Uma doença está colocando os leões marinhos da Califórnia em risco

julho 30, 2019
Os leões marinhos da Califórnia não correm risco de extinção, mas um surto de uma doença bem conhecida vem causando problemas para suas populações.

Os leões marinhos da Califórnia estão entre os animais mais carismáticos desta região americana. A verdade é que, embora esses pinípedes não corram risco de extinção, novos surtos de doenças infecciosas estão ameaçando suas populações.

Os surtos de leptospirose ameaçam as populações de leões marinhos

A leptospirose é uma doença bacteriana que afeta muitos animais de estimação, mas também pode causar doenças em animais selvagens. O patógeno por trás desse processo é a Leptospira interrogans, que afeta principalmente os rins.

O fato de que esta doença afeta os leões marinhos da Califórnia não é novidade. Na verdade, esta é uma variedade do patógeno que também afeta cães e raposas.

No entanto, os surtos de leptospirose nesses mamíferos estão se tornando um problema real. Em outubro de 2018, o Centro de Mamíferos Marinhos de São Francisco recebeu cerca de cinco leões marinhos contaminados por dia.

A leptospirose é uma zoonose que provoca aproximadamente 500.000 casos humanos anualmente. Também afeta outros animais silvestres, embora a conheçamos melhor por causa dos casos de leptospirose em cães.

Leão marinho nadando

A doença nos leões marinhos da Califórnia

Nesses animais, a leptospirose provoca um quadro de fadiga e dor abdominal que pode, em muitos casos, chegar a causar a morte. O tratamento consiste na aplicação de antibióticos como a penicilina, por isso, é necessário que esses animais sejam levados a hospitais veterinários.

Isso fez com que, de outubro a novembro de 2018, 220 casos chegassem a este centro de resgate, em um número que se assemelha ao do surto que ocorreu em 2011.

Mais da metade dos leões marinhos que chegaram ao centro neste período foram, em maior ou menor grau, afetados pela leptospirose.

Sintomas e modo de transmissão da leptospirose

Os resgates são sempre muito parecidos. Os leões marinhos da Califórnia aparecem na praia, em uma posição muito específica. Suas barbatanas ficam apontadas para o abdômen e eles se mantêm deitados de lado, devido à dor que sentem.

Outro dos sinais que podemos ver nesses animais é que eles estão sempre com muita sede. Normalmente, esses animais se hidratam através da alimentação, pois não podem fazê-lo através da água salgada. No entanto, o comprometimento dos rins impede a hidratação adequada.

A forma exata de transmissão é desconhecida, uma vez que a doença costuma ser transmitida pela urina, algo que é complicado no oceano. Por isso, o mais provável é que a infecção se espalhe quando estes animais se reúnem em terra.

Grupo de leões marinhos no mar

Qual é a causa do surto?

Embora seja uma doença relativamente familiar para nós, o fato é que esses surtos que afetam os leões marinhos da Califórnia são bastante misteriosos. Não se sabe exatamente por que eles afetam esses animais.

Essas infecções vêm surgindo periodicamente a cada quatro ou cinco anos. Embora anualmente sempre apareçam animais com leptospirose, durante esses períodos o número de espécimes afetados aumenta muito.

Uma enorme massa de água quente no Pacífico poderia estar ligada a esse aumento. De acordo com estudos, ela mudaria os padrões migratórios e comportamentais de muitos animais, incluindo os leões marinhos da Califórnia.

Este evento, ligado à mudança climática, também esteve associado ao surgimento de muitos leões marinhos famintos nos últimos anos, já que essas águas excessivamente quentes estão afetando a cadeia alimentar da costa californiana.

O centro local continuará tratando os leões marinhos californianos que chegam nessas condições, ao mesmo tempo em que estão sendo colhidas amostras de sangue e urina que permitirão estudar como essa doença está afetando esses simpáticos mamíferos marinhos.

Buhnerkempe, M.G., Prager, K.C., Strelioff, C.C., Greig, D.J., Laake, J.L., Melin, S.R., DeLong, R.L., Gulland, F.M.D., Lloyd-Smith, J.O. 2017. Detecting signals of chronic shedding to explain pathogen persistence: Leptospira interrogans in California sea lions. Journal of Animal Ecology. 86: 460-472.