Como incubar ovos de tartaruga?

A quantidade de ovos nos ninhos de tartaruga faz com que seja criado um microambiente que mantém as condições ideais para o seu desenvolvimento. Além disso, também permite que machos e fêmeas nasçam na mesma ninhada.
Como incubar ovos de tartaruga?

Última atualização: 06 Novembro, 2021

Atualmente, várias espécies de quelônios estão em algum grau de risco. Por isso, e como forma de auxiliar sua subsistência, os ovos de tartaruga são incubados artificialmente. Esse processo só é concebido quando o espécime vive em cativeiro, quando o ninho é destruído ou predado e quando seu sucesso de sobrevivência pode ser garantido e aumentado.

Lembre-se de que esses processos só devem ser realizados por pessoas treinadas ou, em sua ausência, por um tutor com orientação de profissionais. Embora possa parecer simples, um movimento errado pode custar a vida dos filhotes. Portanto, no espaço a seguir, compartilhamos algumas recomendações e avisos para conseguir uma incubação bem-sucedida em tartarugas.

O que é a incubação artificial?

A incubação é o processo pelo qual os ovos se desenvolvem enquanto o ambiente oferece as condições necessárias como temperatura, umidade e proteção. Nesse sentido, quando se acrescenta o termo “artificial”, significa que todas as necessidades que o ovo tiver para eclodir serão fornecidas pelo ser humano.

Formalmente, esse processo se refere ao desenvolvimento embrionário, que forma o indivíduo a partir de pequenas células. Por ser um evento importante na constituição do corpo, qualquer anormalidade que ocorra pode causar complicações graves (e até a morte). É por isso que a incubação artificial não é uma ferramenta que pode ser usada em todos os casos.

Tartaruga e ovos no ninho.

Quando é bom usar?

A incubação artificial surgiu como uma resposta ao perigo enfrentado por várias tartarugas. Portanto, o que se busca é maximizar o número de eclosões. Isso ocorre porque, na natureza, existem muitas ameaças que esgotam a população de espécimes que devem ser reintroduzidos.

Embora a maioria delas sejam seres vivos que causam danos às espécies, também podem afetá-los as secas, as tempestades e outros fenômenos climáticos. É por isso que são criadas técnicas para manter os ovos abrigados, evitando que qualquer fator externo cause sua morte.

Localização e transporte dos ovos

Em primeiro lugar, deve-se enfatizar que os ovos de tartaruga não devem ser retirados de seu ninho natural, a menos que estejam em perigo iminente. Isso significa que se você encontrar um ninho, a melhor opção é manter distância e relatar às autoridades locais para que possam fazer o acompanhamento.

Você pode se perguntar o porquê dessa reserva: a resposta é que as cascas desses ovos são muito frágeis, pois o embrião pode ser danificado com apenas alguns movimentos. Ou seja, o simples fato de pegá-lo nas mãos pode fazer com que o embrião se torne inviável, ou em outras palavras, pode causar sua morte.

Se por algum motivo qualquer você não conseguir ajuda (e se deixar o ovo exposto, ele obviamente morrerá), então, como último recurso, você pode tentar incubá-lo sozinho. Para isso, deverá transportá-lo para um local seguro, levando-o com muito cuidado, sem virá-lo e sem movê-lo bruscamente.

O transporte deve ser feito em uma caixa de bordas rígidas, assim o deslocamento não permitirá que o ovo role ou vire. Além disso, lembre-se de sempre colocá-lo na mesma posição em que o encontrou no solo.

Verificação do embrião

Essa é uma etapa extra que apenas informa se o ovo que você resgatou tem um embrião, ou seja, se a tartaruga tem probabilidade de eclodir ou não. Para esse teste, o que se faz é iluminar a casca com uma lâmpada, para verificar se há um pequeno ponto com rede de veias, que revela o embrião. Para que o processo seja bem-sucedido, é positivo que a lâmpada tenha uma boa iluminação e que seja feito em uma sala escura.

