5 tipos de barbatanas dos peixes

março 4, 2019
Além das diferentes formas que podem apresentar, o número de barbatanas dos peixes pode variar de acordo com a espécie, sexo ou comportamento do espécime em questão. 

Para se mover e estar em equilíbrio na água, as barbatanas dos peixes são realmente necessárias. Mas claro que elas não são todas iguais. Tudo depende da espécie e de seus hábitos particulares. Hoje, falaremos sobre os diferentes tipos de órgãos externos nestes animais aquáticos.

Como são as barbatanas dos peixes?

De acordo com o modo de vida, o grupo à qual pertence ou a forma do corpo, um peixe pode ter diferentes tipos de barbatanas.

Todas são suportadas por raios cartilaginosos ou ósseos e podem ser duras ou moles e até mesmo ramificadas.

Nem todos os peixes têm a mesma quantidade de barbatanas, porque tudo depende da sua evolução, tamanho, movimentos, etc.

Em algumas espécies, elas servem até mesmo para diferenciar os sexos. Existem em número par ou ímpar, de acordo com como se apresentam.

  1. Pares

Isso significa que elas se desenvolveram em ambos os lados do corpo e são iguais entre si. Neste grupo, podemos destacar as barbatanas peitorais e as pélvicas ou ventrais. Esta última pode estar posicionada no abdômen, na jugular, no tórax ou na parte média do corpo.

No caso de peitorais, não estão presentes em todos os peixes e servem como órgãos sensoriais. Elas estão localizadas perto do opérculo, e em algumas espécies foram desenvolvidas para serem usadas ​​como ‘pernas’, que lhes permitem andar no fundo do mar.

As barbatanas peitorais são usadas como remos no caso de espécies ósseas com pouco peso na água, como ‘hidroaviões’, para evitar afundar em grandes espécies ou como forma de ficar perto da superfície, onde podem se alimentar.

Por outro lado, as barbatanas pélvicas são as que se encarregam de dar estabilidade na natação e evitar o balanço para cima ou para baixo; elas suportam as oscilações das águas.

Em alguns casos, elas têm a capacidade de aderir a certos objetos, como rochas ou corais, graças a um disco de sucção muito poderoso.

peixes no mar

  1. Dorsal

É uma das barbatanas em peixes do tipo ímpar, embora possa estar constituída em duas partes – soldadas ou independentes entre si – e possui a função de empurrar o animal para frente ou para trás, como acontece com barbatanas anais.

  1. Fluxo

Outra das barbatanas ímpares e que pode ser de diferentes maneiras. Principalmente, existem quatro tipos de fluxos: simétrico (homocerca), assimétrico (heterocerca), dificerca e gefirocerca. Além disso, a homocerca pode ser dentada, redonda ou bifurcada.

Pode-se dizer que a barbatana caudal é a mais “conhecida” do peixe, já que em muitos casos é a mais visível e até a mais móvel e permite que os animais sejam transportados ou propulsionados; é como se fosse o leme de um navio. Por exemplo, nos tubarões, ela se move para os lados.

  1. Anal

Como o próprio nome sugere, está localizada perto do ânus, na área ventral do animal. São excrescências cutâneas e, em alguns casos, são escamas modificadas pela evolução. 

Nos peixes cartilaginosos, a barbatana anal é sustentada por filamentos de cartilagem, daí seu nome.

Peixe-beta

  1. Adiposas

Finalmente, este tipo de barbatanas dos peixes não é muito comum, mas vale a pena destacá-la. É de consistência carnuda, de tamanho variável e está localizada entre as barbatanas caudal e dorsal. 

Está presente em peixes teleósteos, salmoniformes (salmão), siluriformes (bagres, peixe-gato) e characiformes (piranhas), entre outros.