Direitos dos animais que trabalham na mídia

abril 24, 2020
A presença de animais no cinema ou na televisão é fonte de muita controvérsia. Muitas vezes, isso tem consequências importantes para a sua saúde mental.

As últimas tendências em publicidade vêm transformando os animais que trabalham na mídia em grandes estrelas. Animais domésticos e alguns animais selvagens são os protagonistas de campanhas publicitárias de grandes empresas.

As imagens ‘artísticas’ desses animais colocadas em seus perfis geram uma grande renda financeira para seus donos. À primeira vista, a ideia parece inofensiva, mas quantos direitos são violados nessas produções?

O uso de animais selvagens na mídia

É cada vez mais comum ver tigres, leões, macacos e elefantes nos anúncios de importantes empresas comerciais. Estes e muitos outros animais representam várias características com as quais eles desejam vender seus produtos: força, coragem, alegria… Mas o que acontece nos bastidores?

A maioria desses animais é removida do seu habitat natural e forçada a viver em um ambiente que é prejudicial a eles. Eles perdem o contato com outros animais, o que afeta profundamente a sua capacidade de socializar e, em geral, ficam trancados em gaiolas pequenas e inadequadas para o seu desenvolvimento.

Muito além da aparente boa vontade daqueles que os possuem, há um abuso de animais quando eles trabalham mídia. Infelizmente, isso acontece na maioria dos casos. O isolamento, o treinamento com violência física ou falta de comida, o estresse causado e as mutilações que eles podem sofrer são violações dos seus direitos.

Animais de estimação, os artistas da família

Os animais de estimação também são “contratados” por grandes marcas e por seus próprios donos como estrelas midiáticas. Parece que a sua presença nos diferentes meios de comunicação possui uma alta rentabilidade. Alguns até têm seus próprios agentes e obtêm lucros que excedem os salários dos seus donos.

Os especialistas em marketing e comunicação são criativos e estão sempre em busca de inovação. É assim que eles incorporam animais em suas campanhas, e até começaram a direcionar publicidade exclusiva para cães e gatos. As marcas mais reconhecidas de alimentos para animais de estimação são as pioneiras em relação ao uso de sons ultrassônicos e outros estímulos.

No que diz respeito às redes sociais, não há dúvida de que o Instagram é o rei das imagens com um grande tráfego de conteúdo. Muitos animais de estimação são líderes no número de seguidores, e seus perfis atraem diversos patrocinadores. Os responsáveis ​​pelo gerenciamento dessas contas são seus próprios donos, os mesmos que se beneficiam das suas publicações.

Gato fantasiado

As fundações defensoras dos animais

É verdade que nem todos os animais sofrem abuso, mas a grande maioria sofre, até mesmo sem que os envolvidos saibam. As fundações que atuam na defesa dos direitos dos animais estão muito atentas às rotinas e ao uso desses seres vivos.

Um dos principais argumentos contra o uso de animais na publicidade é o dano irreversível provocado no estado físico e mental. Vários desses ‘atores’ já foram resgatados com cortes, garras feridas e consequências irreversíveis em seu comportamento.

Não esqueça que o simples fato de ser forçado a agir contra a sua vontade com ações que não fazem parte da sua natureza já é um abuso. As consequências podem ser imprevisíveis para a sua saúde mental, principalmente quando o animal envelhece.

Além disso, vale ressaltar que muitos estão em risco de extinção. A necessidade de adquirir certos tipos de animais é uma das causas do tráfico e das vendas que excedem os limites permitidos. Surge um mercado paralelo ilegal de vendas, e é muito difícil freá-lo se você não perceber a realidade.

Iguanas amarradas

Exemplos de animais que trabalham na mídia

macaco Tiby é um exemplo claro de um chimpanzé que vive em cativeiro há anos e tem sido usado como ator, representando um banqueiro. Um importante hotel do mundo tem um gato como o seu principal promotor. Outros tantos cães aparecem todos os dias na televisão para ‘vender’ os produtos de outras pessoas.

Por outro lado, nas redes sociais, Toast é um dos cães com o maior número de seguidores, uma excelente atração para quem deseja expandir a visibilidade da sua marca. As consequências para a saúde psicológica do animal de estimação são uma questão separada, mas que também precisa ser considerada.

  • Apreciación estética de los animales. Marta Tafalla. 2013. Extraído de: http://scielo.isciii.es/pdf/bioetica/n28/bioetica_animal.pdf
  • Adnimalsfree.org. Los animales no venden. 2014. Extraído de: http://adnimalsfree.org/documentos/Adnimalsfree-dossier-Z-6-PIXART.pdf