12 tipos de aranhas venenosas

Apesar de o veneno de aranha frequentemente causar muitos problemas, do ponto de vista biotecnológico essas substâncias têm a capacidade de servir de base para a geração de novos medicamentos, inseticidas ou novos tratamentos para outras doenças.
12 tipos de aranhas venenosas

Última atualização: 03 Outubro, 2021

Embora algumas espécies de aranhas estão na lista das espécies mais venenosas, a realidade é que existem muitos tipos de aracnídeos letais para os humanos. Na verdade, alguns espécimes ditos “letais” só causam dor intensa que passa após alguns dias, sem a necessidade de cuidados excessivos.

Não deixe que sua aparência ou tamanho temíveis atrapalhem seu julgamento, porque, apesar de seu físico, a maioria dos aracnídeos não representam nenhum perigo. Ao contrário, tenha mais cuidado e cautela com as aranhas menores, pois geralmente são as mais nocivas. Continue lendo para aprender mais sobre os 12 aracnídeos venenosos mais interessantes e letais do mundo.

Quem são as aranhas?

As aranhas constituem alguns dos invertebrados mais diversos do mundo e desempenham um papel importante no ecossistema. Os tamanhos desse grupo dependem de cada espécie, podendo medir alguns milímetros ou chegar a 30 centímetros de comprimento de uma pata a outra.

Como o próprio nome sugere, as aranhas pertencem à ordem Aranae, que se distingue por possuir um corpo com 4 pares de patas locomotivas. São artrópodes, como insetos, mas não são seus parentes diretos.

A interação humana com aranhas perigosas é muito rara, pois a maioria habita regiões de selva ou cavernas. No entanto, a destruição dos ecossistemas naturais, a urbanização e a agricultura nos aproximaram, colocando ambos os grupos em risco. Na verdade, a maioria das aranhas não são agressivas, mas atacam como defesa quando se sentem em perigo iminente.

As aranhas e seu veneno

Os aracnídeos são predadores que possuem glândulas venenosas cujo objetivo original é caçar e se defender. Por essa razão, a maioria das espécies usa seus venenos para repelir seus inimigos ou incapacitá-los enquanto fogem. Além do mais, apesar de sua má reputação, apenas alguns espécimes têm potencial para ser letais para os humanos.

Esses invertebrados não “picam”, e sim mordem suas vítimas, injetando o veneno das glândulas que estão na parte superior de suas quelíceras. Na verdade, muitas vezes o problema não está nos venenos desses organismos, e sim na reação do corpo das vítimas às toxinas, capazes de levar à anafilaxia.

Tipos de aranhas venenosas

Devido ao grande número de aranhas que existem, essa lista inclui apenas os tipos mais venenosos e temidos pelo ser humano. Alguns mitos a respeito delas também são refutados, limpando seu nome da má reputação que lhes foi atribuída. Não perca!

Armadeira (Phoneutria nigriventer)

A armadeira se distribui por várias localidades da América do Sul, onde habita áreas de selva úmida. O veneno desse tipo de aranha tem ação neurotóxica e produz fortes dores, vermelhidão, cãibras, convulsões e paralisia. Apesar de parecerem perigosas, os acidentes causados por elas são leves e menos de 1% dos casos resultam na morte da vítima.

Um fato curioso sobre a mordida dessa aranha é que ela pode causar um efeito chamado priapismo, que se refere a uma ereção muito dolorida. Por esse motivo, ela vem ganhando destaque, pois parece ter potencial para combater a disfunção erétil em homens.

Um dos tipos de aranhas mais perigosos.

Aranha-golias (Theraphosa blondi)

Este belo aracnídeo é um dos maiores do grupo das tarântulas e também é conhecido como “aranha-golias-comedora-de-pássaros” por incluir alguns pássaros em sua dieta. Assim como no posto anterior, o veneno desse espécime contém entre seus componentes neurotoxinas que costumam causar muita dor e paralisia.

Apesar de seu aspecto, a picada desse invertebrado não é letal para o ser humano, mas é muito dolorosa, devido ao grande tamanho de suas quelíceras, que atingem um comprimento de até 2 centímetros. Então imagine o efeito delas.

Uma aranha Golias.

Viúva-negra (Latrodectus mactans)

Essa espécie é um dos tipos mais comuns de aranhas venenosas na América do Sul e do Norte. É reconhecida e temida por muitas pessoas, devido à sua má fama e cor peculiar. No entanto, a chance de você morrer por causa de seu veneno é muito baixa, desde que a mordida seja tratada da maneira certa.

