O que é a influenza equina?

A influenza equina é uma patologia extremamente comum em cavalos, análoga à influenza em humanos. Aprenda aqui como detectá-la e preveni-la.
O que é a influenza equina?

Última atualização: 23 Junho, 2021

O termo influenza equina refere-se a uma doença viral altamente contagiosa do trato respiratório superior em equinos. Seus sintomas aparecem na forma de tosse, conjuntivite, febre e secreção nasal, mas geralmente não levam à morte. Curiosamente, estima-se que 100% dos cavalos que não foram vacinados ou expostos ao vírus serão infectados em algum momento.

De qualquer modo, embora a taxa de infecção seja alarmante, a taxa de mortalidade por essa infecção não excede 4%. Em outras palavras, apenas potros e cavalos com um estado de saúde delicado antes da infecção correm risco real. Se você quiser saber mais sobre a influenza equina, continue lendo.

A influenza equina é causada por um vírus?

A influenza equina recebe vários nomes no âmbito veterinário, incluindo horse flu ou gripe equina. Esses termos podem parecer familiares, pois também são aplicáveis na medicina humana. Não é à toa: o patógeno pertence ao grupo dos vírus Influenza A, que também causam doenças em pessoas, aves e outros mamíferos.

Conforme indicado pelo site Sinobioligical, estima-se que poderia haver 144 subtipos do vírus Influenza A, embora apenas 2 deles pareçam se especializar em infectar cavalos. Até agora, foram detectadas as cepas H7N7 (equino-1) e H3N8 (equino-2). De qualquer modo, acredita-se que a H7N7 possa ter desaparecido do ambiente natural, pois não é detectada há mais de 20 anos.

Assim, o principal suspeito em todos os casos de gripe em cavalos é o subtipo H3N8. No entanto, sabe-se que esse patógeno também pode infectar aves, cães, gatos e até focas, segundo a BBC.

O vírus H3N8 é a principal causa de doenças respiratórias em todas as populações de cavalos no mundo.

 

Um cavalo espirrando.

Características do vírus

Esses microrganismos são muito simples, como todos os vírus. Sua informação genética consiste em segmentos de RNA, por sua vez protegidos do meio ambiente por uma bicamada lipídica, que dá forma ao patógeno. Especificamente, os vírus do tipo Influenza são categorizados em diferentes variantes de acordo com as proteínas expressadas em sua membrana.

Como os vírus carecem de quase todas as características necessárias para serem considerados células, raramente são incluídos no grupo dos seres vivos. Para se replicar, eles precisam se infiltrar na célula do hospedeiro, “sequestrar” sua maquinaria replicativa e gerar cópias. Quando os novos vírus saem para o ambiente extracelular, a célula infectada morre (lise).

As proteínas incorporadas na bicamada lipídica que protege o RNA respondem por quase 50% da massa do vírus.

Sintomas da gripe equina

De acordo com o site MSD Veterinary Manual, o período de incubação dura de 1 a 3 dias após a infecção. Após esse curto intervalo, os seguintes sintomas geralmente aparecem:

  • Febre alta, de até 41° C.
  • Corrimento nasal seroso.
  • Tosse forte e seca.
  • Fraqueza geral e pior desempenho no trabalho.
  • Dificuldade em respirar (dispneia).
  • Dor muscular e rigidez do sistema musculoesquelético.

Os sinais clínicos mais óbvios duram muito pouco, cerca de 2 ou 3 dias, em cavalos imunocompetentes, pois eles são capazes de enfrentar a infecção rapidamente e se livrar dela. No entanto, como o vírus invade a parede do epitélio respiratório, pode ocorrer destruição local de algumas estruturas brônquicas. Por causa disso, às vezes a tosse dura mais algumas semanas.

Cavalos saudáveis se recuperam totalmente em um período máximo de 3 semanas.

Possíveis complicações

Devido aos danos causados pela expansão e replicação viral, geralmente leva cerca de 21 dias para o epitélio respiratório cicatrizar completamente. Durante esse tempo, os cavalos estarão propensos a serem infectados por outros patógenos oportunistas, podendo então apresentar quadros como pneumonia, pleuropneumonia e bronquite crônica. Portanto, é melhor deixar o equino descansar até que se recupere totalmente.

Como ocorre o contágio?

