Doenças mais comuns do bichon maltês

A pelagem do bichon maltês pode ser um fator que favorece o aparecimento de doenças infecciosas. Isso ocorre porque ela armazena facilmente umidade e sujeira, criando o ambiente perfeito para diferentes agentes patológicos.
Doenças mais comuns do bichon maltês

Última atualização: 15 fevereiro, 2022

O maltês se caracteriza pelo seu pequeno tamanho e pela sua bela pelagem ligeiramente ondulada. Sua personalidade é afetuosa e brincalhona, por isso gosta muito de morar com seus tutores. Além disso, é um excelente animal de estimação que normalmente não fica muito doente, embora possa estar sujeito a certas patologias.

Todos os cães são suscetíveis a contrair algum tipo de condição típica da espécie. Isso significa que, apesar de receber os melhores cuidados, seu animal pode adoecer a qualquer momento. O bichon maltês não foge à regra, pois também possui algumas doenças que são comuns na raça. Continue lendo aqui e saiba tudo sobre eles.

Por que o bichon maltês pode ficar doente?

As doenças podem afetar quase todas as raças de cães existentes no mundo. No entanto, certas condições fazem com que esses problemas apareçam no animal. Algumas dessas situações são as seguintes:

  • Má higiene física: é um estímulo para fungos, vírus e bactérias terem maior chance de infectar o cão. Além disso, esses cães não podem tomar banho continuamente, por isso às vezes é difícil mantê-los limpos.
  • Má higiene do habitat: a sujeira no habitat provoca o aparecimento de fontes de infecção que ameaçam a saúde do tutor e do cão.
  • Desnutrição: é um problema raro que está associado a cães alimentados com comida humana e não com comida comercial. Isso se deve às complicações que existem ao tentar equilibrar os nutrientes da dieta. Um desequilíbrio nutricional faz com que o corpo seja incapaz de lidar com as patologias de forma eficiente.
  • Genética: no caso do bichon maltês, o processo de transformá-lo em uma raça pequena (miniaturização) fez com que surgissem doenças congênitas. A maioria é degenerativa e atualmente não há cura para nenhum.
  • Estresse: os cães desenvolvem estresse quando algumas de suas necessidades não são totalmente atendidas. A longo prazo, o sistema imunológico fica deprimido, tornando-os mais suscetíveis a doenças.
Um bichon maltês com uma bola.

Doenças que são comuns no bichon maltês

As diferentes doenças comuns que podem afetar a saúde dos cães da raça bichon maltês podem ser reunidas em 3 grupos: infecciosas, genéticas e neoplasias. Cada uma delas possui características diferentes e são capazes de representar um risco significativo para o animal.

Sabe-se que as patologias de origem infecciosa são contagiosas. Isso significa que a transmissão é simples e pode ser feita por contato direto ou indireto. Dependendo do agente patológico que as causa, elas se subdividem em virais, bacterianas e fúngicas.

As condições genéticas também são conhecidas como doenças congênitas. Esses problemas são produto da criação seletiva que deu origem à raça, de forma que afetam apenas um grupo específico de cães. Existem vários tratamentos para lidar com elas, mas ainda não existe uma cura definitiva para erradicá-las. O melhor método diagnóstico é a análise de DNA. No entanto, esse teste é raro.

Finalmente, as neoplasias referem-se ao crescimento celular anormal. Essas condições geralmente se originam em uma região específica do corpo, de modo que seus sintomas dependem da estrutura ou do órgão em que se desenvolvem. As causas que dão origem a esses tipos de problemas são incertas, uma vez que muitos são os fatores que podem causá-las.

Infecções bacterianas

As infecções bacterianas são caracterizadas por pus, inflamação e febre como os principais sintomas, embora não sejam específicas desse tipo de doença. O tratamento consiste na administração de antibióticos e anti-inflamatórios para erradicar os patógenos. Algumas das doenças mais comuns no bichon maltês são as seguintes:

  • Leptospirose canina: é produzida por bactérias do gênero Leptospira. As infecções ocorrem pela ingestão de água contaminada pela urina de um animal infectado. Os sintomas incluem febre, gastroenterite, urina escura, letargia e, nos casos mais graves, insuficiência renal aguda.
  • Gengivite: o acúmulo de tártaro nos dentes causa uma infecção bacteriana leve nas gengivas. Se o problema não for resolvido, pode piorar e causar periodontite.
  • Otite externa: é uma infecção que afeta a pele do ouvido. É causada pela pelagem e pelo formato das orelhas do bichon maltês.

Infecções virais

As infecções causadas por vírus são ligeiramente mais contagiosas do que as bacterianas. Isso ocorre porque os patógenos são capazes de sobreviver por mais tempo fora do corpo, o que aumenta a possibilidade de contágio. Os tratamentos geralmente se concentram no controle dos sintomas porque ainda não existem curas eficazes. As doenças mais comuns desse tipo no bichon maltês são estas:

  • Parvovírus: afeta mais frequentemente os filhotes. Os sintomas incluem diarreia, vômito, febre e letargia. O contágio ocorre através do contato com um cão infectado ou suas fezes.
  • Cinomose: é uma doença muito contagiosa que afeta o sistema respiratório do cão. Quando piora, também prejudica o sistema digestivo e o sistema nervoso do animal, o que é letal.

As doenças causadas por vírus não têm prognósticos definidos, pois dependem muito das complicações de cada caso. Felizmente, esses problemas podem ser evitados por meio de vacinas, que evitam cenários fatais e diminuem a gravidade dos sintomas.

Infecções fúngicas

Essas patologias são consideradas oportunistas porque afetam o cão quando seu sistema imunológico está deprimido. Geralmente são infecções secundárias causadas por uma condição preexistente. As partes do corpo mais suscetíveis são a pele, as unhas e os órgãos reprodutivos, pois são as regiões mais expostas à intempérie.

