Os 10 insetos mais venenosos do mundo

Os insetos venenosos nem sempre significam más notícias, pois suas toxinas podem ser utilizadas para a síntese de drogas antibacterianas, antifúngicas e antiparasitárias.
Os 10 insetos mais venenosos do mundo

Última atualização: 01 Outubro, 2021

Os insetos são seres invertebrados que carecem de um esqueleto interno, o que não os impede de serem extremamente surpreendentes. Devido ao seu tamanho, esses animais precisam de mecanismos de defesa que lhes permitam sobreviver em seu ambiente. Por isso, alguns desses insetos produzem substâncias tóxicas que lhes dão a fama de serem os menores e mais venenosos organismos que existem.

Pode parecer estranho, mas aranhas, tarântulas, ácaros e escorpiões não pertencem a esse grupo. Se você quiser ver de outra forma, todos os insetos são invertebrados, mas nem todos os invertebrados são insetos. Continue lendo para conhecer os espécimes mais venenosos da classe Insecta.

Quem são os insetos?

Quando nos referimos a esses artrópodes, estamos na verdade falando de um grupo de invertebrados que pertencem à classe Insecta. Esses pequenos seres são alguns dos mais diversos que existem no planeta, pois estima-se que existam 10 ou 20 milhões deles, dos quais conhecemos apenas 1,8 milhão.

As principais características dessas espécies são a presença de antenas, 3 pares de patas e, em alguns casos, 2 pares de asas. Além disso, a parte externa de seu corpo é coberta por uma camada dura ou exoesqueleto que serve para protegê-los do meio ambiente e também para se moverem. Além do mais, cada membro tem pontos fixos móveis, que se assemelham à operação robótica de uma garra de escavadeira.

Os insetos mais venenosos

Os insetos venenosos costumam injetar substâncias tóxicas que causam dor e podem levar à anafilaxia. Porém, a maioria de suas picadas são inofensivas, pois causam apenas irritação, inchaço, coceira e um pouco de dor.

Por isso, embora o veneno não seja tão potente a ponto de ser considerado letal, deve-se ter cuidado com a reação alérgica exagerada produzida pelo organismo, que pode ser fatal. Conheça junto com a gente os insetos mais venenosos do mundo.

Vespa-europeia (Vespa crabro)

Essa vespa é um invertebrado de aparência robusta que é imponente. O tamanho que atinge pode parecer pequeno, pois mal ultrapassa os 20 milímetros de comprimento, mas supera a média da maioria dos insetos. Essa espécie está distribuída na Ásia e é perigosa devido à sua grande agressividade quando perturbada.

A picada de seu ferrão injeta toxinas que provocam inchaço e dor aguda na área afetada. No entanto, é exatamente esse efeito que causa a liberação de histamina no corpo humano. Isso é importante, pois essa molécula é precursora de reações alérgicas e, se não for controlada, pode ser fatal. Apesar disso, a maioria das mordidas cicatriza sem cuidado excessivo.

Na verdade, o veneno dessa espécie é semelhante ao de outras vespas, o que não significa que todas as seus parentes sejam perigosas. A grande diferença é que a vespa-europeia fabrica uma quantidade maior de toxinas, o que o faz ser considerado um inseto venenoso e prejudicial à saúde.

Uma vespa europeia no campo.

Vespa-asiática (Vespa velutina)

Como a anterior, essa vespa é nativa da Ásia, embora tenha conseguido começar a invadir regiões da Europa. É considerada uma espécie perigosa para o ecossistema, uma vez que é considerada perseguidora de abelhas melíferas. Além disso, em seu veneno foi encontrado “Ves v 5“, um alérgeno comum das vespas.

O efeito da picada desse organismo geralmente envolve dor local, inchaço e vermelhidão. No entanto, alguns componentes de suas toxinas são voláteis, por isso são lançados no ar e “avisam” seus colegas para morderem o mesmo alvo. Dessa forma, quando uma vespa pica, as outras são alertadas para atacar o mesmo alvo, causando intoxicação severa.

Uma vespa asiática no chão.

Vespa-gigante-asiática (Vespa mandarinia)

A vespa-gigante-asiática é um inseto de quase 5 centímetros de comprimento cujo veneno já causou várias mortes, sendo temido pela população local. Ao contrário dos demais espécimes de seu gênero, essa espécie apresenta dois tipos de toxinas, a primeira causa inchaço e a segunda é considerada neurotóxica.

