the great crested newt (Triturus cristatus). Herpetological Journal, 10(4), 143-155.