Diferença entre organismos autotróficos e heterotróficos

A principal diferença entre organismos autotróficos e heterotróficos é a origem da energia que obtêm para sobreviver. Ainda assim, existem outras disparidades muito interessantes.
Diferença entre organismos autotróficos e heterotróficos

Última atualização: 19 Outubro, 2021

A classificação dos seres vivos é uma ciência complexa e muito necessária para compreender em profundidade o funcionamento dos organismos. Uma das muitas maneiras pelas quais as formas de vida se dividem é por meio do processo de obtenção de energia, que estabelece diferenças entre organismos autotróficos e heterotróficos.

Essa divisão, embora simples em termos conceituais, se ramifica e se complica quando nos aprofundamos nos diferentes seres vivos de cada grupo. Neste artigo, você encontrará as informações necessárias para entender essa classificação. Não perca.

O que é um organismo autotrófico?

Um organismo autotrófico é aquele capaz de produzir seu próprio alimento a partir de compostos inorgânicos. Portanto, não precisa se alimentar de outros seres vivos. Organismos autotróficos são classificados nas duas classes a seguir:

  1. Fototróficos: esses organismos sintetizam moléculas orgânicas usando a luz solar como energia e o dióxido de carbono e a água como precursores. Esse processo é chamado de fotossíntese e os organismos mais comuns que o realizam são plantas, algas, algumas bactérias e o fitoplâncton. As organelas responsáveis por realizá-lo são os cloroplastos.
  2. Quimiolitoautotróficos ou quimiossintéticos: esses organismos obtêm energia e moléculas orgânicas de reações químicas entre moléculas inorgânicas. Algumas bactérias que vivem em condições extremas pertencem a essa categoria.

Esses organismos também são chamados de produtores, pois constituem o primeiro elo da cadeia alimentar. Sem eles, o resto dos seres vivos não poderia viver.

As plantas abrigam 80% da matéria orgânica em forma de carbono presente no planeta Terra.

As diferenças entre organismos autotróficos e heterotróficos são múltiplas.

O que é um organismo heterotrófico?

Os organismos heterotróficos, ao contrário dos anteriores, não são capazes de produzir seus próprios nutrientes, por isso devem se alimentar de outros seres vivos. Eles também são conhecidos como consumidores e agrupam todos os animais, fungos, bactérias de certos táxons e outros organismos microscópicos (protozoários, por exemplo).

Os heterotróficos são totalmente dependentes dos autótrofos para viver. Mesmo os consumidores secundários, como os predadores (que se alimentam de outros heterotróficos), precisam que suas presas tenham comido vegetais ou seus derivados para não desaparecer.

Essa classificação também inclui organismos em decomposição, que fecham o ciclo de energia, alimentando-se de matéria orgânica sem vida e reciclando-a.

Uma chita persegue sua presa.

Diferença entre organismos autotróficos e heterotróficos

Agora que você já conhece os dois termos melhor, é hora de mergulhar nas principais diferenças que os separam. Embora sejam muito variadas, as disparidades podem ser definidas nas seções a seguir.

Obtenção de alimento

Como você leu acima, os organismos autotróficos não precisam de outros seres vivos para sobreviver, mas são capazes de fazer seus compostos alimentares a partir da fixação de carbono inorgânico presente na natureza. Pelo contrário, os heterotróficos devem consumir outros organismos vivos para obter energia, sejam eles animais ou plantas.

Diferença entre organismos autotróficos e heterotróficos no metabolismo

Depois de obter seu alimento, ambos os organismos devem metabolizá-lo para obter energia. Embora todos usem processos anabólicos e catabólicos, há uma diferença marcante com relação ao primeiro dos mecanismos. Resumimos essa disparidade nos seguintes pontos:

  1. Autótrofos: os processos anabólicos nesses organismos são caracterizados pela construção de moléculas simples, como aminoácidos e ácidos graxos, a partir de outros compostos inorgânicos simples (CO₂, H 2O e sais). Esse processo anabólico é exclusivo desses organismos.
  2. Heterotróficos: para construir moléculas orgânicas complexas (proteínas, lipídios e mais), os heterotróficos devem metabolizar outras moléculas orgânicas, que vêm de outros organismos ou do metabolismo anabólico que esses seres vivos realizam ao ingerir seus alimentos.

Fonte de energia

Essa diferença entre autotróficos e heterotróficos é outra das mais básicas. Em organismos autotróficos, a energia vem de duas fontes principais: luz solar (fotossíntese) e reações oxidativas de elementos inorgânicos como ferro, enxofre ou nitrogênio.

No caso dos heterotróficos, essa energia provém da degradação dos nutrientes consumidos ou, em outras palavras, da respiração celular. Esses organismos têm 4 formas diferentes de nutrição:

  1. Holozóica: representa os organismos que comem todos os alimentos e obtêm energia por meio do processo de digestão. O humano é um exemplo dessa modalidade.
  2. Saprotrófica: os organismos que praticam essa forma de nutrição realizam uma digestão externa da matéria orgânica em decomposição. A grande maioria dos saprotróficos são bactérias, fungos e protozoários.
  3. Parasita: são organismos que se alimentam de outros, mas não os matam. O anfitrião não se beneficia dessa relação e geralmente acaba prejudicado.
  4. Simbiótica: dois ou mais organismos compartilham seu espaço e seus recursos para beneficiar-se mutuamente.

Diferença entre organismos autotróficos e heterotróficos nas organelas

Como autotróficos e heterotróficos se alimentam de maneiras diferentes, o lógico é que as organelas que captam energia sejam especializadas para cada tipo de nutrição. Assim, os organismos autotróficos têm organelas especializadas para capturar a energia: cloroplastos. Eles possuem clorofila, o pigmento verde que permite a fotossíntese.

Esses pigmentos têm a capacidade de absorver a luz solar em diferentes comprimentos de onda para transformá-la em energia química.

Por sua vez, os heterotróficos não têm essas organelas. Embora a luz solar também produza reações químicas em alguns deles (como nossa síntese de vitamina D), eles não conseguem obter energia dela. Por esse motivo, o número de mitocôndrias em células heterotróficas é consideravelmente maior do que em autotróficas.

Uma planta em crescimento.

Conhecer essa forma de classificar os seres vivos é extremamente útil para visualizar o ciclo energético da natureza, pois é uma prova clara de que a quebra de um dos elos da cadeia alimentar tem consequências em todos os níveis. Todos os organismos são igualmente importantes, mas nenhum pode faltar para que o equilíbrio seja mantido.

Pode interessar a você...
A importância do krill nos ecossistemas oceânicos
Meus Animais
Leia em Meus Animais
A importância do krill nos ecossistemas oceânicos

Conheça a importância do krill, considerado a "pedra angular" dos ecossistemas oceânicos, pois compõe a dieta básica de muitos animais.



  • Hellebust, J. A., & Lewin, J. (1977). Heterotrophic nutrition. The biology of diatoms13, 169-197.
  • Johnson, D. B., & McGinness, S. (1991). Ferric iron reduction by acidophilic heterotrophic bacteria. Applied and environmental microbiology57(1), 207-211.
  • Duarte, C. M., & Cebrián, J. (1996). The fate of marine autotrophic production. Limnology and oceanography41(8), 1758-1766.