As salamandras têm fungos?

Os anfíbios são um dos grupos de animais mais importantes do mundo. E se as salamandras tivessem fungos, isso seria um problema para esse grupo de animais. Você quer saber mais?
As salamandras têm fungos?

Última atualização: 03 Janeiro, 2021

As salamandras têm fungos específicos que causam infecções bastante sérias, até mesmo mortais. É o caso de uma descoberta recente, do fungo Batrachochytrium salamandrivorans. Essa micose foi descrita pela primeira vez em abril de 2018 e afetou diferentes espécies de salamandras em todo o continente europeu, tanto selvagens como domésticas.

As salamandras têm fungos: uma visão geral

O fungo Batrachochytrium salamandrivorans foi identificado pela primeira vez em 2013, quando uma redução dramática na população de salamandras foi detectada na Holanda. Desde então, esse fungo tem devastado populações de anfíbios na Espanha e em outros países do continente europeu. Na verdade, ele foi encontrado em várias regiões de fronteira com a Bélgica e em populações cativas de salamandras e tritões na Alemanha e no Reino Unido.

Acredita-se que as espécies nativas de B. salamandrivorans venham do sudeste da Ásia, pois foram identificadas no Japão, na Tailândia, no Vietnã e recentemente na China.

As salamandras têm fungos: uma visão geral
Fonte: https://www.flickr.com/

Fora da Europa Ocidental, o fungo B. salamandrivorans é conhecido por infectar várias espécies nativas de salamandra na Ásia, mas não parece ser uma causa significativa de doença ou mortalidade nessas espécies. Por isso é considerado endêmico na Ásia, e as espécies daquela região podem atuar como reservatório de doenças.

Batrachochytrium salamandrivorans foi descrito como uma séria ameaça às salamandras na Europa e na América.

Transmissão

O fungo é encontrado em ambientes úmidos, tanto em águas doces, salgadas ou salobras. A transmissão costuma ser horizontal, por contato direto com águas contaminadas, uma vez que o fungo permanece inalterado no meio ambiente, em sua forma resistente: os esporos. Eles nadam ativamente na água e a dessecação é fatal para eles em todos os estágios do seu ciclo de vida.

Transmissão

Os fatores de risco que promovem a infecção são as temperaturas em torno de 15 °C. Na verdade, o B. salamandrivorans demonstrou não colonizar a pele das salamandras a temperaturas acima de 25 °C.

Os indivíduos que sobrevivem à doença podem ser infectados de forma persistente.

Sintomatologia

Causa uma quitridiomicose, caracterizada por lesões – nesse caso fatais – na pele. O fungo é um parasita das células da epiderme, causa úlceras com significativa degradação da pele e deteriora o animal de tal forma que ele morre duas ou três semanas depois.

Em geral, os sinais clínicos da doença causada por fungos do gênero Batrachochytrium são variáveis ​​e não patognomônicos.

As salamandras têm fungos

Importância social, econômica e ambiental

Os anfíbios são um dos grupos de animais mais importantes do mundo. Em geral, eles fornecem uma série de “serviços”, como:

  • Serviços de provisão: destacando medicamentos derivados das secreções da sua pele.
  • Regulatório: por exemplo, controlando insetos, pragas agrícolas, etc.
  • Cultural: pois existem inúmeros exemplos de inspiração nesses animais no sentido estético, religioso ou espiritual.
  • Serviços ambientais de apoio: podem contribuir para a manutenção de estruturas ao escavar o solo e se movimentar no meio aquático, o que favorece a circulação. Contudo, a sua maior contribuição é para as funções dos ecossistemas, devido ao seu papel nas cadeias alimentares.
Importância social, econômica e ambiental

B. salamandrivorans pode afetar negativa e significativamente o nível populacional – até a extinção – de várias espécies de anfíbios.

Métodos de controle

Um protocolo foi desenvolvido para o tratamento de salamandras infectadas. Foi demonstrado que a infecção desapareceu em salamandras infectadas expostas por 10 dias a uma temperatura de 25 °C. No entanto, a margem entre a temperatura capaz de eliminar o fungo e a temperatura crítica superior tolerada pela maioria desses animais é estreita.

Outro tratamento eficaz consiste na administração de uma combinação de antibióticos, método reservado exclusivamente para animais mantidos em cativeiro ou capturados.

Métodos de controle

A fim de controlar a invasão do patógeno, devem ser implementadas restrições de movimento para limitar a sua introdução, bem como medidas de detecção precoce por meio da vigilância de áreas de alto risco.

O comércio de salamandras é considerado a rota mais provável de entrada do B. salamandrivorans em novas regiões geográficas.

Pode interessar a você...
5 anfíbios da América do Sul: conheça-os aqui!
Meus AnimaisLeia em Meus Animais
5 anfíbios da América do Sul: conheça-os aqui!

Graças à grande biodiversidade dessa parte do mundo, esses anfíbios da América do Sul têm cores e tamanhos muito diferentes. Saiba mais aqui!