Embora a mandaratoxina (neurotoxina) seja um componente perigoso para o ser humano, isso não deve ser motivo de preocupação, pois uma única picada geralmente não é fatal. Isso porque seriam necessárias várias dezenas dessas amostras para que fossem consideradas um risco. Mesmo assim, quando ocorrem picadas múltiplas, observam-se complicações como necrose de pele, lesão de órgãos e morte da vítima.

Uma vespa gigante asiática.

Formiga-cabo-verde (Paraponera clavata)

As formigas-cabo-verde são insetos venenosos de 30 milímetros de comprimento que os habitantes locais temem encontrar. O nome comum dessa espécie em inglês bullet ant deriva da crença de que sua mordida é comparável a uma bala. Apesar disso, algumas tribos amazônicas realizam um ritual em que os homens se submetem às suas toxinas para se tornarem resistentes.

Dentro de seu veneno, destacam-se as neurotoxinas, cujo efeito no sistema nervoso é responsável pela dor característica. Além disso, esse organismo também causa um inchaço proeminente que levará entre 24 e 48 horas para diminuir e não irá cicatrizar completamente antes dos 19 anos. Embora a picada de um espécime não seja fatal, a de vários indivíduos pode representar um risco à saúde.

As curiosidades da formiga-bala são múltiplas.

A formiga Solenopsis richteri

Essas formigas são uma espécie invasora considerada uma praga perigosa para os campos agrícolas. Como se não bastasse, sua picada é bastante dolorosa e causa uma sensação semelhante a uma queimadura, da qual recebe seu nome vulgar.

Os alcaloides são as principais toxinas do veneno, responsáveis pela queimação que é sentida em sua picada. Além disso, essas substâncias são alergênicas e, por isso, tendem a causar reações com certa frequência. Na verdade, em casos mais raros, as feridas podem infeccionar e até causar sequelas neurológicas.

Vespa-do-papel-europeia (Polistes dominula)

A vespa-do-papel-europeia é caracterizada por fazer construções com um material que se assemelha muito ao papelão. Esses insetos são sociáveis e pacíficos, porém, habitam locais próximos aos centros urbanos, onde são facilmente perturbados.

As toxinas desses insetos venenosos não são muito perigosas, pois seus componentes se comportam mais como alérgenos. Isso significa que o inchaço, a coceira e a dor são o produto de uma reação alérgica local, que em alguns casos pode ser fatal. Por isso são considerados animais nocivos, já que o resultado de sua mordida pode causar anafilaxias graves e letais.

Arrebenta-bois (Berberomeloe majalis)

Esse besouro é um organismo de aparência curiosa, pois seu abdômen é alongado, lembrando o formato de uma vespa. Embora esse inseto não tenha como injetar o veneno que produz, pode se tornar perigoso se for consumido. Apesar disso, tem sido usado coloquialmente para fins médicos e recreativos e como base para alguns medicamentos.

Durante 2013, um soldado de 23 anos concordou em consumir um espécime dessa espécie como parte de um desafio, o que o levou ao hospital 7 horas depois. A toxina cantharidina foi o motivo, pois causa dor abdominal, hipotensão, febre, insuficiência renal e morte em casos extremos. Felizmente, o soldado sobreviveu e teve alta do hospital uma semana depois.

Um dos insetos mais venenosos do mundo.

Abelha-africana (Apis mellifera scutellata)

Essa subespécie de abelha nativa da África é caracterizada por seu comportamento defensivo (às vezes considerado agressivo). Apesar de sua aparência, esses organismos são a causa de morte em animais e humanos. No entanto, seu veneno não é mais mortal do que o da abelha melífera normal.

O perigo desses espécimes está em seu comportamento, uma vez que tendem a atacar com mais facilidade. Além disso, devido às suas capacidades de comunicação, o ataque consiste em várias centenas de indivíduos, em vez de apenas um. Por esse motivo, várias pessoas foram hospitalizadas por terem sido picadas por enxames, cujas consequências as levaram aos cuidados intensivos.

Cantárdida (Lytta vesicatoria)

Esse lindo besouro esmeralda é um dos poucos que possui uma toxina como a cantharidina. Assim como o arrebenta-bois, essa espécie produz um composto amplamente utilizado na medicina tradicional, pois é utilizado como afrodisíaco, diurético e recreativo. Como seu consumo em excesso pode levar à morte, seu uso foi reduzido e atualmente apenas alguns fármacos o utilizam como base.

Um dos insetos mais venenosos.