Ao contrário da crença popular, a maioria dos casos dessa mordida “perigosa” de aranha é tratada sem antitoxinas. Além disso, hoje em dia as terapias tradicionais são preferidas, pois há controvérsias devido às reações alérgicas causadas pelas antitoxinas administradas.

Um dos tipos de aranhas venenosas.

A espécie Sicarius thomisoides

Esse invertebrado é um aracnídeo que habita ambientes desérticos e semidesérticos, nos quais se enterra parcialmente na areia. Como as demais, são aranhas temidas por seu veneno perigoso, pois apresenta um agente dermonecrótico que “mata” o músculo e pode causar a perda do membro.

Os gêneros Sicarius e Loxosceles são um dos poucos que causam danos significativos à vítima. Os sintomas das feridas dessas aranhas são dor intensa e coloração arroxeada do músculo, com perda progressiva da mobilidade. No entanto, apesar da perigosa mordida, o prognóstico médico costuma ser positivo se o caso for tratado corretamente.

A espécie Eratigena agrestis

Esse espécime nativo da Europa conseguiu colonizar outros países como Estados Unidos e Canadá. É uma espécie terrestre que habita espaços fechados e escondidos, por isso costuma entrar nas casas e ficar entre as roupas ou cantos mal iluminados. Embora fosse considerada uma aranha perigosa por seu veneno necrótico, agora se sabe que não tem importância médica.

Desde 1980, a mordida dessa aranha é temida porque, segundo alguns relatos clínicos, pode causar necrose com seu veneno. No entanto, isso era falso, pois derivava de casos em que ela era confundida com outras aranhas e até mesmo com outros invertebrados. Um artigo na revista científica Medical Entomology confirmou que sua mordida não é perigosa para o ser humano.

Uma aranha vagabunda.

Aranhas-rato (Missulena)

Nativos da Austrália, esses aracnídeos constituem um grupo abundante em florestas e áreas de matagal semiárido. Ademais, além de serem organismos tóxicos, também são capazes de “voar” ou serem arrastados, o que lhes permite percorrer grandes distâncias graças ao vento.

A mordida dessa aranha possui componentes neurotóxicos que causam dor intensa e dormência na área próxima à ferida. Apesar disso, a maioria dos casos clínicos causados por essa aranha produz desconforto leve ou moderado, por isso não é considerada perigosa para o ser humano.

A espécie Cheiracanthium punctorium

Esse é um dos tipos de aranhas venenosas mais comuns na Europa e na Ásia Central. Embora seja reconhecida por ter um veneno semelhante ao do gênero Loxosceles, isso foi negado, uma vez que sua mordida não contém compostos necróticos. No entanto, é uma das mais dolorosas, pois o veneno é citolítico, causando sintomas mais graves do que a picada de uma vespa.

Aranha-caçadora-gigante (Heteropoda maxima)

Esse aracnídeo rivaliza com a aranha-golias em tamanho, mas é facilmente diferenciada por sua aparência de “caranguejo”, devido ao seu corpo pequeno com patas alongadas. Apesar de sua enorme aparência, esse invertebrado não faz parte das habituais aranhas venenosas, pois sua mordida não é perigosa para o ser humano.

Na verdade, os sintomas parecem estar mais ligados ao “corte” na pele do que ao veneno que o animal produz.

Aranha teia de funil (Atrax robustus)

Essa espécie é nativa do leste da Austrália e é um dos principais tipos de aranhas venenosas do mundo. Isso ocorre porque sua mordida contém uma neurotoxina extremamente perigosa, chamada atracotoxina, que pode levar à parada cardiorrespiratória fatal. Esse efeito se deve aos danos causados ao sistema nervoso, que pode levar à morte do paciente se não for tratado a tempo.

Um espécime de Atrax robustus.

Aranhas-lobo (Lycosa erythrognatha)

As aranhas desse tipo são predadores que não dependem de sua seda para capturar suas presas, pois usam seu veneno para paralisá-las. Apesar disso, não são consideradas perigosas para o ser humano, uma vez que os efeitos de sua mordida não costumam ser graves. Além disso, na maioria dos casos não é necessário usar a antitoxina específica para aranhas-lobo, pois elas não causam danos além de dor intensa.

A espécie Latrodectus hasselti

Esse invertebrado comum na Austrália pertence ao mesmo gênero da viúva-negra, então a picada de ambas produz sintomas bastante semelhantes. Na verdade, a síndrome clínica causada por esse grupo é chamada de latrodectismo e gera dores na região, espasmos, taquicardia e rigidez muscular.