Como indica a revista Frontiers of Microbiology, essa condição é transmitida por meio de gotículas, que podem ser expelidas pelo animal doente durante uma tosse, espirro ou relincho. A efetividade desse vírus está na resistência, pois pode ser transmitido pelo ar em distâncias de 1 a 2 quilômetros.

Além disso, o microrganismo permanece viável por até 3 dias fora do hospedeiro. Escovas, cadeiras, roupas dos cuidadores, pilhas de feno, bebedouros e todos os materiais das instalações podem conter agentes patógenos. Se um cavalo saudável entrar em contato direto com qualquer um desses elementos, ele será infectado.

Diagnóstico da influenza equina

Idealmente, é necessário chamar o veterinário quando apenas um cavalo apresentar os sinais clínicos citados. Em todo caso, devido à rapidez do contágio, certamente grande parte dos membros do estábulo, ou todos, adoecem ao mesmo tempo. Essa situação é mais do que suficiente para suspeitar de um surto de influenza equina.

O primeiro passo é sempre obter amostras da mucosa oral e nasal do animal. Essas amostras são levadas ao laboratório e, por meio de técnicas de amplificação da informação genética, como a PCR, é possível detectar o genoma do vírus. Os testes de anticorpos circulantes no sangue também são muito úteis para essa tarefa.

Tratamento e prevenção

Cavalos que não desenvolvem sinais clínicos graves não precisam de tratamento específico, apenas cuidados de suporte. De qualquer modo, o ideal é que cada equino doente possa ter 1 semana de repouso para cada dia de febre, em geral 3 semanas. Animais que tiverem febre alta podem ser tratados com anti-inflamatórios não esteroidais (AINEs), sempre nas doses indicadas pelo veterinário.

Por outro lado, também pode ser necessário prescrever antibióticos ao animal, principalmente se a febre durar mais de 4 dias e o nariz escorrendo for acompanhado de soluções purulentas. Assim, são evitadas infecções secundárias que possam pôr em perigo a vida do equino doente.

Existem no mercado várias vacinas que conferem aos cavalos imunidade contra a gripe equina. Se possível, a vacinação é sempre a melhor opção.

 

Uma veterinária examinando um cavalo.

Uma doença muito comum

Como afirmamos no início, até 100% dos cavalos não vacinados são infectados com a influenza equina em algum momento de suas vidas. Embora a condição gere sintomas muito incômodos, em 2 ou 3 semanas a patologia geralmente se resolve sozinha e o cavalo retorna ao seu estado anterior de saúde. A taxa de mortalidade não ultrapassa 4%, portanto, não é uma condição fatal.

De qualquer modo, deve ser dedicado um cuidado especial aos espécimes imunodeprimidos e aos potros do rebanho. Esses animais mais fracos podem desenvolver condições infecciosas muito mais graves, portanto, para protegê-los, a melhor opção é vacinar todos do estábulo.

Pode interessar a você...
As doenças mais frequentes em cavalos de competição
Meus AnimaisLeia em Meus Animais
As doenças mais frequentes em cavalos de competição

Os cavalos de competição são submetidos a esforços muito intensos para os quais seu sistema locomotor não tem porque estar preparado.



  • New flu virus found in seals concerns scientists. Recogido a 11 de junio en https://www.bbc.com/news/science-environment-19055961
  • Influenza Hemagglutinin (HA) subtypes and Flu Virus Strains, SinoBiological (SB). Recogido a 11 de junio en https://www.sinobiological.com/research/virus/influenza-hemagglutinin-subtypes
  • Horse flu, MSD. Recogido a 11 de junio en https://www.msdvetmanual.com/respiratory-system/respiratory-diseases-of-horses/equine-influenza
  • Singh, R. K., Dhama, K., Karthik, K., Khandia, R., Munjal, A., Khurana, S. K., … & van der Kolk, J. H. (2018). A comprehensive review on equine influenza virus: etiology, epidemiology, pathobiology, advances in developing diagnostics, vaccines, and control strategies. Frontiers in microbiology, 9, 1941.
  • Timoney, P. J. (1996). Equine influenza. Comparative immunology, microbiology and infectious diseases, 19(3), 205-211.
  • Cullinane, A., & Newton, J. R. (2013). Equine influenza—a global perspective. Veterinary microbiology, 167(1-2), 205-214.
  • Cullinane, A., Elton, D., & Mumford, J. (2010). Equine influenza–surveillance and control. Influenza and other respiratory viruses, 4(6), 339-344.