O que é a extinção em massa do Holoceno?

28 Dezembro, 2020
A Terra está sofrendo o que é considerada a sexta extinção em massa de sua história. Conhecer suas causas é importante para evitar o desaparecimento de mais espécies.

Há anos, um grande número de animais vem desaparecendo da face da Terra, já que se estima que cerca de 150 espécies de seres vivos desaparecem a cada 24 horas. Sem dúvida, isso mostra que a extinção em massa do Holoceno é imparável. As causas são variadas, mas quase todas têm a ver com atividades humanas.

O que está causando a extinção em massa do Holoceno? Quais espécies são afetadas? O que nós, humanos, podemos fazer para impedir isso? Se você quiser saber mais sobre essa situação perigosa, continue lendo.

A sexta grande extinção terrestre

Os dados científicos não mentem: a Terra está imersa no que já é considerada a sexta extinção em massa de sua história. Esse não é o primeiro episódio catastrófico em termos de perda de diversidade, uma vez que as espécies terrestres sofreram uma infinidade de extinções em massa e algumas delas ameaçaram seriamente a própria existência da vida.

Na extinção do Permiano-Triássico (250 milhões de anos atrás), 95% das espécies marinhas desapareceram, incluindo os famosos trilobitas. No final do Cretáceo, 65 milhões de anos atrás, todos os dinossauros desapareceram para sempre.

Todas essas extinções foram um ponto de virada da vida na Terra e mudaram para sempre o planeta. Em que ponto nos encontramos agora com a extinção em massa do Holoceno?

A sexta grande extinção terrestre

Em que consiste essa nova extinção?

O desaparecimento em massa mais recente de espécies é conhecido como extinção em massa do Holoceno. Deve o seu nome ao período geológico em que ocorre, o Holoceno, época em que vivemos há cerca de 12 000 anos.

Sua principal causa é, sem dúvida, a atividade humana. Desde a disseminação do Homo Sapiens pelo mundo – 40 000 anos atrás – as espécies da Terra sofreram e sofrem uma série de fatores que as ameaçam:

  • A caça massiva de animais de grande porte que causa sua extinção. Com o início da expansão dos humanos ao redor do mundo, nossa espécie começou a caçar para comer. Isso causou declínios populacionais em muitos animais, o que, a longo prazo, levou ao desaparecimento de espécies como o mamute ou o auroque.
  • desaparecimento de habitats causados ​​pelas atividades humanas: agricultura, mineração, construção, derrubada de árvores e muitas outras atividades prejudiciais aos ecossistemas.
  • Mudanças climáticas que vêm ocorrendo desde o final do século XIX, devido à emissão de gases de efeito estufa na atmosfera terrestre.

Como você pode ver, embora os fatores em si sejam variados, todos eles têm a ver com a intervenção humana. Nossa espécie se espalhou pelo mundo de uma forma imparável ao longo dos séculos e, claro, os ecossistemas naturais foram seriamente afetados por ela.

Milhares de espécies ameaçadas

De acordo com vários estudos, a taxa de extinção atual é de 100 a 1000 vezes maior do que a média natural, o que nos mostra o quão dramática pode ser a perda das espécies.

O alarme é mais do que justificado: a União Internacional para a Conservação da Natureza (UICN), conforme mostra este artigo jornalístico, considera que uma em cada oito espécies de aves, uma em cada quatro mamíferos e uma em cada três anfíbios estão em perigo.

Muitas dessas espécies estão ameaçadas pelos efeitos das mudanças climáticas. O aquecimento global causa variações drásticas de temperatura e precipitação, para as quais muitos animais não estão preparados. Existem casos bem conhecidos, como o do urso polar, que perde seu habitat com o desaparecimento da camada de gelo do Ártico.

Como você pode ver, as mudanças climáticas e a perda de habitats são os principais desafios que os animais enfrentam. O desaparecimento do mais diverso ecossistema que existe, a floresta tropical, pode causar a perda de milhares de espécies, algumas tão icônicas como o orangotango.

A extinção em massa do Holoceno: um processo antigo

Quando falamos sobre a sexta grande extinção, tendemos a pensar em eventos relativamente recentes causados ​​pelo humanos. É o caso do dodô – desaparecido no século XVII – ou do golfinho-lacustre-chinês, considerado extinto em 2008.

No entanto, não devemos esquecer que as extinções já ocorrem há milhares de anos. É o caso da grande extinção pré-histórica americana, na qual 33 gêneros de grandes mamíferos dos 45 atuais pereceram por causas climáticas.

O que podemos fazer para evitar a extinção em massa?

Diante da situação dramática dos números apresentados, é normal sentir que não podemos fazer nada face a um evento de extinção dessa magnitude. Porém, não é assim: ainda temos tempo, como humanidade, para evitar a extinção de várias espécies.

Para fazer isso, devemos mudar certos padrões socioeconômicos, mas não é um processo fácil. As medidas necessárias estão divididas nos seguintes pilares:

  • Priorizar o manejo sustentável do ambiente natural: evitar a exploração excessiva dos recursos. Com isso, podemos enfrentar o contínuo desaparecimento dos habitats dos quais dependem não apenas as espécies ameaçadas de extinção, mas também nós mesmos.
  • Combate às alterações climáticas: é possível através da redução gradual – e finalmente da supressão – das emissões de gases com efeito estufa. Ao fazer isso, protegeremos as espécies dos efeitos adversos do aquecimento global.
  • Intensificar a proteção do ambiente natural: através de espaços naturais protegidos e reservas, ter locais onde a natureza possa seguir o seu curso sem intervenção humana.
O que podemos fazer para evitar isso?

Em conclusão, apesar da enorme dificuldade, devemos reconhecer que sempre é possível evitar a extinção em massa de espécies se as políticas apropriadas forem aplicadas para isso. Juntos, ainda podemos reverter essa situação crítica.

  • Extinción masiva del Holoceno. (2020, 15 de septiembre). Wikipedia, La enciclopedia libre. Fecha de consulta: 16:06, octubre 7, 2020 desde https://es.wikipedia.org/w/index.php?title=Extinci%C3%B3n_masiva_del_Holoceno&oldid=129289480.
  • Galus, C. (2008, 13 agosto). La sixième extinction des espèces peut encore être évitée. Le Monde. https://www.lemonde.fr/planete/article/2008/08/13/la-sixieme-extinction-des-especes-peut-encore-etre-evitee_1083195_3244.html</p;>