Diapausa em animais: definição e exemplos

A diapausa é um mecanismo de sobrevivência muito curioso, mas também um dos mais desconhecidos. Vamos conhecê-lo em detalhes.
Diapausa em animais: definição e exemplos
Sara González Juárez

Escrito e verificado por a psicóloga Sara González Juárez.

Última atualização: 05 fevereiro, 2023

Você provavelmente já sabe que os animais têm mecanismos fascinantes para lidar com condições ambientais extremas, como um inverno particularmente rigoroso. A diapausa é um desses mecanismos, embora nem todos o conheçam por esse nome ou saibam disso. Muitas vezes esse mecanismo é confundido com a hibernação ou a estivação, mas não tem nada a ver com elas.

Se você quer conhecer essa fascinante adaptação para autopreservação, está no lugar certo. Não perca nada, pois ao conhecê-la você se sentirá mais próximo da natureza e de seus processos para manter o equilíbrio de seus ecossistemas. Vamos lá!

O que é a diapausa?

Evitar a extinção da borboleta-monarca é assunto de todos.
Cuterebra fontinella.

A diapausa é um estado fisiológico caracterizado pela inatividade do animal e que é desencadeado por alterações ambientais específicas que predizem condições adversas para a sobrevivência do indivíduo. Além deste último, também requer estímulos de terminação específicos que sinalizam o fim de condições adversas.

Assim, na diapausa, como o próprio nome indica, ocorre uma pausa no desenvolvimento e no crescimento de um organismo diante da ameaça de vida devido a condições externas. Pode acontecer em qualquer época do ano, perante uma seca inesperada, um inverno particularmente frio, escassez de alimentos, etc.

Diferenças entre diapausa e hibernação

Após ler essa breve definição, você pode ter pensado rapidamente na hibernação e em animais como os ursos. No entanto, enquanto a diapausa é um estado de parada no desenvolvimento de um animal, a hibernação é uma letargia que ocorre sempre no inverno (ou no verão, no caso da estivação).

Na diapausa, não ocorrem os mesmos processos fisiológicos da hibernação: não há queda da temperatura corporal, diminuição da frequência cardíaca e do metabolismo ou estado de letargia, semelhante ao coma. Por outro lado, os processos fisiológicos da diapausa começam antes dos eventos adversos, de modo que são ativados pelos estímulos que os preveem, e não pela própria adversidade.

Diferenças entre diapausa e quiescência

Outro processo semelhante à diapausa é a quiescência, que consiste em um período de repouso em que o metabolismo desacelera, mas o animal ainda consegue se movimentar para aproveitar os recursos disponíveis. Às vezes, a diapausa é seguida por um período de quiescência, de modo que o animal se prepara para aproveitar as condições favoráveis assim que elas aparecem.

Tipos de diapausa

Nem todas as diapausas são iguais, ainda que respondam à mesma necessidade de sobrevivência. Atualmente, existem 2 tipos, obrigatórios e opcionais, como você pode ler abaixo:

  • Obrigatório: o animal entra neste estado em alguma fase de sua vida, desde que coincida com períodos de escassez de recursos.
  • Facultativa: a diapausa é iniciada apenas quando as condições ambientais ameaçam se tornar adversas.

As fases da diapausa

Este processo passa por várias fases em que o funcionamento do corpo do animal muda progressivamente. Vejamos cada uma delas em detalhes:

  1. Indução: nesta fase o indivíduo responde aos chamados “sinais simbólicos”, que são aqueles que predizem uma mudança nas condições ambientais (variação do fotoperíodo, mudanças químicas nas plantas das quais se alimenta, diminuição da temperatura, etc.).
  2. Preparação: lipídios, carboidratos e proteínas são acumulados para os animais se manterem vivos durante a diapausa. Algumas espécies pulam esta fase e vão diretamente da indução para a iniciação.
  3. Iniciação: esta fase começa quando o desenvolvimento morfológico do animal é interrompido. As mudanças enzimáticas começam a resistir às condições adversas que estão por vir, mudanças no comportamento ou no metabolismo.
  4. Manutenção: o metabolismo é mantido em níveis baixos e o crescimento é interrompido. Nesta fase, a sensibilidade às mudanças ambientais aumenta novamente, a fim de detectar aquelas que sinalizam o fim da diapausa.
  5. Término: o organismo é reativado pouco a pouco, à medida que aparecem as condições favoráveis. No caso da diapausa obrigatória, esse processo é ditado pelo genoma do animal.

Exemplos

Um canguru vermelho correndo.
Macropus rufus.

A diapausa é comum entre os insetos, especialmente em seus estágios larvais. Assim, uma lagarta que faz sua crisálida se metamorfosear durante o inverno pode atrasar sua eclosão para alguns meses depois, se o inverno for especialmente frio.

Os coleópteros, ao contrário, costumam passar por um período de diapausa no verão, quando as secas e as ondas de calor são mais frequentes.

Por outro lado, existe também a chamada diapausa embrionária, típica de marsupiais e outros mamíferos. O organismo dos cangurus-vermelhos (Macropus rufus), por exemplo, é capaz de interromper o desenvolvimento de um embrião se tiver um filhote lactente em sua bolsa. Esse embrião permaneceria em diapausa até que o corpo da mãe pudesse assumir o investimento de recursos biológicos de uma gravidez.

Portanto, a diapausa é um mecanismo biológico que garante a sobrevivência dos indivíduos quando o ambiente não é adequado para isso. Mais uma vez, a natureza nos surpreende com estratégias de adaptação até mesmo às suas próprias mudanças inesperadas.


Todas as fontes citadas foram minuciosamente revisadas por nossa equipe para garantir sua qualidade, confiabilidade, atualidade e validade. A bibliografia deste artigo foi considerada confiável e precisa academicamente ou cientificamente.


  • Koštál, v. (2006). Eco-physiological phases of insect diapause. Journal of Insect Physiology. Volume 52, Issue 2, Pages 113-127. Disponible en: https://www.sciencedirect.com/science/article/abs/pii/S0022191005002052?via%3Dihub
  • Gutiérrez, D. (2005). Diapausa: Causas, mecanismos, consecuencias. Disponible en: https://repository.javeriana.edu.co/bitstream/handle/10554/55779/DIAPAUSA.pdf?sequence=1
  • Tougeron, K. (2019). Diapause research in insects: historical review and recent work perspectives. Entomologia Experimentalis et Applicata167(1), 27-36.
  • Saunders, D. S. (2020). Dormancy, diapause, and the role of the circadian system in insect photoperiodism. Annual Review of Entomology65, 373-389.
  • Deng, L., Li, C., Chen, L., Liu, Y., Hou, R., & Zhou, X. (2018). Research advances on embryonic diapause in mammals. Animal reproduction science198, 1-10.

Este texto é fornecido apenas para fins informativos e não substitui a consulta com um profissional. Em caso de dúvida, consulte o seu especialista.