As doenças fúngicas mais comuns no bichon maltês são as causadas pelo fungo Malassezia pachydermatis, que é normalmente encontrado na pele do animal, mas não se desenvolve porque o sistema imunológico o mantém sob controle. Quando as defesas do cão são reduzidas, o patógeno inicia sua expansão e gera irritação na área afetada.

Doenças genéticas

As condições genéticas podem permanecer latentes por muito tempo e aparecer de repente. Isso faz com que sejam diagnosticadas apenas quando os primeiros sintomas forem evidentes. Entre as doenças congênitas mais comuns no bichon maltês estão as seguintes:

  • Luxação da patela: deslizamento do pequeno osso que estabiliza a articulação do joelho (patela). A pele do bichon maltês faz com que esse osso escorregue e cause luxação.
  • Doença valvar degenerativa: provoca alterações na estrutura das válvulas que controlam a passagem do sangue no coração. Isso geralmente leva à insuficiência cardíaca.
  • Colapso da traqueia: doença crônica e degenerativa que enfraquece a cartilagem que sustenta o formato tubular da traqueia. Portanto, com o tempo, ela entra em colapso e obstrui a passagem do ar.
  • Hipoglicemia: raças pequenas são propensas a baixos níveis de açúcar no sangue devido ao seu metabolismo. Portanto, se não forem alimentadas adequadamente, apresentarão vários sintomas de hipoglicemia.
  • Hidrocefalia: é um aumento da pressão interna do crânio que causa graves danos ao cérebro e à medula espinhal. Os sintomas dependem da gravidade do caso, mas podem variar de convulsões leves a coma ou morte.
  • Atrofia progressiva da retina: caracterizada por perda progressiva da visão. Na maioria dos casos, esse problema é detectado muito tarde e os cães perdem completamente a visão.
  • Síndrome de Shaker: é uma doença que causa tremores leves e contínuos por todo o corpo do cão. É causada por uma inflamação do cerebelo, responsável por controlar os movimentos finos.
  • Hiperadrenocorticismo (síndrome de Cushing): essa condição faz com que o corpo produza muito cortisol, o que faz com que o sistema imunológico enfraqueça e vários problemas de saúde apareçam. Os cães mais velhos são os mais afetados, embora em raças pequenas possa ocorrer muito mais cedo.

Neoplasias

Esses tipos de doenças também são chamados de tumores ou câncer. No entanto, há uma grande diferença nos aspectos clínicos desses termos. Tumores ou neoplasias são crescimentos celulares anormais que podem ser benignos ou malignos, enquanto o câncer é sempre maligno e capaz de invadir outros tecidos (metástase).

Cães mais velhos tendem a ter maior probabilidade de desenvolver algum tipo de neoplasia. Mesmo assim, todos os cães são suscetíveis a esse tipo de doença. As neoplasias mais comuns no bichon maltês são estas:

  • Tumores de glândulas mamárias: são massas amorfas que aparecem nas glândulas mamárias da fêmea. Afeta raças menores e principalmente aquelas que não são castradas. Podem ser benignos ou malignos.
  • Meningiomas: tumores que crescem nas meninges (membranas que revestem o cérebro). A maioria é cancerígena, por isso invadem o cérebro e causam efeitos letais. Um diagnóstico oportuno é essencial para evitar fatalidades.
Um bichon maltês no veterinário.

As doenças acima são apenas as mais comuns no bichon maltês, mas não são as únicas. Isso significa que existem mais patologias que podem colocar em risco a saúde do cão, por isso é melhor estar alerta para quaisquer sintomas ou comportamentos estranhos. Lembre-se de que consultas recorrentes no veterinário são essenciais para manter seu animal de estimação saudável.

Pode interessar a você...
Bichon maltês: cuidado, características e curiosidades
Meus Animais
Leia em Meus Animais
Bichon maltês: cuidado, características e curiosidades

Pequeno, elegante e inteligente são três adjetivos que descrevem bem o bichon maltês. Um cão adorável com longos pelos brancos.



  • Dewey, C. W., & Da Costa, R. C. (Eds.). (2015). Practical guide to canine and feline neurology. John Wiley & Sons.
  • Ardila Quintero, S. (2014). Hiperadrenocorticismo canino (sindrome de cushing). Universidad de la Salle: Colombia.
  • Pareja, V. (2017). Determinación de la Malassezia sp. en perros con Dermatitis Atópica Canina (DAC) en el Distrito Metropolitano de Quito y sus valles. (Tesis de grado, Universidad de Cuenca).
  • Fernández, L. (2018). Frecuencia de causa de muerte en caninos menores de dos años diagnosticados mediante necropsias realizadas en el Laboratorio de Histología, Embriología y Patología Animal de la Facultad de Medicina Veterinaria de la Universidad Nacional Mayor de San Marcos período 2005 2015”. (Tesis de grado, Universidad Nacional Mayor de San Marcos).
  • Hidalgo, S. P. (2016). Estudio y caracterización de cepas de parvovirus canino en España. Universidad Complutense de Madrid.
  • Hincapié Domínguez, J. E., & Ortiz del Rio, A. C. (2015). Estudio de la sensibilidad in Vivo e in Vitro de microorganismos aislados de otitis externa en caninos frente a dos medicamentos de uso veterinario (Doctoral dissertation, Corporación Universitaria Lasallista).
  • Gonzalez Hernández, J. F. (2015). Relación de las patologías caninas más frecuentes que se presentan en la clínica de pequeños animales en la zona noroeste de la Comunidad de Madrid, con las variables edad, raza, sexo y tamaño. (Tesis doctoral, Universidad Complutense de Madrid)