Imunologia veterinária: para evitar e tratar doenças

maio 19, 2020
A imunologia veterinária é um campo que influencia a prática médica em doenças virais, bacterianas e parasitárias. Também se aplica a doenças zoonóticas, patologias animais transmissíveis ao homem.

Quando ouvimos falar em imunologia veterinária, nos vêm à mente as alergias que nossos animais de estimação apresentam. Também associamos esse conceito a doenças como a inflamação na artrite.

No entanto, esse campo de estudo tem a ver com quase todas as disciplinas de saúde animal. Aplica-se especificamente ao diagnóstico, à prevenção, ao tratamento e ao controle de doenças infecciosas e autoimunes.

O conhecimento das características particulares do sistema imunológico se concentra nos animais domésticos, mas também é aplicável a animais de fazenda, selvagens e de experimentação científica.

Nesses tempos de crise global e pandemia, termos como sistema imunológico, vacinas, prevalência e outros estão cada vez mais em evidência. O que muitos não sabem é que existem ramos de estudos veterinários responsáveis ​​por aplicá-los ao mundo animal. Nesse espaço, vamos explicar tudo o que você deve saber sobre a imunologia veterinária.

Imunologia veterinária: para evitar e tratar doenças

As vacinas são um produto do desenvolvimento da imunologia veterinária

É fato que a prevalência – casos existentes – de doenças animais ameaça as criações e também a saúde pública. Desde a sua descoberta, a estratégia de aplicação de vacinas tem sido fundamental para controlar várias doenças animais infecciosas.

Todos temos em mente doenças como a influenza A ou a gripe suína, ambas doenças zoonóticas que podem afetar os seres humanos.

É importante ter em mente que para alcançar uma estratégia de vacinação eficaz é necessário atender a vários fatores, como a qualidade da vacina e o protocolo para a sua aplicação. Além disso, é importante verificar seu efeito, por exemplo, quantificando anticorpos protetores no sangue.

Todas essas questões, bem como a formulação de novas vacinas e os efeitos de adjuvantes nas imunizações, exigem a aplicação e o desenvolvimento da imunologia veterinária.

As vacinas são um produto do desenvolvimento da imunologia veterinária

Imunologia veterinária em animais de estimação e animais de fazenda

O sistema imunológico do animal exerce sua ação protetora através de diferentes mecanismos. Os componentes da imunidade natural, também chamada de não específica ou inata, estão presentes antes da exposição a microrganismos infecciosos, incluindo:

  • Barreiras físicas, como a pele e a mucosa.
  • Moléculas no sangue, como o sistema de complemento.
  • Células sanguíneas fagocíticas: como células agressoras naturais.
  • Citocinas, que são proteínas que viajam no sangue e direcionam a resposta imune.

Por outro lado, a imunidade específica ou adquirida refere-se aos mecanismos de defesa induzidos ou estimulados pela exposição a substâncias estranhas. Eles reagem especificamente em relação ao agente infeccioso particular que o induz. Graças à imunidade adquirida, as vacinas são eficazes para proteger o corpo de possíveis infecções.

As vacinas expõem o sistema imunológico a formas enfraquecidas ou mortas do patógeno e, portanto, o corpo do animal é capaz de reconhecê-lo e combatê-lo sem ser infectado. Essa capacidade de resposta é lembrada, imunizando o ser vivo vacinado contra o patógeno inoculado.

A imunologia veterinária no diagnóstico de doenças se refere à detecção de patógenos, como vírus, bactérias e parasitas veterinários, por métodos sorológicosTambém se aplica ao desenvolvimento e teste de novas abordagens de diagnóstico. Além disso, métodos de laboratório também podem ser usados ​​para determinar a sensibilidade aos antibióticos.

Doenças imunológicas

A imunologia é fundamental para os animais em todas as fases da sua vida

É preciso notar que pequenas mudanças no sistema imunológico podem fazer a diferença entre a vida e a morte dos filhotes de espécies distintas. Um exemplo típico é o dos ruminantes, que, ao contrário dos humanos, nascem sem anticorpos.

Isso acontece porque suas placentas não deixam essas proteínas passarem pelo sangue da mãe. Por esse motivo, a prole é altamente dependente da ingestão de anticorpos do tipo IgA contidos no colostro, o primeiro tipo de leite materno produzido pela mãe.

Doenças imunológicas

Às vezes é possível que a resposta imune tenha efeitos adversos para o próprio animal. É o caso de condições como alergias. Também estão incluídas as consequências de sofrer infecções como a artrite encefalite caprina (CAE) e o vírus da cinomose canina, que levam ao desenvolvimento imunopatológico da doença.

O desenvolvimento da biotecnologia e nossa maior compreensão das respostas imunes do animal afetam o desenvolvimento de vacinas que podem prevenir doenças. Por fim, a detecção de agentes infecciosos em animais silvestres pode ser crucial no tratamento de surtos virais, como a atual crise do coronavírus demonstrou.

  • Charley, B. (1996). The immunology of domestic animals: its present and future. Veterinary immunology and immunopathology, 54(1-4), 3-6.
  • Schmitt, B., & Henderson, L. (2005). Diagnostic tools for animal diseases. Revue scientifique et technique-Office international des épizooties, 24(1), 243.