Os espécimes dessa espécie apresentam neurotoxinas que raramente resultam em morte se os pacientes estiverem sob cuidados médicos. Além disso, existem antitoxinas específicas que aliviam a dor em poucas horas, mas na maioria dos casos não são necessárias.

Um dos tipos de aranhas venenosas.

A espécie Loxosceles reclusa

As espécies do gênero Loxosceles também são conhecidas como “aranhas-marrons”. Por estarem distribuídas em quase todo o mundo, o efeito de seu veneno é bem conhecido, e a síndrome clínica que provoca é chamada de loxoscelismo. A picada desse invertebrado causa a “morte” do músculo, algo também conhecido como aracnoidismo necrótico.

Essa aranha é o aracnídeo que causa os sintomas mais graves do grupo, e se o caso não for tratado a tempo, pode levar à morte da vítima. Alguns dos sintomas mais frequentes são: dores intensas, febre, vômitos, insuficiência renal e, às vezes, perda do membro afetado.

Uma aranha violinista de corpo inteiro.

Como você pode ver, a maioria dos diferentes tipos de aranhas não produz venenos mortais para o ser humano. No entanto, isso não significa que sua mordida não seja extremamente dolorosa. Por esse motivo, lembre-se de evitar manusear qualquer aranha, por mais inofensiva que pareça. Para qualquer caso de mordida, consulte um profissional de saúde imediatamente.

Pode interessar a você...

10 curiosidades sobre as aranhas-camelo
Meus Animais
Leia em Meus Animais
10 curiosidades sobre as aranhas-camelo

As curiosidades sobre as aranhas-camelo são múltiplas, pois elas tiveram que se adaptar à vida em climas áridos e desérticos. Saiba mais!



  • Herzig, V., & King, G. F. (2013). The neurotoxic mode of action of venoms from the spider family Theraphosidae. In Spider Ecophysiology (pp. 203-215). Springer, Berlin, Heidelberg.
  • Baerg, W. J. (1923). The Effects of the Bite of Latrodectus mactans Fabr. The Journal of Parasitology9(3), 161-169.
  • Offerman, S. R., Daubert, G. P., & Clark, R. F. (2011). The treatment of black widow spider envenomation with antivenin Latrodectus mactans: a case series. The Permanente Journal15(3), 76.
  • Arán-Sekul, T., Perčić-Sarmiento, I., Valencia, V., Olivero, N., Rojas, J. M., Araya, J. E., … & Catalán, A. (2020). Toxicological Characterization and Phospholipase D Activity of the Venom of the Spider Sicarius thomisoides. Toxins12(11), 702.
  • Gaver-Wainwright, M. M., Zack, R. S., Foradori, M. J., & Lavine, L. C. (2011). Misdiagnosis of spider bites: bacterial associates, mechanical pathogen transfer, and hemolytic potential of venom from the hobo spider, Tegenaria agrestis (Araneae: Agelenidae). Journal of medical entomology48(2), 382-388.
  • Isbister, G. K., & Gray, M. R. (2004). Bites by Australian mygalomorph spiders (Araneae, Mygalomorphae), including funnel-web spiders (Atracinae) and mouse spiders (Actinopodidae: Missulena spp). Toxicon43(2), 133-140.
  • Papini, R. (2012). Documented bites by a yellow sac spider (Cheiracanthium punctorium) in Italy: a case report. Journal of Venomous Animals and Toxins including Tropical Diseases18, 349-354.
  • Nicholson, G. M., Little, M. J., & Birinyi-Strachan, L. C. (2004). Structure and function of δ-atracotoxins: lethal neurotoxins targeting the voltage-gated sodium channel. Toxicon43(5), 587-599.
  • Ribeiro, L. A., Jorge, M. T., Piesco, R. V., & de Andrade Nishioka, S. (1990). Wolf spider bites in Sao Paulo, Brazil: a clinical and epidemiological study of 515 cases. Toxicon28(6), 715-717.
  • Ortuño Lazarte, Patricia Elizabeth, & Ortiz Samur, Nadir Peggy. (2009). LATRODECTISMO. Revista Científica Ciencia Médica12(1), 25-28.
  • Rodriguez-Jara, Pablo, Montes-Carmona, Jose-Francisco, Albarracin-Arjona, Beatriz, & Infante-Cossio, Pedro. (2017). Loxosceles spider bite in lower lip. Revista Española de Cirugía Oral y Maxilofacial39(2), 117-119. https://dx.doi.org/10.1016/j.maxilo.2016.02.004