A salamandra-de-costelas-salientes: características e habitat

A salamandra-de-costelas-salientes é um anfíbio que tem a capacidade de contrair o abdômen para expor suas costelas. Além disso, todo o seu corpo secreta uma substância desagradável e tóxica para os predadores.
A salamandra-de-costelas-salientes: características e habitat

Última atualização: 03 Abril, 2021

Parente das rãs e dos tritões, a salamandra-de-costelas-salientes (Pleurodeles waltl) é um urodelo de formato alongado e cauda vistosa que vive em regiões do Mediterrâneo. É uma das joias da Península Ibérica, visto que seu grande porte e seu aspecto pré-histórico fascinam até os mais céticos.

Esse anfíbio urodelo é capaz de viver tanto na água como na terra, o que o torna um animal que se adapta a qualquer ambiente. Embora pareça inofensivo, ele usa até seus ossos para se proteger de qualquer predador, como veremos nas linhas a seguir.

Praticamente tiradas de um filme, as salamandras-de-costelas-salientes não têm medo de se machucar para sobreviver. Se você quiser saber mais sobre elas, o que são, como vivem e o que fazem, continue lendo.

Salamandra-de-costelas-salientes: informações gerais

As salamandras-de-costelas-salientes são classificadas como anfíbios urodelos, organismos que costumam manter a pele úmida para respirar. É o maior anfíbio da Europa, podendo atingir 31 centímetros de comprimento, uma cauda que se destaca e pele áspera. Sua cabeça é larga com olhos ligeiramente saltados.

A cor do seu corpo geralmente é marrom-esverdeado, com uma tonalidade amarela ao longo do ventre. Apresenta pintas pretas no dorso, e no flanco são observadas granulações laranja. Suas patas traseiras têm 4 dedos, um a menos que as dianteiras, que são mais alongadas e com 5 dedos.

Os machos apresentam dimorfismo sexual, pois têm cauda e membros mais longos, além de maiores rugosidades nas patas.

Machos e fêmeas são necessariamente diferentes para melhorar seu processo de acasalamento. As características do macho definem sua saúde e aptidão de sobrevivência, enquanto, dessa forma, as fêmeas selecionam os machos mais adequados para se reproduzir.

Por outro lado, quando o cortejo e o acasalamento acabam, os ovos que a fêmea põe são bastante pequenos. Quando eclodem, as larvas são caracterizadas por suas grandes cristas e guelras altamente desenvolvidas.

A vida da salamandra-de-costelas-salientes

As salamandras-de-costelas-salientes geralmente habitam áreas de água temporárias, então eles têm duas vidas, uma aquática e outra terrestre. Enquanto o corpo de água existir, a salamandra-de-costelas-salientes é completamente aquática e capaz de respirar na água.

Por ser uma salamandra, esse anfíbio pode resistir a períodos de seca abrigando-se sob o solo sem maiores problemas. Embora também seja possível encontrar espécimes ativos em dias muito úmidos. Dessa forma, as salamandras-de-costelas-salientes sobrevivem sem água e aguardam ansiosamente a chegada das chuvas.

Por outro lado, quando as chuvas voltam, as salamandras-de-costelas-salientes saem de seus esconderijos e é fácil vê-las nadando. Como se alimentam de alguns crustáceos e pequenos invertebrados no fundo do corpo d’água, elas guardam energia. Sua principal intenção é iniciar o ritual de acasalamento o mais rápido possível.

Reprodução e cortejo

Depois que as salamandras-de-costelas-salientes têm acesso a um corpo d’água, elas tentam iniciar o acasalamento. Apesar das aparências, os machos se esforçam ativamente para cortejar a fêmea, em uma série de organizações comportamentais distribuídas por todo o charco.

Os machos dessa espécie cortejam através da agitação da cauda e, se a fêmea aceitar, o pretendente sortudo pode fecundá-la. Essa rápida dança com a cauda costuma durar alguns minutos e termina com um abraço ou amplexo, postura reprodutiva típica dos anfíbios.

As salamandras-de-costelas-salientes acabam fazendo uma espécie de dança em que o macho pega a fêmea pelas patas e a solta várias vezes. Todo o ritual lembra uma dança em que a fêmea termina com a postura dos ovos, escondendo-os até o nascimento.

Habitat e distribuição

A salamandra-de-costelas-salientes se distribui principalmente no Mediterrâneo, que abrange grande parte da Península Ibérica. Em Portugal, pode ser encontrada em grande parte do país, exceto no extremo norte, enquanto na Espanha as populações são observadas em grande parte do centro e do sul.

Embora geralmente seja encontrado em áreas onde existem corpos d’água estáticos, esse animal também é capaz de viver em rios e riachos. Inclusive, é tão flexível que sobrevive em áreas com alterações humanas como poços, piscinas ou reservatórios. Em geral, é encontrado em áreas úmidas, subúmidas e semiáridas.

Embora a salamandra-de-costelas-salientes possa sobreviver à seca escondendo-se no barro ou no solo úmido, é uma espécie com status de Quase Ameaçada (NT). Alguns de seus principais riscos são a contaminação dos corpos d’água, o desmatamento e as espécies invasoras.

As curiosas técnicas de defesa da salamandra-de-costelas-salientes

A salamandra-de-costelas-salientes enfrenta diferentes ameaças, porém, pelo menos para enfrentar seus predadores, está totalmente equipada. Esse anfíbio possui um mecanismo de defesa que parece retirado de um filme de mutantes: ela é capaz de retirar suas costelas e impregná-las de secreções tóxicas para enfrentar seus inimigos.

Assim, a salamandra-de-costelas-salientes se machuca para se defender: depois de tirar as costelas, pode ter certeza de que ela as usará. A salamandra-de-costelas-salientes não é muito afetada por esse ato primitivo, pois sua pele é capaz de se regenerar facilmente, portanto não corre perigo.

Os predadores da salamandra-de-costelas-salientes evitam comê-la para evitar o afogamento, literalmente, pois essas costelas ficariam presas em seus esôfagos e causariam uma grave asfixia. As secreções tóxicas que esse anfíbio gera também jogam a seu favor, pois são repelentes para muitos animais.

Por não possuírem garras grandes ou músculos poderosos para fugir, os anfíbios tiveram que inventar outras maneiras de evitar a predação. Você conhecia um método de defesa tão único quanto o da salamandra-de-costelas-salientes?

Pode interessar a você...
Os mecanismos de defesa da salamandra pintada
Meus AnimaisLeia em Meus Animais
Os mecanismos de defesa da salamandra pintada

A salamandra pintada, assim como outros espécimes de seu gênero, possui curiosos mecanismos de defesa. Conheça alguns deles neste artigo!



  • del Mármol Marín, G. M., & Robles, O. J. (1830) Ficha de Pleurodeles waltl Gallipato Pleurodeles waltl Michahelles.
  • Gutiérrez-Rodríguez, J., Barbosa, A. M., & Martínez-Solano, Í. (2017). Integrative inference of population history in the Ibero-Maghrebian endemic Pleurodeles waltl (Salamandridae). Molecular Phylogenetics and Evolution112, 122-137.
  • Heiss, E., Natchev, N., Salaberger, D., Gumpenberger, M., Rabanser, A., & Weisgram, J. (2010). Hurt yourself to hurt your enemy: new insights on the function of the bizarre antipredator mechanism in the salamandrid Pleurodeles waltl. Journal of Zoology280(2), 156-162.
  • Salvador, A. (2014). Gallipato–Pleurodeles waltl (Michahelles, 1830). Enciclopedia Virtual de los Vertebrados Españoles. Museo Nacional de Ciencias Naturales, Madrid.