Direitos dos animais: aspectos gerais

· fevereiro 20, 2018

Muitas coisas na vida chegam a situações extremas. No que diz respeito a quais são os direitos dos animais, há pessoas que chegam a maltratá-los, enquanto outros os colocam no mesmo patamar dos seres humanos. Ambas as posições são negativas tanto para o animal quanto para nós.

Como em todas as coisas, no equilíbrio ou no caminho do meio é que está localizada a virtude, por isso vamos abordar um assunto que traz consigo certas complexidades: como saber quais são os direitos ​​dos animais de caráter inviolável? Neste artigo, falaremos acerca de alguns aspectos gerais.

No entanto, antes de adentrarmos na discussão sobre quais são os direitos dos animais estabelecidos pela lei, vejamos os danos causados ​​aos nossos animais de estimação quando eles são tratados como pessoas.

Um animal nunca pode ser comparado a uma pessoa

Todos nós, que amamos os animais, queremos que eles estejam bem, sintam-se felizes e tenham uma vida plena, mas tratá-los como seres humanos é um grave erro. Por quê?

Elefantes tomando banho em rio na natureza

Humanizar animais também é considerado uma forma de abuso animal, por várias razões:

  • Eles precisam de um líder. Os cães são animais de rebanho, por isso, se os educarmos através dos mesmos princípios que temos, sentirão falta dessa característica natural que possuem. Eles não saberão o lugar que ocupam em casa, o que causará problemas na convivência e no nível interno do animal.
  • Não é adequado mimar os animais excessivamente. É verdade que o carinho, as carícias e os mimos são muito necessários para os animais, mas quando há excessos, isso pode lhes causar danos, acabando por lhes deixar em uma posição onde vão colocar em segundo plano outros instintos muito necessários para nossos animais.
  • Estresse. Um animal que não é tratado como tal começará a sofrer estresse e deficiências instintivas e emocionais que, certamente, serão muito difíceis de serem reparadas.
  • Longe de alcançar o objetivo de tornar o animal um ser feliz, o excesso de carinho e humanização conseguirá exatamente o oposto: um animal estressado, infeliz e desequilibrado.

Então, quais são os direitos fundamentais que devemos cumprir para alcançarmos nossos objetivos?

Os direitos dos animais de acordo com a lei

Os animais têm vários direitos reconhecidos por lei, que devemos cumprir. Além disso, o desrespeito a tais direitos pode acarretar diversas penalidades para os seres humanos, inclusive a prisão.

As seguintes atitudes são consideradas como abusos de animais:

  • Não fornecer alimentação em quantidade e qualidade suficientes para os animais, sejam eles domésticos ou de pecuária.
  • Tocar nos animais com qualquer instrumento que não seja para estimular, mas para punir ou bater.
  • Obrigar os animais a trabalharem por longas horas sem que lhes seja permitido o descanso, ainda mais sob condições climáticas adversas.
  • Manter os animais trabalhando quando não estão com perfeita saúde física.
  • Usar drogas para estimular os animais, sem fins terapêuticos.
  • Usar a tração motora dos animais para impulsionar veículos de forma que exceda as forças do animal.

A seguir, estão as ações consideradas como atos de crueldade:

Colônia de gatos de rua

  • Vivissecção. Consiste na dissecação de um animal vivo, ato que é sempre proibido, exceto nas situações em que tenha fins cientificamente demonstráveis.
  • Mutilação. Cortar qualquer parte do corpo do animal, seja cauda, ​​orelhas ou outras extremidades, é punível por lei, sendo considerado como uma violação aos direitos dos animais.
  • Executar qualquer tipo de operação cirúrgica sem motivo ou sem qualificação necessária para tal.
  • Abandono.
  • Matar uma fêmea grávida.
  • Machucar, acertar, torturar ou atropelar um animal, causando sofrimento desnecessário.
  • Lutas de animais

Como é possível notar, nenhum excesso em relação aos animais é bom. Por um lado, humanizar um animal pode ser considerado uma forma de abuso, mas isso não isenta os seres humanos de dar-lhes o amor, carinho e respeito que merecem. Por outro lado, deve haver regras de bom senso que façam parte dos direitos dos animais e que, caso não sejam cumpridas, possam ser punidas com o rigor da lei.

Por isso, dê ao seu animal de estimação o devido lugar que ele merece, mas não o humanize. Respeite os direitos e os instintos do seu animal de estimação. Ame e cuide dele, esforçando-se sempre para se afastar dos extremos que podem causar danos aos animais.