Estimulação mental em cães: uma questão de brincar

A estimulação mental em cães provoca reações fisiológicas e comportamentais positivas que, de certa forma, definem a qualidade de vida do animal.
Estimulação mental em cães: uma questão de brincar

Última atualização: 20 Janeiro, 2021

A estimulação mental em cães por meio de brincadeiras produz uma série de emoções positivas. Relatórios científicos estabelecem que, quando se brinca regularmente em um ambiente gratificante, isso desencadeia respostas no nível do sistema nervoso central. Por sua vez, esses estímulos provocam reações fisiológicas e comportamentais benéficas no animal.

Nas linhas a seguir, vamos discutir como as atividades lúdicas proporcionam essa estimulação mental em cães, pois não devemos nos esquecer de que, no final das contas, eles são animais com instintos a serem satisfeitos.

A importância das brincadeiras

Atualmente, é universalmente aceito que os animais sentem dor e podem sofrer. Além disso, entendemos que o “bem-estar animal” não se trata apenas da ausência de dor e medo, pois exige também a prevalência de um ambiente enriquecedor.

É importante mencionar que o prazer geralmente é avaliado no contexto da estimulação sensorial momentânea, como o deleite do paladar. No entanto, “bem-estar ou qualidade de vida” se refere a um estado interno mais prolongado, associado à estimulação mental.

Brincar é importante porque dá aos animais de estimação a oportunidade de exercitar o corpo enquanto exploram o ambiente e aprendem novas habilidades.

Estimulação mental em cães

O que acontece quando um cachorro não brinca?

Por causa das suas condições de vida, os animais domésticos e em cativeiro geralmente são receptores passivos de estimulação. Isso significa que eles não podem escolher ou controlar as suas experiências e opções de comportamento. Por esse motivo, alguns seres vivos sociais forçados ao confinamento e à solidão podem sofrer de tédio.

Alguns desses comportamentos de tédio foram descritos em cães sem estimulação física e mental. Os sinais de tédio são variados, mas geralmente incluem o aumento da sonolência e episódios de inquietação, bem como comportamentos de evitação e de busca de sensações que, infelizmente, são percebidos pelos tutores ​​como um mau comportamento.

Assim, a falta de estimulação sensorial ou cognitiva ocorre quando o animal não tem oportunidades de exercício, exploração e/ou aprendizagem. Há evidências de que animais sem a estimulação mental adequada têm vias neurais debilitadas e, de fato, os seus cérebros se tornam fisicamente menores.

Por que brincar é importante para a estimulação mental em cães?

Sem dúvida, é difícil medir o grau de bem-estar animal. Contudo, evidências de estudos recentes mostram que os animais se beneficiam com a criação de situações que enriqueçam as suas experiências. Essas situações incluem:

  • A antecipação de recompensas positivas.
  • Oportunidades dadas aos animais para coletar informações, como na solução de problemas.
  • Experiências emocionais positivas que são sustentadas ao longo do tempo ou que se repetem regularmente.

Como funciona a estimulação mental em cães?

De acordo com estudos científicos, as experiências de resolução de problemas são intrinsecamente motivadoras. Durante a estimulação mental em cães, há a liberação de dopamina, um mediador associado à aprendizagem e à consolidação da memória.

Os pesquisadores observaram que a dopamina – um neurotransmissor do sistema nervoso autônomo – atua na resposta fisiológica diante das recompensas. Essas respostas são vitais para controlar o comportamento motivado por experiências anteriores.

É assim que a dopamina está associada ao reforço positivo diante de estímulos recompensadores.

Existe uma idade em que o cachorro não precisa brincar?

Durante os primeiros anos de vida, os cães naturalmente apresentam uma acentuada tendência para brincar e explorar. De qualquer forma, conforme o processo de envelhecimento vai se instaurando, é comum que a vitalidade diminua.

Ao mesmo tempo, a oferta de estímulo mental e físico aos animais de estimação pode diminuir em casa. Os tutores costumam pensar que a disposição para brincar se encontra reduzida em cães mais velhos.

No entanto, a necessidade de estimulação mental em cães persiste ao longo de toda a vida. Há evidências científicas que mostram que a limitação dessas atividades pode levar ao envelhecimento acelerado em cães.

Como consequência, a falta de atividades estimulantes pode resultar em uma redução na qualidade de vida do animal e repercutir no enfraquecimento do vínculo entre o cachorro e o tutor. Também há evidências de que a estimulação constante, ao longo da vida, está associada à manutenção da função cognitiva em cães idosos.

