O que são as extinções em massa?

As extinções em massa não são apenas uma coisa do passado. Atualmente está ocorrendo a sexta extinção em massa, o que pode ter consequências catastróficas para os humanos.
O que são as extinções em massa?

Última atualização: 30 Março, 2021

À medida que ocorrem mudanças no ambiente, novas espécies aparecem e outras terminam sua jornada neste planeta. A grande maioria dos seres vivos que existiram ao longo da história da Terra foi extinta, mas o processo nem sempre é gradual: esse é o caso das extinções em massa.

As extinções em massa ocorrem devido a mudanças muito abruptas no meio ambiente e eliminam muitas das formas de vida no planeta em um período muito curto de tempo. Ao longo da história, elas aconteceram apenas 5 vezes, mas não são uma coisa do passado. No momento, estamos no meio da sexta extinção em massa.

Esses eventos de desaparecimento da biodiversidade podem ter consequências ecológicas muito graves, não só para o meio ambiente, mas também para a sociedade humana. Convidamos você a continuar lendo se quiser saber mais sobre esse assunto.

O que é uma extinção em massa e como ela acontece?

Durante os diferentes períodos geológicos, existe uma taxa normal de extinção. Esse parâmetro pode ser diferente entre táxons diferentes e nem sempre é constante, mas indica aproximadamente o ritmo de desaparecimento das espécies em condições normais.

Quando a extinção ocorre seguindo essa taxa, os ecossistemas são capazes de assimilá-la. No entanto, quando a taxa aumenta muito, os ambientes e seus integrantes podem entrar em colapso e desaparecer completamente.

As extinções em massa são eventos em que grande parte da biodiversidade desaparece, mas também podem ser oportunidades para dar lugar a novas vidas. Após esses tipos de eventos, as espécies que tiverem sobrevivido vão passar por um período de evolução e diversificação acelerada.

Assim, novas espécies ocupam os nichos ecológicos que ficaram vazios após a extinção. Com o tempo, novos ecossistemas são formados, muitas vezes radicalmente diferentes dos antigos.

Exemplo de imagem de extinções em massa.

As 5 extinções em massa do passado

As extinções em massa são frequentemente usadas como uma barreira para separar os períodos geológicos, uma vez que a vida antes e depois costuma ser muito diferente. As extinções geralmente são nomeadas de acordo com os períodos que separam. Aqui estão os 5 eventos de extinção que ocorreram no passado.

Extinção do Ordoviciano-Siluriano

Essa extinção ocorreu há 444 milhões de anos (Ma) e é considerada a segunda mais destrutiva. Acredita-se que ela tenha sido causada por períodos glaciais muito intensos, que alteraram severamente todos os aspectos dos oceanos, onde vivia a maior parte dos organismos complexos.

Durante esse evento, 85% de todas as espécies foram extintas. Muitos grupos de cefalópodes com concha, braquiópodes, conodontes e trilobitas desapareceram.

Extinção do Devoniano

Essa extinção eliminou cerca de 75% de todas as formas de vida e ocorreu entre 383 e 359 milhões de anos atrás. Durou mais de 20 milhões de anos, durante os quais vários eventos de extinção ocorreram próximos uns dos outros e nos quais os níveis de oxigênio despencaram.

As causas são várias e múltiplos fatores causaram um efeito sinérgico. Há sinais de impacto de asteroides e vulcanismo, mas uma das principais responsáveis podem ter sido as plantas, que nessa época começaram a colonizar a Terra e desenvolver grandes tamanhos.

Extinção do Permiano-Triássico ou a Grande Morte

Esse evento ocorreu 252 milhões de anos atrás. É considerada a pior das extinções em massa, já que desapareceram 96% das espécies marinhas e 75% das espécies terrestres, que haviam conquistado o continente em épocas passadas.

Esse evento afetou particularmente os insetos, pois matou os maiores invertebrados que já existiram. Também eliminou florestas, que levaram 10 milhões de anos para se recuperar. Acredita-se que essa extinção tenha sido causada por grandes erupções vulcânicas, com consequente aquecimento global e anóxia.

Extinção do Triássico-Jurássico

A vida demorou muito para se recuperar da extinção anterior. Uma vez que isso aconteceu, florestas exuberantes reapareceram e os arcossauros se tornaram os animais dominantes no planeta.

Entre eles, destacaram-se os crocodilomorfos, ancestrais dos crocodilos atuais. Porém, também surgiram outros arcossauros, os dinossauros e os pterossauros, que nessa época ainda eram pequenos e pouco relevantes.

Há 201 milhões de anos, impactos de asteroides e erupções massivas causaram novamente um aquecimento global drástico, eliminando 80% das espécies. Entre eles, os crocodilomorfos perderam seu papel dominante.

Extinção do Cretáceo-Paleogeno

Essa extinção é a mais conhecida de todas, uma vez que é responsável pelo desaparecimento dos dinossauros não avianos. Essas criaturas se diversificaram enormemente após a extinção anterior, uma vez que os nichos ocupados pelos crocodilomorfos estavam livres.

Os dinossauros governaram o planeta por milhões de anos e alcançaram tamanhos incríveis, até que um meteorito caiu na costa de Yucatán, há 66 milhões de anos. O impacto e os desastres naturais subsequentes eliminaram 76% das espécies do planeta.

Depois dela, novas formas de vida assumiram o protagonismo e colonizaram o planeta: os mamíferos. Nem todos os dinossauros foram extintos, porque sem entrar em muitos detalhes, as aves continuam muito bem-sucedidas hoje em dia.

A extinção dos nossos tempos

A Terra está atualmente passando pela sexta extinção em massa. Dessa vez, a causa não é um meteorito ou erupções vulcânicas, mas as ações dos humanos.

O desenvolvimento da nossa espécie não é sustentável e está prejudicando seriamente os ecossistemas. Suas consequências incluem a destruição de habitats, a superexploração, a introdução de espécies exóticas invasoras, a poluição e as mudanças climáticas.

Como resultado, as espécies animais estão desaparecendo em um ritmo excessivamente acelerado e a taxa de extinção é mais de 100 vezes maior do que o normal. Isso não afeta apenas os vertebrados, pois os invertebrados, essenciais para qualquer ecossistema, estão desaparecendo.

Embora muitas vezes esse ponto seja ignorado, os humanos também fazem parte do meio ambiente. A biodiversidade fornece uma miríade de serviços ecossistêmicos, desde a polinização até a proteção contra doenças, que tornam a vida possível para as pessoas neste planeta.

Portanto, a preservação do mundo natural não é apenas uma questão de generosidade, mas de sobrevivência. A degradação atual já está mostrando graves efeitos econômicos, de saúde e sociais para os humanos.

Fumaça na cidade.

Os modelos econômicos e políticos devem mudar rapidamente em direção a um desenvolvimento sustentável, a fim de conter essa extinção em massa e preservar a vida, tanto humana quanto selvagem, neste planeta.

Pode interessar a você...
6 animais em perigo de extinção na Europa
Meus AnimaisLeia em Meus Animais
6 animais em perigo de extinção na Europa

Alguns animais que estão em perigo de extinção na Europa são o vison-europeu, a saiga e o tubarão-branco. Aprenda mais sobre eles.