Doenças que os ratos transmitem aos gatos

Usar gatos como controladores de pragas costuma ser muito arriscado para a saúde do tutor e do felino, pois pode causar doenças que acabam colocando em risco a vida de ambos.
Doenças que os ratos transmitem aos gatos

Última atualização: 12 dezembro, 2021

Os gatos domésticos são considerados excelentes caçadores de roedores, pois este é um instinto herdado de seu passado selvagem. Esse comportamento às vezes é bastante admirado pelos tutores e até mesmo incentivado. Contudo, isso não de forma alguma é aconselhável: alguns animais, como os ratos, podem transmitir certas doenças aos gatos se houver contato entre eles.

A melhor recomendação é evitar que o seu animal de estimação cace esse tipo de roedores, pois sua saúde está em jogo. Os gatos não são (e não devem ser usados como) um meio de controlar as pragas domésticas. Continue lendo e aprenda sobre as doenças que os ratos podem transmitir aos gatos.

Por que os ratos são perigosos?

Os ratos (gênero Rattus) são conhecidos por transportar vários tipos de bactérias, parasitas e vírus. Isso ocorre porque eles vivem em ambientes insalubres, onde abundam vários patógenos. Como se não bastasse, esses animais se reproduzem com bastante rapidez, o que os faz invadir os espaços em pouco tempo.

Consequentemente, esses roedores são considerados uma grave ameaça à saúde humana e de outros organismos.

O rato é um dos roedores mais inteligentes do mundo.

Quais doenças os ratos transmitem?

Os ratos são reservatórios de várias doenças, embora apenas algumas delas possam “pular” para os gatos. A transmissão ocorre quando o felino caça e captura um roedor, momento em que entra em contato com seus fluidos corporais e os patógenos são transferidos (e infestam o animal de estimação). Algumas das patologias derivadas dessa interação estão listadas abaixo.

Toxoplasmose

A toxoplasmose é uma doença encontrada em todo o mundo e é capaz de infectar vários mamíferos e algumas aves. É causada por um protozoário (Toxoplasma gondii) que usa roedores como hospedeiros intermediários. Isso significa que os utiliza como meio de transporte para chegar ao seu destino final, os felinos. Os sintomas mais comuns em animais de estimação são os seguintes:

  • Vômito.
  • Perda de peso.
  • Mudanças de comportamento.
  • Febre.
  • Letargia.

O mecanismo de infecção é simples, pois os ratos são infectados por meio de ovos existentes no ambiente. Uma vez dentro do corpo, o parasita termina seu desenvolvimento e começa a produzir pequenos cistos que se ancoram nos tecidos do animal. Quando o gato pega um rato infectado, os cistos desse parasita entram e invadem seu corpo.

Os efeitos desse parasita incluem danos neurológicos. Portanto, nos casos mais severos, o animal provavelmente terá sequelas graves. Na verdade, os ratos apresentam uma mudança de comportamento devido aos danos neuronais e perdem o medo dos felinos. Consequentemente, são facilmente caçados. Graças a isso, o protozoário garante que chegará mais rápido ao seu hospedeiro definitivo.

Como se não bastasse, essa doença pode infectar não apenas os gatos, mas também os tutores. A toxoplasmose em humanos está frequentemente associada a problemas na gravidez e infertilidade. Consequentemente, esse organismo constitui uma emergência para toda a família.

Hantavírus

Os hantavírus são um grupo de vírus que podem causar doenças respiratórias graves. Esses patógenos são encontrados naturalmente nos corpos de diferentes tipos de roedores, então os gatos podem contraí-los facilmente. Felizmente, os felinos são assintomáticos e não podem transmitir a doença aos humanos.

Leptospirose

A leptospirose é uma doença causada por bactérias do gênero Leptospira, que causam quadros clínicos diferentes dependendo da espécie. Essa patologia geralmente é leve e bastante rara em gatos. Além disso, os tratamentos são baseados no uso de antibióticos para combater as infecções. Alguns dos sintomas detectados em felinos domésticos são os seguintes:

  • Perda de peso.
  • Mudanças de cor na urina (rosa, marrom ou vermelho-sangue).
  • Bradicardia (diminuição da frequência cardíaca).
  • Dispneia (falta de ar).
  • Secreções nasais esverdeadas.
  • Desidratação.
  • Polidipsia (aumento da sede).

O animal pode adquirir o patógeno vivendo com um felino infectado ou bebendo água contaminada. Da mesma forma, outros mamíferos (como os ratos) também são portadores comuns dessa doença. Além disso, esses roedores não precisam estar em contato direto com o gato para infectá-lo, pois as fezes ou a urina bastam para transmitir a infecção.

Como se não bastasse, é preciso ressaltar que essa patologia pode ser transmitida ao ser humano. No caso das pessoas, a doença pode levar à insuficiência hepática ou renal, embora para os gatos não seja uma condição de alto risco.

Tularemia

A tularemia é causada pela bactéria Francisella tularensis, que afeta diversos tipos de roedores como coelhos, ratos, esquilos e lebres. No entanto, os fluidos corporais de animais infectados podem infectar outros organismos saudáveis. Cães, gatos, porcos, cavalos, peixes e aves contraem a doença pelo contato com roedores.

