Fungos em peixes: tipos, sintomas e tratamentos

Os fungos em peixes são um problema muito comum com o qual quase toda pessoa responsável por um aquário vai se deparar em algum momento. Aprenda a erradicá-los junto com a gente.
Fungos em peixes: tipos, sintomas e tratamentos

Última atualização: 17 Julho, 2021

Embora pareçam morfologicamente mais simples do que um cão e um gato, os peixes também são hospedeiros de doenças parasitárias, bacterianas e fúngicas e são propensos a apresentar doenças de longo prazo. É obrigação de todo cuidador de aquários conhecer os tipos de fungos possíveis em peixes, seus sintomas e tratamentos, de forma a resolver qualquer patologia existente no ambiente.

As lesões causadas por fungos em peixes geralmente aparecem na forma de descamação, apodrecimento das nadadeiras, massas com aspectos de algodão na região dos olhos e muitas outras coisas. Por sua vez, esses sinais clínicos são indicativos de que a qualidade da água não está adequada ou que os animais estão estressados. Se você quiser saber mais sobre o assunto, continue lendo.

O que são os fungos em peixes?

O reino Fungi engloba um grupo de seres vivos que ficam no meio-termo entre as plantas (Plantae) e os animais (Animalia). Mofos, leveduras e organismos produtores de cogumelos são heterotróficos, portanto, obtêm energia da matéria orgânica do meio ambiente e não são capazes de sintetizá-la por conta própria, ao contrário das plantas. Portanto, não podem ser agrupados junto com elas.

Por outro lado, as células fúngicas são circundadas por uma parede celular de quitina, ao contrário dos corpos celulares dos animais, que possuem apenas uma membrana plasmática que os delimita do meio ambiente. Embora não sejam animais nem plantas, os fungos são filogeneticamente mais próximos do primeiro grupo.

Como os representantes do reino Fungi são heterotróficos, eles precisam de fontes de matéria orgânica para se nutrir e crescer. Alguns a obtêm dos ciclos de decomposição dos solos, mas outros, os dermatófitos, aderem à pele dos vertebrados para buscar queratina (queratinofílicos) e destruí-la (queratinolíticos), tornando-se patógenos.

Embora os peixes não tenham queratina nas escamas, que são compostas de dentina, também podem passar por um processo semelhante, em que uma espécie de fungo se instala na pele e destrói o ambiente para se alimentar. Os organismos que causam essas condições são o que conhecemos hoje como “fungos em peixes”.

Os fungos nos peixes aderem à superfície do corpo e destroem estruturas, a fim de obter matéria orgânica para metabolizar e continuar a crescer.

 

Um peixe doente com fungos.

Tipos de fungos em peixes

Até o momento, estudos estimam que existam até 5,1 milhões de espécies de fungos, embora muito poucas delas tenham sido descobertas. É possível que alguns tipos de fungos em peixes nem sequer tenham sido descritos, mas nas linhas a seguir vamos apresentar os tipos mais importantes que são conhecidos. Não perca!

Saprolegnia (saprolegniose)

Saprolegnia é um gênero de fungos saprofíticos e parasitoides. Isso significa que eles podem se alimentar de células mortas do animal sem causar danos ou, se não for possível, eles são capazes de se instalar nas guelras dos peixes e começar a causar um quadro invasivo. Este último cenário dá origem a uma micose.

Esse gênero é um dos mais problemáticos na piscicultura e aquariofilia , especialmente quando a temperatura da água cai abaixo de 15 ºC ou os peixes estão imunocomprometidos devido às más condições do aquário. Lesões de saprolegniose se manifestam como feridas algodoadas radiais.

Esse gênero suporta bem temperaturas que variam de 3ºC a 33ºC. Portanto, é muito comum em aquários tropicais.

Achyla

Achyla é um gênero de oomicetos, também conhecido como mofos de água ou water molds. Esses fungos encistam na boca do animal e produzem zoósporos, que por sua vez causam os sintomas da infecção secundária. Embora tenham sido registradas vários quadros de espécies de Achyla parasitando peixes, não há um quadro clínico padrão como no caso da saprolegniose.

Aphanomyces invadans (síndrome ulcerativa epizoótica EUS)

A síndrome ulcerativa epizoótica é de grande importância na piscicultura, pois provoca perdas significativas nas explorações piscícolas naturalizadas. Essa condição é causada pelo Aphanomyces invadans, outro fungo aquático, que dessa vez ocorre em peixes com lesões ulcerativas necrosadas e respostas granulomatosas.

Branchiomyces (branquiomicose)

Esse gênero de cogumelos é outro dos mais conhecidos no mundo dos aquários, pois causa a famosa e temida podridão das guelras. Esses patógenos invadem as guelras do animal, causando sintomas de dificuldade respiratória. A morte chega em menos de 48 horas, com uma taxa de até 50% das pessoas afetadas.

Ichthyophonus hoferi

Ichthyophonus hoferi é um protista unicelular que parasita peixes de água doce e salgada. Nesses animais, provoca granulomatoses crônicas e sistêmicas. Também pode causar danos ao sistema nervoso do hospedeiro, o que também resulta em nado errático e atípico.

