Infecção fúngica em cães: causas, sintomas e tratamentos

Existem muitos tipos de problemas dermatológicos no mundo dos cães. A infecção por fungos é uma das mais evidentes e requer tratamento clínico imediato.
Infecção fúngica em cães: causas, sintomas e tratamentos

Última atualização: 15 Dezembro, 2021

A pele é um dos órgãos mais importantes dos seres vivos em termos de proteção. Esse conglomerado de tecidos defende contra infecções, mas também mantém a homeostase interna e a troca de fluidos com o exterior. Infelizmente, existem algumas condições dermatológicas que afetam cães e humanos. A infecção fúngica é uma delas.

Se o seu cão tem epiderme avermelhada, crostas e um odor estranho, você deve levá-lo ao veterinário com urgência. Aqui vamos contar o que é uma infecção fúngica em cães e como eliminá-la. Não perca!

O que é a infecção fúngica em cães?

A infecção fúngica em cães é um tipo de dermatite causada pelo microrganismo Malassezia pachydermatis. É uma levedura zoofílica, ou seja, cresce bem na superfície de certos seres vivos. Faz parte do microbioma epidérmico de humanos, gatos, cães e outros mamíferos, embora possa atuar como um patógeno oportunista em certas circunstâncias.

Malassezia pachydermatis é um patógeno de grande importância na medicina veterinária. Quando o microrganismo se torna patogênico, pode causar sintomas como otite externa e dermatite seborreica em cães. Um pH baixo tem alguma atividade bactericida, mas os cães têm um pH de pele mais alto do que todas as espécies de animais domésticos, especialmente em certas áreas.

As condições da pele dos cães em um nível químico os tornam especialmente suscetíveis a infecções fúngicas. Além disso, estas costumam ocorrer simultaneamente com atopia e outros processos alérgicos de natureza epidérmica.

Esse tipo de infecção também pode ocorrer em humanos, mas é muito raro. Estima-se uma prevalência de 2% dos pacientes com dermatite.

Um cachorro se coçando.

Causas da infecção

Como dissemos em linhas anteriores, a infecção fúngica em cães ocorre quando esses microrganismos crescem mais do que deveriam no ambiente da pele. Eles são oportunistas e aproveitam uma situação vulnerável para proliferar.

Em circunstâncias normais, fungos e bactérias na superfície da pele não são um problema, pois o sistema imunológico se encarrega de mantê-los afastados. Infelizmente, mudanças na pele, imunossupressão, administração de alguns medicamentos e certos predisponentes hereditários tornam esse equilíbrio mais provável de ser quebrado.

Além do acima exposto, deve-se notar que algumas raças são muito mais suscetíveis do que outras a sofrer dessa infecção. O shih tzu, o cocker spaniel, o schnauzer, o poodle e o boxer são alguns dos exemplos mais claros. Os fungos crescem melhor em locais escuros e úmidos, como as dobras da pele e a cavidade interna de orelhas muito caídas.

Sintomas da infecção fúngica em cães

Como já dissemos, esse quadro pode se estender ao nível ótico e epidérmico. Alguns dos sinais clínicos mais evidentes são os seguintes:

  • Mudanças na cor e textura da pele: nos estágios iniciais da infecção, a pele parece avermelhada. Por outro lado, durante as fases crônicas, pode ficar enegrecida.
  • Pele oleosa e com crostas.
  • Inclinação da cabeça: é um sinal de otite infecciosa, ou seja, a proliferação de fungos no pavilhão auricular do cão.
  • Coçar: essas infecções causam uma coceira muito evidente. O cão pode arranhar com as patas ou contra as superfícies constantemente.
  • Lambedura: o cão pode tentar se lamber para aliviar a inflamação e a dor.
  • Odor de pele estranho, semelhante ao que emana de um queijo forte.
  • Queda de pelo: é comum ocorrer ao redor das orelhas.

As infecções fúngicas em cães costumam ocorrer simultaneamente com problemas de ouvido e certos distúrbios alérgicos. Por esse motivo, muitos dos sintomas que o paciente típico apresenta são compartilhados com outros transtornos.

Deve-se notar que essa doença não é contagiosa.

Diagnóstico de infecção fúngica em cães

Conforme indicado pela mídia profissional, existem muitas técnicas para detectar essa infecção. Aqui estão alguns dos métodos mais eficazes para isso:

  • Raspagem: basta obter uma amostra da área afetada da pele do animal com uma simples raspagem. Quando observados ao microscópio, os microrganismos patogênicos podem ser notados.
  • Amostra por impressão: uma lâmina pode ser pressionada na pele do cão. Novamente, a amostra deve ser observada sob o microscópio.
  • Tira de acetato: uma tira é colada na pele do cão. As células epidérmicas destacadas são então removidas e analisadas.
  • Biópsia: nesse caso, deve-se obter uma amostra inteira da pele do cão. É a técnica mais invasiva, mas fornece a maior parte das informações.

Caso a infecção seja nos ouvidos, será necessário o uso de um otoscópio. Além da observação do pavilhão auricular, estudos como os já citados podem ser necessários se a condição for ótica.

Tratamento

O tratamento da infecção fúngica em cães varia de acordo com a área do corpo afetada. Por exemplo, se a infecção ocorre no ouvido, cremes ou gotas antifúngicas e um regime especial de limpeza são frequentemente prescritos. Em casos graves, uma medicação oral sistêmica é escolhida.

O tratamento da infecção cutânea generalizada requer a aplicação de cremes antifúngicos tópicos, sprays e xampus específicos. Para que o formato xampu funcione, ele deve ser aplicado durante o banho por cerca de 10 minutos, a cada 3-5 dias e por um período de 2 a 12 semanas. No entanto, se tudo isso não funcionar, uma abordagem sistêmica com medicamentos orais também é necessária.

Cetonoconazol, itraconazol e fluconazol são os medicamentos mais comumente usados.

É possível aplicar medidas em casa?

Embora essa infecção requeira tratamento veterinário em todos os casos, é possível ajudar o cão a se recuperar mais cedo com uma série de conselhos e medidas em casa. Preste atenção:

  1. Limpe regularmente as orelhas do seu cão: a infecção no ouvido é combatida com cremes específicos, mas você também deve limpar as orelhas do cão com soluções salinas indicadas pelo veterinário.
  2. Mantenha as pernas e a pele secas: a umidade favorece sobremaneira a proliferação de leveduras no meio epidérmico do animal.
  3. Examine a dieta do seu cão: um cão com esse tipo de infecção pode ter uma deficiência de vitaminas que precisa ser tratada.
Existem cremes para aliviar a coceira em cães.

A prevenção é a chave para o sucesso

Como já dissemos nas linhas anteriores, a infecção fúngica em cães ocorre quando o cão não tem saúde ou higiene adequadas. Portanto, o melhor método para prevenir o seu aparecimento é cuidar do animal em todas as frentes possíveis. Alguns tutores de cães predispostos (como o shih tzu) optam por dar banhos periódicos em seus cães com xampus antifúngicos, por exemplo.

O prognóstico dessa condição é positivo em quase todos os casos. Embora o tratamento tenda a ser prolongado no tempo, a maioria dos cães responde bem aos medicamentos mencionados e a coceira cessa uma semana após o início do tratamento. Se você ouvir seu veterinário em todas as orientações, seu cão melhorará drasticamente em questão de dias.

Pode interessar a você...
Infecções por fungos em cães e gatos
Meus Animais
Leia em Meus Animais
Infecções por fungos em cães e gatos

As infecções por fungos em cães e gatos são um problema de saúde cuja importância está crescendo por diversos motivos. Saiba mais aqui!