Doença óssea metabólica em répteis

· maio 28, 2018

Animais exóticos são animais de estimação complexos, entre outras coisas, devido às suas necessidades nutricionais. Um erro comum na dieta é a causa mais frequente da doença óssea metabólica, que danifica os ossos de nossos répteis.

Muitas das doenças que afetam esses animais, incluindo a doença óssea metabólica, são fáceis de serem prevenidas se conhecermos as necessidades de nosso animal de estimação.

A doença óssea metabólica pode ocorrer em muitas espécies de répteis, como cobras e lagartos. Mas a espécie que mais sofre desta doença é a iguana, então conhecer os cuidados básicos com uma iguana será vital para evitar que ela desenvolva esse processo.

Causas da doença óssea metabólica

Esta doença se deve principalmente à falta de cálcio. Geralmente, isso é condicionado pela dieta, mas também devido a deficiências de vitamina D, devido a erros de manipulação.

Mais especificamente, é devido a uma falta de correspondência na relação entre cálcio e fósforo, pois estes minerais precisam estar em quantidades equilibradas no corpo. Uma deficiência de cálcio pode se dever a um excesso de fósforo.

Iguana

O fato é que o cálcio é extraído dos ossos e, portanto, estes tornam-se muito fracos e até acabam se deformando.

Além da falta de cálcio e do excesso de fósforo na dieta, um excesso de gordura também pode diminuir a absorção de cálcio. A falta de exposição aos raios UVA causa problemas de absorção de cálcio pela vitamina D, então esta é uma outra causa.

Sintomas da doença óssea metabólica

Esta doença, que geralmente aparece em animais jovens, é manifestada pela inflamação da mandíbula. Esta é a área mais propensa a inchaços, no entanto, este mal afeta todo o esqueleto.

Saliências nas extremidades, deformidades nos dedos e desvios da coluna vertebral podem ser outros sintomas; isso pode levar a problemas de movimento e até mesmo a fraturas.

Essas deformidades e fraturas serão mais evidentes na medida em que a desmineralização que nosso animal de estimação sofre se agravar. Em casos crônicos, que levam muito tempo e tornam-se muito visíveis, é necessária a utilização de uma prótese com rodas.

Nestes casos, é vital levar o nosso animal de estimação ao veterinário, porque uma mudança na dieta não será suficiente. Nosso pet sofrerá dores e poderá, até mesmo, se recusar a comer por isso, para evitar agravar a dor.

Isso pode se traduzir em magreza extrema, um sintoma muito típico nos camaleões, pois esse processo geralmente afeta sua longa língua. Além disso, o veterinário é o único que pode diagnosticar a doença, através de um raio-x.

Nestes casos, é vital levar o nosso animal de estimação ao veterinário, porque uma mudança na dieta não é suficiente. Nosso pet sofrerá dores e poderá, até mesmo, se recusar a comer por isso.

Tratamento e prevenção da doença óssea metabólica

Em casos leves, e se quisermos apenas prevenir a doença, devemos ser mais rigorosos com os cuidados oferecidos ao animal.

Tartaruga

Nesse sentido, é vital reestruturar a dieta do nosso animal de estimação e incluir fontes naturais de cálcio. O uso de suplementos artificiais é bom, mas plantas como o dente-de-leão oferecem um ótimo complemento de cálcio natural.

Por outro lado, o alimento ideal para uma tartaruga, uma iguana ou qualquer réptil que sofra desta doença é obtido com base em alimentos que contenham uma proporção de cálcio que seja o dobro da de fósforo.

Além disso, os graus de temperatura do nosso terrário devem ser adaptados às espécies e é essencial que os répteis recebam diariamente os raios UVA, sendo ideal que parte desta luz seja natural, isto é, venha do sol.

Assim, os casos mais graves exigirão medicamentos com base em suplementos de cálcio, que sempre devem ser realizados sob controle veterinário. E, é claro, a ausência de tratamento geralmente termina com a morte dos animais.

O uso de suplementos artificiais é bom, mas plantas como o dente-de-leão oferecem um excelente suplemento de cálcio natural. Idealmente, os alimentos devem ter uma proporção de cálcio que seja o dobro do fósforo.