A lagarta de cabeça grande: habitat, características e curiosidades

A mariposa que eclode após a metamorfose da lagarta de cabeça grande é muito bonita. Possui uma coloração rosa-violeta em todo o corpo com extremidades brancas que destacam demais sua figura.
A lagarta de cabeça grande: habitat, características e curiosidades

Última atualização: 27 julho, 2022

A maioria das lagartas tem mecanismos de defesa perigosos, como venenos ou toxinas, que podem usar para evitar serem comidas por seus predadores. No entanto, algumas não possuem estruturas pungentes em seus corpos, então elas desenvolvem novas estratégias incríveis para se defender. Um dos casos mais conhecidos é o da lagarta de cabeça grande, que modificou todo o seu corpo para enganar seus inimigos.

O nome científico desta curiosa espécie é Deilephila elpenor, que pertence à ordem Lepidoptera. Em outras palavras, está relacionada a borboletas e mariposas. Continue lendo e descubra mais sobre a peculiar lagarta de cabeça grande.

Habitat e distribuição da lagarta de cabeça grande

Esta espécie tem distribuição paleártica, podendo ser encontrada na Europa, Ásia e Rússia. No entanto, é mais abundante na Grã-Bretanha, País de Gales e Irlanda, bem como em várias áreas da Europa central. Em relação ao seu habitat, a lagarta prefere viver em florestas ou campos com vasta vegetação, embora em algumas ocasiões tenha sido encontrada em áreas com dunas.

Características da espécie

Antes de descrever esta espécie, é importante notar que a lagarta de cabeça grande é o estágio larval da mariposa esfinge roxa. No entanto, as características a seguir incidirão mais sobre a lagarta, pois é somente nessa forma que as características mais curiosas do espécime são apresentadas.

A lagarta mede em média entre 7 e 8 centímetros de comprimento. Tem um padrão de coloração complexo que combina vários gradientes de verde e marrom. Além disso, próximo à cabeça, seu corpo fica mais fino, o que parece formar um tronco alongado. Este curioso traço é o que lhe valeu o nome inglês de “elephant hawk-moth” (mariposa falcão elefante).

Mecanismo de defesa

A principal característica dessa lagarta é seu impressionante mecanismo de defesa, pois ela usa seu padrão de cores para fingir ser uma cobra e afugentar seus predadores. Isso é possível porque as tonalidades de seu corpo são muito semelhantes às de um réptil, além do fato de que suas costas desenham perfeitamente a silhueta e os olhos da feroz cobra.

Assim que se sente ameaçada, ela retrai a parte mais fina do corpo e expõe o dorso em forma de cobra. Como seus principais predadores são as aves, à primeira vista estas evitam se aproximar da lagarta. Graças a isso, elas não correm o risco de serem descobertas.

lagarta de cabeça grande em fundo branco

Metamorfose em mariposa

Como mencionado acima, a lagarta de cabeça grande é na verdade o estágio larval da mariposa-esfinge-roxa. Portanto, em algum momento se tornará uma crisálida e começará sua metamorfose. De fato, a lagarta só é vista entre julho e setembro, enquanto a mariposa está presente nos meses de maio a julho.

Em outras palavras, a lagarta começa a formar sua crisálida antes do inverno para se proteger do frio. Desta forma, a mariposa que emerge aparece na primavera, quando as flores são mais abundantes e ela pode se alimentar delas.

Alimentação da lagarta de cabeça grande

A dieta da lagarta de cabeça grande é baseada inteiramente em matéria vegetal. Ou seja, ela se alimenta das folhas e caules das plantas. Porém, em sua fase de mariposa, suas preferências mudam e ela passa a se alimentar do néctar das flores. Esta é uma das razões pelas quais sua metamorfose termina logo no início da primavera.

Como se isso não bastasse, essa espécie tem uma incrível capacidade de aprendizado, pois escolhe seus alimentos de acordo com a qualidade e a quantidade dos nutrientes que recebe. Em alguns estudos realizados em laboratório, observou-se que a lagarta de cabeça grande é capaz de mudar e modificar sua dieta para as espécies vegetais que mais lhe dão contribuições.

Reprodução da espécie

A reprodução desta espécie ocorre apenas quando ambos os sexos já atingiram o estágio de mariposa. Quando a fêmea estiver pronta, ela começará a voar e produzir feromônios especiais para atrair o macho. Assim que o acasalamento termina, a fêmea libera seus ovos em diferentes plantas, pois estas se tornarão alimento para futuras lagartas de cabeça grande.

Os ovos eclodem após 10 dias e as lagartas eclodem deles. No entanto, durante seus primeiros dias de vida, elas exibirão uma cor amarelo-esverdeada em seu corpo. À medida que crescem, sua pele fica mais opaca e elas assumem a aparência típica de uma lagarta de cabeça grande.

Curiosidades da lagarta de cabeça grande

A lagarta de cabeça grande não só tem uma vida impressionante, como também guarda vários segredos e curiosidades. Alguns deles são os seguintes:

  • Ao contrário do que acontece com outras mariposas, esta espécie só é capaz de procriar uma vez por ano.
  • A mariposa é capaz de voar como um beija-flor, então pode ficar no ar como se estivesse flutuando.
  • As mariposas têm uma probóscide bastante alongada (semelhante a um tronco) que lhes permite sugar o néctar das flores.
  • Embora a coloração desta espécie seja vistosa, ela não possui função aposemática (aviso). Portanto, não produz toxinas ou venenos que possam afetar seus predadores.

Como você pode ver, a lagarta de cabeça grande é um organismo muito interessante e peculiar. Apesar de medir apenas alguns centímetros, desenvolveu características adaptativas impressionantes para sua vida.

Pode interessar a você...
O estranho vírus que transforma lagartas em zumbis
Meus Animais
Leia em Meus Animais
O estranho vírus que transforma lagartas em zumbis

Existe um vírus que transforma lagartas em zumbis modificando seus genes de visão e deixando-as mais sensíveis à luz. Confira!



  • Bestmann, H. J., Erler, J., Garbe, W., Kern, F., Martischonok, V., Schäfer, D., Vostrowsky, O., Wasserthal, L. T. (1992). “Pheromone components of the female elephant hawk-moth, Deilephila elpenor, and the silver-striped hawk-moth, Hippotion celerio”. Experientia. 48 (6): 610–613.
  • Waring, Paul; Townsend, Martin (2017). Field Guide to the Moths of Great Britain and Ireland: Third Edition. Bloomsbury Publishing.
  • Balkenius, A., Kelber, A., & Balkenius, C. (2002). Simulations of learning and behaviour in the hawkmoth deilephila elpenor. In ICSAB: Proceedings of the Seventh International Conference on Simulation of Adaptive Behavior on From Animals to Animats (pp. 85-92). Cambridge: MIT Press.
  • Roig-Juñent, S., Claps, L. E., & Morrone, J. J. (2014). Biodiversidad de artrópodos argentinos. Editorial Sociedad Entomológica Argentina, Mendoza.