Taturana-oblíqua (Lonomia obliqua)

Esses insetos venenosos são uma das fases do ciclo de vida da borboleta e possuem pelos urticantes que servem como excelente defesa. Embora essa lagarta não pareça capaz de fazer mal a você, as consequências de seu contato podem deixar sequelas e até mesmo causar a morte.

O veneno dessa espécie tem como principal composto a lonomiatoxina, capaz de causar hemorragia intracerebral, insuficiência renal e coagulopatias. Na verdade, o Instituto Butantan, no Brasil, é quem desenvolveu o único tratamento eficaz contra seu veneno. No entanto, se não for administrado rapidamente, as consequências desse encontro podem durar a vida toda.

Como você pode ver, a maioria desses organismos não tem a capacidade de ser letal por si só, mas a alergia às suas toxinas é o problema nessas situações. Por esse motivo, não é aconselhável manusear nenhum inseto, por mais inofensivo que pareça, pois você poderá se surpreender. No final, esses animais estão apenas se defendendo e não há maldade em suas ações.

Pode interessar a você...
4 dicas se o seu cão consumir algum veneno
Meus Animais
Leia em Meus Animais
4 dicas se o seu cão consumir algum veneno

O consumo de veneno representa um risco potencial à vida do animal. O que fazer se seu cão consumir veneno? Essas dicas podem ajudar.



  • Monsalve, R. I., Gutiérrez, R., Hoof, I., & Lombardero, M. (2020). Purification and molecular characterization of phospholipase, antigen 5 and hyaluronidases from the venom of the Asian hornet (Vespa velutina). PloS one15(1), e0225672.
  • Cheng, Y. N., Wen, P., Dong, S. H., Tan, K., & Nieh, J. C. (2017). Poison and alarm: the Asian hornet Vespa velutina uses sting venom volatiles as an alarm pheromone. Journal of experimental biology220(4), 645-651.
  • Abe, T., Kawai, N., & Niwa, A. (1982). Purification and properties of a presynaptically acting neurotoxin, mandaratoxin, from hornet (Vespa mandarinia). Biochemistry21(7), 1693-1697.
  • Yanagawa, Y., Morita, K., Sugiura, T., & Okada, Y. (2007). Cutaneous hemorrhage or necrosis findings after Vespa mandarinia (wasp) stings may predict the occurrence of multiple organ injury: a case report and review of literature. Clinical Toxicology45(7), 803-807.
  • Abe, T., & Kawai, N. (1983). Cardioactive effects of hornet venom, Vespa mandarinia. Comparative biochemistry and physiology. C, Comparative pharmacology and toxicology76(2), 221-225.
  • Johnson, S. R., Rikli, H. G., Schmidt, J. O., & Evans, M. S. (2017). A reexamination of poneratoxin from the venom of the bullet ant Paraponera clavata. Peptides98, 51-62.
  • Bosmia, A. N., Griessenauer, C. J., Haddad, V., & Tubbs, R. S. (2015). Ritualistic envenomation by bullet ants among the Sateré-Mawé Indians in the Brazilian Amazon. Wilderness & environmental medicine26(2), 271-273.
  • Khan, S. A., Shelleh, H. H., Khan, L. A., & Shah, H. (1999). Black fire ant (Solenopsis richteri) sting producing anaphylaxis: a report of 10 cases from Najran. Annals of Saudi Medicine19(5), 462-464.
  • Kemp, S. F., DeShazo, R. D., Moffitt, J. E., Williams, D. F., & Buhner II, W. A. (2000). Expanding habitat of the imported fire ant (Solenopsis invicta): a public health concern. Journal of Allergy and Clinical Immunology105(4), 683-691.
  • Grosch, J., Hilger, C., Bilò, M. B., Kler, S., Schiener, M., Dittmar, G., … & Blank, S. (2020). Shedding light on the venom proteomes of the allergy-relevant hymenoptera polistes dominula (European paper wasp) and vespula spp.(yellow jacket). Toxins12(5), 323.
  • Cotovio, P., Silva, C., Guedes Marques, M., Ferrer, F., Costa, F., Carreira, A., & Campos, M. (2013). Acute kidney injury by cantharidin poisoning following a silly bet on an ugly beetle. Clinical kidney journal6(2), 201-203.
  • Funari, S. R. C., Zeidler, P. R., Rocha, H. C., & Sforcin, J. M. (2001). Venom production by Africanized honeybees (Apis mellifera) and Africanized-European hybrids. Journal of venomous Animals and Toxins7, 190-198.