Incubação

Para essa etapa é necessário ter uma incubadora. Essas máquinas são vendidas prontas, portanto, só precisam ser montadas e conectadas. Essa é sempre a melhor opção, já que um dos elementos essenciais para a incubação dos ovos de tartaruga é manter constantes a temperatura e a umidade dos filhotes.

Para a área da incubação, é principal é ter um bom substrato como a vermiculita, que absorve bem a umidade e mantém o parâmetro fixo. Depois de pegá-lo, você vai umedecer o substrato e enterrar o ovo nele, tomando cuidado para não se movê-lo muito. Depois disso, coloque-o na incubadora e deixe-o lá até eclodir.

Parâmetros

Embora pareça simples, a partir daqui o processo é complicado, pois é preciso ter cuidado com as condições dentro da incubadora. Isso significa que você terá que monitorar a temperatura e a umidade diariamente, para evitar que os valores mudem drasticamente. Na verdade, os parâmetros de incubação variam entre as espécies, mas podem ser reduzidos às seguintes recomendações:

  • Temperatura: 28-32 ° C.
  • Umidade: ovos com casca mole entre 40 e 60% e ovos com casca dura entre 70 e 90%.
  • Ventilação: aberta (as incubadoras possuem orifícios que ventilam o interior).

Uma opção muito boa é pedir ajuda na identificação da espécie, pois isso pode lhe dar pistas específicas sobre quais são as necessidades do ovo. Além disso, como no caso dos crocodilos, lembre-se de que a temperatura define o sexo dos filhotes. Portanto, você deve considerar esse ponto ao incubar os ovos.

Uma tartaruga saindo de um ovo.

Posso construir minha própria incubadora?

A resposta simples é sim. Na verdade, você não precisa de muitos materiais além do substrato e de alguns recipientes. Para construir uma incubadora, você só precisa de 2 recipientes, um maior que o outro, para fazer uma espécie de “banho-maria”. Dessa forma, o recipiente pequeno fica flutuando dentro do recipiente grande e uma resistência ou aquecedor deve ser colocado na água para elevar um pouco sua temperatura.

O tamanho da incubadora não é importante, desde que você possa colocar uma tampa que cubra tudo. Portanto, recomenda-se que o recipiente grande seja de aproximadamente 20 litros, com um recipiente pequeno para colocar os ovos. Vale lembrar que a vermiculita também funciona nesse caso, pois tem a mesma função da incubadora comercial.

Por fim, toda a incubadora doméstica deve ser um sistema quase hermético, cuja tampa a proteja do lado de fora. A função da tampa também pode ser feita por folhas de alumínio com perfurações para deixar a umidade sair. Além de tudo isso, um higrômetro e um termômetro devem ser adicionados ao recipiente, a fim de monitorar a temperatura e a umidade. Além disso, considere repor a água que evaporar.

Incubação

O período de incubação é bastante diverso entre as espécies, então você deve estar preparado para passar até 115 dias monitorando a incubadora. No entanto, quando essas criaturas nascerem, você perceberá que o esforço valeu a pena.

As tartarugas rompem a casca por conta própria, então agora tudo o que podemos fazer é assistir. Na verdade, algumas tartarugas podem levar várias horas ou dias para terminar a eclosão, mas não devem ser perturbadas ou manipuladas. Além disso, você pode notar um pequeno saco pendendo de sua barriga (vitelo), que não deve ser removido por nenhum motivo.

Após os primeiros 2 dias, o processo de incubação dos ovos de tartaruga termina. Como resultado, a gema é reabsorvida e os jovens estão prontos para sair do “ninho”. No momento, a melhor opção é liberá-los exatamente na área onde foram encontrados. Se, por outro lado, os ovos vierem de animais de estimação, é preferível manter os filhotes em terrários especializados.

O que os grupos de liberação de tartarugas fazem?

O principal objetivo desses grupos ou associações é a proteção das tartarugas marinhas, uma vez que todas se encontram em alguma categoria de proteção especial. Na verdade, o processo que esses profissionais realizam é diferente, pois não usam incubadoras comerciais, e sim fazem buracos na areia para simular o ninho original.