Sintomas de fungos em peixes

Dependendo do gênero que parasita o animal, os sintomas podem ser muito diferentes. No entanto, a maioria das lesões fúngicas no aquário doméstico são causadas pelo gênero Saprolegnia, por isso vamos nos concentrar nessa patologia. Alguns dos seus sinais clínicos mais comuns são os seguintes:

  • O peixe começa a desenvolver lesões irregulares, esbranquiçadas e algodoadas, que são encontrados na pele e nas brânquias e possuem uma disposição radial muito bem circunscrita.
  • À medida que o micélio do fungo cresce, as lesões se tornam acastanhadas, pois retêm lama ou lodo do ambiente.
  • O animal infectado também apresentará despigmentação dérmica, apatia generalizada e falta de vontade de comer. Se não for tratado, vai acabar morrendo por causa do fungo.

Ao analisar outros quadros, também é comum ver o animal tirando ar de fora da água (branquiomicose) ou com lesões granulomatosas avermelhadas (infecção por Ichthyophonus). Em geral, as manifestações iniciais costumam ocorrer na superfície das escamas e depois evoluem para sintomas sistêmicos mais difusos.

Possíveis tratamentos

Algumas das patologias aqui mencionadas não têm cura, enquanto outras podem ser tratadas com medicamentos genéricos vendidos em qualquer loja que oferece produtos para aquários. De qualquer modo, é muito difícil descobrir o diagnóstico correto sozinho, por isso é sempre melhor procurar um veterinário especializado ou a um profissional do mundo da aquariofilia.

Além do patógeno, pode ser útil seguir um protocolo padronizado. Se você notou fungos nos peixes do seu aquário, siga estas etapas prontamente:

  1. Troque pelo menos 50% da água antes de iniciar o tratamento. Naturalmente, toda água que você adicionar deve ser pré-tratada com produtos que removem o cloro e estabilizam seus valores.
  2. Ajuste a temperatura do tanque de acordo com o patógeno e, se possível, aumente 2 ou 3 graus. Se os limites fisiológicos das espécies de peixes permitirem, as altas temperaturas podem fazer com que o patógeno morra ou entre em um estado de quiescência, no qual não se reproduz.
  3. Banhe os peixes afetados em soluções salinas (1 colher de sopa de sal por litro de água) por 15-30 minutos. Isso deve ser feito fora do aquário, em um recipiente separado. Soluções de permanganato de potássio (1 grama por 100 mililitros de água) por 30 minutos também são uma boa opção.
  4. Compre medicamentos genéricos para tratar todo o aquário, sempre retirando o filtro de carvão antes de começar. SERA baktopur® e Tetra fungistop® são algumas opções de produtos.
  5. Terminado o tratamento, limpe os filtros, o cascalho, as plantas e toda a decoração do aquário. Só assim você se livrará de possíveis esporos e vestígios do patógeno.

Não recomendamos, em nenhuma circunstância, que você procure remédios caseiros para tratar infecções. O máximo que se pode fazer sem cuidados profissionais é realizar banhos salinos ou aumentar a temperatura do aquário, mas mesmo essas atividades trazem certos riscos à saúde dos animais. Procure um tratamento recomendado por um veterinário e não faça experiências por conta própria.

Se os peixes estiverem muito estressados ou forem adicionados ao aquário sais em proporções erradas, isso só irá acelerar a morte dos animais infectados.

Uma faixa de pH no aquário.
Monitore também todos os valores do aquário. Isso evitará o reaparecimento dos fungos.

Prevenção e recomendações finais

Como você deve ter visto, muitas dessas espécies de fungos são saprófitas e se tornam patogênicas quando o sistema imunológico do animal está prejudicado. Portanto, a melhor prevenção para evitar fungos em peixes é sempre cuidar dos animais. Isso inclui manter os parâmetros da água estáveis, não estressá-los excessivamente, realizar as trocas de água e evitar a superlotação.

Se você mantiver essas constantes em um intervalo adequado, esses patógenos não terão motivos para aparecer em seu aquário. Além disso, também recomendamos que você deixe os peixes novos em quarentena por uma semana em um tanque separado antes de adicioná-los ao aquário principal. Só assim você evitará quadros infecciosos que podem vir de fora.

Pode interessar a você...
4 peixes de fundo ideais para o seu aquário
Meus AnimaisLeia em Meus Animais
4 peixes de fundo ideais para o seu aquário

Os peixes de fundo ou limpadores são um grupo de animais que colaboram com a limpeza do aquário. Veja algumas opções aqui!



  • Saprolegniasis, Texas a Grilllife extension. Recogido a 21 de junio https://fisheries.tamu.edu/2020/01/24/saprolegniasis/
  • González-de-Canales, M. L., Ortiz, J. B., González-Valle, M., & Sarasquete, C. (2001). Saprolegniasis in wild fish populations. Ciencias Marinas, 27(1), 125-137.
  • Ilondu, E. M., Arimoro, F. O., & Sodje, A. P. (2009). The use of aqueous extracts of Vernonia amygdalina in the control of saprolegniasis in Clarias gariepinus, a freshwater fish. African Journal of Biotechnology, 8(24).
  • Yanong, R. P. (2003). Fungal diseases of fish. Veterinary Clinics: Exotic Animal Practice, 6(2), 377-400.
  • Khoo, L. (2000, April). Fungal diseases in fish. In Seminars in Avian and exotic pet medicine (Vol. 9, No. 2, pp. 102-111). WB Saunders.