Os animais devem ingerir ou inalar o patógeno para serem infectados com a doença. No entanto, a bactéria pode sobreviver no solo ou na água por muito tempo, tornando-se uma fonte constante de infecção para vários organismos. Alguns dos sintomas mais comuns dessa patologia são os seguintes:

  • Febre.
  • Letargia
  • Perda de apetite
  • Fraqueza muscular.
  • Vômito
  • Diarreia.
  • Mudança de comportamento.

Como você pode ver, a tularemia não se espalha apenas pelo contato com ratos, mas também pelo meio ambiente ou mesmo por picadas de carrapatos. Se o seu animal contrair a doença, é necessário ter muito cuidado, pois o tutor também pode se infectar.

Peste

A peste, também chamada de peste bubônica, é um tipo de infecção bacteriana (causada por Yersinia pestis) transmitida por pulgas de roedores. Se os gatos caçarem um rato infectado, eles pegarão a doença. O período de incubação dura entre 2 e 7 dias e então os seguintes sintomas começam a aparecer:

  • Gânglios linfáticos inchados (pequenas bolas doloridas no pescoço ou outras partes do corpo).
  • Febre.
  • Letargia
  • Vômito.
  • Desidratação
  • Diarreia.
  • Perda de apetite
  • Perda de peso.
  • Secreções nasais.

Essa doença também pode ser contraída pelo ser humano, assim como a famosa peste negra que assolou a Europa no século XIV. Antes, acreditava-se que os ratos tinham sido uma das fontes de infecção que ajudaram a espalhar a doença. No entanto, de acordo com alguns pesquisadores da Universidade de Oslo, é provável que as pulgas e os piolhos tenham sido as verdadeiras causas da pandemia.

Febre de mordida de rato

Essa doença é uma infecção rara causada por bactérias (Streptobacillus moniliformis). Esse patógeno é transmitido pela mordida do rato e causa febre, dores musculares, náuseas e vômitos. No entanto, os gatos também podem ser infectados se comerem a carne do roedor infectado ou entrarem em contato com seus dejetos.

Parasitas intestinais (endoparasitas)

Os endoparasitas (como nematoides, lombrigas, oxiúros ou coccídios) geralmente habitam o corpo dos ratos. Por esse motivo, não é incomum que gatos tenham contato com os parasitas ao comer os roedores. Como resultado, o animal pode apresentar diarreia, vômito, perda de peso e letargia. Essas patologias não são muito perigosas para os felinos, mas precisam ser controladas por vermífugos.

Um gato espreitando um rato.

Como você pode perceber, os ratos são reservatórios incríveis de doenças que podem ser fatais para os gatos. Portanto, é melhor evitar que o seu felino cace qualquer tipo de animal. Lembre-se de que os gatos domésticos não precisam caçar, por isso é melhor que fiquem em casa e longe de perigos desnecessários.

Pode interessar a você...
Doenças transmitidas por roedores
Meus Animais
Leia em Meus Animais
Doenças transmitidas por roedores

As doenças transmitidas por roedores são numerosas e variadas, algumas delas inclusive podemos ter sofrido sem nem perceber!



  • Dean, K. R., Krauer, F., Walløe, L., Lingjærde, O. C., Bramanti, B., Stenseth, N. C., & Schmid, B. V. (2018). Human ectoparasites and the spread of plague in Europe during the Second Pandemic. Proceedings of the National Academy of Sciences, 115(6), 1304-1309.
  • Nowotny, N., Weissenboeck, H., Aberle, S., & Hinterdorfer, F. (1994). Hantavirus infection in the domestic cat. Jama, 272(14), 1100-1101.
  • Yaafar, N., Prado, M. A., Favot, N., Poli, G. L., Sarradell, J. E., Anthony, L. M., & Francois, S. E. (2020). Posible leptospirosis clínica en dos gatos (Felis silvestris catus) del sur de la provincia de Santa Fe. Ciencia Veterinaria, 21(2), 85-98.
  • Ingram, W. M., Goodrich, L. M., Robey, E. A., & Eisen, M. B. (2013). Mice infected with low-virulence strains of Toxoplasma gondii lose their innate aversion to cat urine, even after extensive parasite clearance. PloS one, 8(9), e75246.
  • Kohn, D. F., & Clifford, C. B. (2002). Biology and diseases of rats. Laboratory animal medicine, 121.
  • Boey, K., Shiokawa, K., & Rajeev, S. (2019). Leptospira infection in rats: A literature review of global prevalence and distribution. PLoS neglected tropical diseases, 13(8), e0007499.
  • Gaastra, W., Boot, R., Ho, H. T., & Lipman, L. J. (2009). Rat bite fever. Veterinary microbiology, 133(3), 211-228.
  • Gasper, P. W., Barnes, A. M., Quan, T. J., Benziger, J. P., Carter, L. G., Beard, M. L., & Maupin, G. O. (1993). Plague (Yersinia pestis) in cats: description of experimentally induced disease. Journal of Medical Entomology, 30(1), 20-26.