Graças a isso, eles podem resguardar os ovos e protegê-los até a eclosão.

Para os voluntários, a incubação dos ovos de tartaruga é obrigatória, pois aumentam o número de exemplares de cada espécie que chegam ao mar. Além disso, muitos especialistas os aconselham, para que estejam sempre atualizados sobre as melhores técnicas e cuidados com esses quelônios.

Qual tipo de ovo de tartaruga posso chocar?

Todas as recomendações acima são destinadas à incubação dos ovos de tartaruga de qualquer espécie. No entanto, você deverá levar em consideração os parâmetros específicos que devem ser atendidos para conseguir a eclosão. Lembre-se de que cada tipo de tartaruga possui requisitos diferentes, que serão essenciais para o desenvolvimento embrionário completo.

Pessoa pegando ovo de ninho de tartaruga

Apesar de tudo, a melhor recomendação é deixar a incubação se desenvolver em seu habitat natural, desde que não haja fatores que ameacem os filhotes. Por isso, a incubação artificial é apenas um método emergencial que serve para combater os perigos iminentes para a espécie. Embora qualquer pessoa possa realizá-lo, deve ser feito com muito cuidado e respeito pelos animais.

Pode interessar a você...
100 ideias de nomes para tartarugas
Meus Animais
Leia em Meus Animais
100 ideias de nomes para tartarugas

Essa lista de nomes para tartarugas contém opções engraçadas e amigáveis, além de nomes de diferentes idiomas. Não deixe de conferir!



  • Rangel-Mendoza, J., Weber, M., Hernández-García, J., & López-Luna, M. A. (2015). Manejo en cautiverio de la tortuga blanca (Dermatemys mawii Gray), estado actual e implicaciones para su conservación. AGRO249.
  • Eckert, K. L., Bjorndal, K. A., Abreu-Grobois, F. A., & Donnelly, M. (2000). Técnicas de Investigación y Manejo para la Conservación de las Tortugas Marinas. Grupo especialista en tortugas marinas UICN/CSE Publicación4.
  • Chacón, D., Sánchez, J., Calvo, J. J., & Ash, J. (2007). Manual para el manejo y la conservación de las tortugas marinas en Costa Rica; con énfasis en la operación de proyectos en playa y viveros. Sistema Nacional de Areas de Conservación, Ministerio de Ambiente y Energía, San José.
  • Chacón, D., Dick, B., Harrison, E., Sarti, L., & Solano, M. (2008). Manual sobre técnicas de manejo y conservación de las tortugas marinas en playas de anidación de Centroamérica. Secretaría Pro Tempore de la Convención Interamericana para la Protección y Conservación de las Tortugas Marinas (CIT), San José, Costa Rica.
  • Rana, C. A., Gachen, G., & Ceriani, C. (2016). Causas de retención de huevos en tortugas terrestres (Chelonoides chilensis). Universidad Nacional Del Centro de La Provincia de Buenos Aires. Tandil-Argentina18.
  • Romito, M. L., Parachu Marco, M. V., & Imhof, A. (2015). Growth and reproduction of Chelonoidis chilensis (Reptilia, Testudinidae) in captivity.
  • Arzola-González, J. F., Barrón-Hernández, J., Gutiérrez-Rubio, Y., Voltolina, D., & Ramírez-Pérez, J. S. (2019). Anidación e incubación artificial de huevos de tortuga golfina Lepidochelys olivacea (Testudines: Cheloniidae). Ecosistemas y recursos agropecuarios6(18), 595-599.
  • Hernández, O., & Boede, E. O. (2008). Relación entre el tamaño de hembra y la producción de huevos en el morrocoy sabanero Geochelone (Chelonoidis) carbonaria (spix, 1824) en un zoocriadero comercial de Venezuela. Interciencia33(6), 461-466.
  • Sarti, L., Huerta, P., Vasconcelos, D., Ocampo, E., Tavera, A., & Ángeles, M. A. (2006). Manual de técnicas de protección de tortugas marinas. Kutzari AC.