Jogos idealizados para a estimulação mental em cães

Uma vez estabelecida a importância das brincadeiras na vida do cachorro, apresentamos algumas muito fáceis de aplicar:

  • Encontrar guloseimas: requer prática e é uma maneira fácil e divertida de desafiar o seu olfato. Isso dá ao cachorro a oportunidade de usar alguns dos seus instintos naturais para trabalhar em busca de comida.
  • Brinquedos para dispensar alimentos: objetos que fazem o cachorro trabalhar para descobrir como pode ser obtida a comida colocada dentro deles.
  • Quebra-cabeças para cães: os quebra-cabeças para cães vêm em várias formas e tamanhos e estão disponíveis na maioria das lojas de suprimentos para animais de estimação. Alguns deles são bastante desafiadores e outros são básicos, para iniciantes.
  • Adivinhar a mão: é uma maneira fácil de estimular o cérebro do seu cachorro e tudo o que você precisa para começar são alguns petiscos. A brincadeira consiste em pegar alguns petiscos com uma das mãos e fazer o cachorro adivinhar em qual delas eles estão. Rápido e fácil.
  • Adivinhar o copo: outro jogo mental simples para cães. Usando ​​três copos, esconde-se um petisco embaixo de um deles – enquanto o animal observa – e então eles são embaralhados. Essa brincadeira dará ao cachorro a chance de aprimorar as suas habilidades de resolução de problemas.
  • Esconde-esconde: é uma divertida brincadeira interativa muito estimulante. Faça o seu cachorro se sentar, encontre um esconderijo, chame por ele e elogie-o quando ele te encontrar. Essa brincadeira permite que o seu animal de estimação use algumas de suas habilidades naturais de rastreamento de cheiro.
  • Guardar os brinquedos: use um recipiente e ensine o seu cachorro a guardar os seus brinquedos. Os cães gostam de aprender novas habilidades.

Estimulação mental em cães

Bem-estar animal

Atualmente, existem movimentos sociais que trabalham para que os animais possam ter uma vida “boa” e não apenas uma existência “não tão ruim”. Essa tendência foi sentida conforme a necessidade de proporcionar experiências enriquecedoras para os animais domésticos foi se popularizando.

Em geral, essas práticas têm como objetivo melhorar os estados emocionais positivos a longo prazo e manter uma boa função cognitiva dos animais. Esse ramo ideológico também é de interesse científico, uma vez que se aprofundar no conhecimento dos mecanismos fisiológicos subjacentes ao processo de estimulação mental em cães também é fascinante.

Pode interessar a você...
Dicas para brincar com seu animal de estimação no verão
Mis AnimalesLeerlo en Mis Animales
Dicas para brincar com seu animal de estimação no verão

As férias são o momento ideal para passar mais tempo com seu cão. Neste artigo, confira dicas para brincar com seu animal de estimação no verão.



  • Wallis, L. J., Range, F., Kubinyi, E., Chapagain, D., Serra, J., & Huber, L. (2017, November). Utilising dog-computer interactions to provide mental stimulation in dogs especially during ageing. In Proceedings of the Fourth International Conference on Animal-Computer Interaction (pp. 1-12).
  • McGowan,  R,  Rehn,  T,  Norling,  Y,  and  Keeling,  L. 2014.   Positive   affect   and   learning:   exploring   the “Eureka Effect” in dogs. Anim. Cogn.17, 3, 577–587. https://link.springer.com/article/10.1007/s10071-013-0688-x
  • Wise,  RA.  (2004).  Dopamine,  learning  and  motivation. Nat. Rev. Neurosci.5, 6 , 483–494.  http://e.guigon.free.fr/rsc/article/WiseRA04.pdf
  • Boissy,  A, Manteuffel, G, Jensen, M, Moe, R, …and Aubert,  A.  (2007).  Assessment  of  positive  emotions  in animals to improve their welfare. Physiol. Behav.92, 3, 375–397.
  • Rooney, NJ, Bradshaw, JW., and Robinson, IH. (2000). A   comparison   of   dog–dog   and   dog–human   play behaviour. Appl. Anim. Behav. Sci.66, 3, 235–248 https://scentdogsaustralia.com/uploads/3/4/6/0/34604456/dog_dog_dog_human_play.pdf