Lamarckismo nos tempos modernos

As ideias evolucionistas de Lamarck foram amplamente discutidas no campo científico, mas a teoria de Darwin sempre foi vista como a principal. Ainda assim, existem algumas nuances a respeito desse assunto.
Lamarckismo nos tempos modernos

Última atualização: 23 Fevereiro, 2021

O lamarckismo é uma teoria que propõe que os seres vivos tendem a ser mais complexos e evoluem para atender a uma necessidade. Ela foi rejeitada no final do século XIX, após o surgimento da teoria da seleção natural de Darwin e Wallace. No entanto, alguns de seus postulados parecem ter sido reivindicados à luz de novas descobertas científicas.

Quais são essas descobertas e por que apoiariam o lamarckismo? Os conceitos das teorias evolucionistas atuais estão ficando desatualizados? Continue lendo se quiser saber mais.

O lamarckismo e as girafas que esticavam o pescoço

O lamarckismo é uma teoria que, quando proposta no início do século XIX, parecia convincente em sua simplicidade. Baseia-se em um princípio elementar: os animais tendem a ser mais complexos como consequência de um “impulso vital”, que lhes motiva a desenvolver suas características para atender a certas necessidades. Jean Baptiste de Pocquelin, cavaleiro de Lamarck, explicou sua teoria de forma muito gráfica com o conhecido exemplo das girafas.

De acordo com esse exemplo, as girafas originalmente deveriam ter um pescoço pequeno, o que lhes permitia alcançar as folhas mais baixas das árvores. No entanto, devido à competição entre elas, as folhas se esgotavam rapidamente. Por isso, as girafas teriam feito um esforço especial para alcançar as folhas mais altas e seu pescoço teria esticado até atingir o comprimento que conhecemos hoje.

Teorias do lamarckismo sobre a evolução.

Uma teoria em desuso… parcialmente

No entanto, após a publicação de A Origem das Espécies, de Charles Darwin, em 1859, as ideias lamarckistas caíram em desuso. Darwin afirmou que as mudanças evolutivas ocorreram por seleção natural do animal mais apto, sendo os animais variáveis ​​em suas características. Assim, no exemplo das girafas, algumas delas teriam pescoços mais longos, o que as tornaria mais aptas a sobreviver.

Essa ideia, com modificações posteriores, é a base da teoria evolucionista contemporânea: A seleção do mais apto. Em nossos tempos, a teoria darwiniana da seleção natural é amplamente aceita. No entanto, alguns aspectos do lamarckismo podem estar corretos, conforme descoberto por alguns estudos. Continue lendo para saber mais.

Darwin postula que os mais aptos nascem com essas características mais propensas ao sucesso e, por isso, são selecionados nas gerações futuras, enquanto Lamarck propõe que quanto mais necessário é o uso de um órgão, mais ele se desenvolverá na vida do animal.

O meio ambiente modifica os genes?

Vivemos em um mundo em que aceitamos que os genes e sua variabilidade são a base da evolução. A maioria de nós, de forma consciente ou inconsciente, aprendeu as teorias de Darwin em sua totalidade, sem questionar.

No entanto, às vezes não percebemos que algumas das ideias de Lamarck são perfeitamente plausíveis. Nem tudo na vida é determinado apenas pelos genes, nem estes são independentes do ambiente em que vivemos. Existem diferentes formas pelas quais o ambiente pode modificar os genes, dada a natureza química do genoma.

A seguir, vamos explorar algumas das ideias lamarckistas e veremos quais delas poderiam ser verdadeiras e quais devem ser descartadas. A todo momento, nos movemos em bases especulativas, então nada do que é exposto aqui precisa ser totalmente falso ou verdadeiro.

As mutações são aleatórias, não têm direção

Um dos equívocos sobre a evolução darwinista é que esse mecanismo biológico tem um propósito específico. Estamos diante de uma ideia lamarckista, pois esta defendia a teoria de que as adaptações nos animais tinham um significado: as girafas esticam o pescoço, as águias desenvolvem sua visão, os cães melhoram seu olfato, etc. Darwin, por outro lado, desconsiderou isso e simplesmente presumiu que aqueles que estivessem melhor adaptados naturalmente prosperariam.

O experimento de Luria e Delbruck de 1943 ilustra muito bem isso. Segundo Lamarck, a evolução é direcional, ou seja, buscaria certas adaptações benéficas. No entanto, Luria e Delbruck mostraram que as bactérias se adaptavam a vírus bacteriófagos de forma totalmente aleatória, elas não buscaram se adaptar. As mutações são resultado do acaso, e não de uma predisposição do ambiente em gerar mutações em um sentido específico.

Genes mudam em ambientes hostis

No entanto, essa opção parece completamente plausível. Segundo alguns estudos, as plantas de Arabidopsis estimulam a recombinação de seus genes quando atacadas por fungos parasitas. Esse mecanismo melhora a sua variabilidade genética, o que pode ser uma vantagem para as plantas.

Outros artigos confirmam isso, acrescentando que esse aumento na recombinação genética também ocorre diante de outros tipos de estresse, como a exposição a alguns compostos tóxicos.

Embora não tenha sido comprovado um mecanismo semelhante em animais, podemos comprovar como o ambiente pode influenciar os genes. E não apenas isso, pois também poderia ser provado que os próprios seres vivos podem influenciar seu DNA dependendo das condições.

Nem tudo na vida são genes

Embora a teoria darwinista e suas modificações contemporâneas sejam consideradas corretas, devemos evitar pensar que tudo se trata de cromossomos.

É evidente que a natureza química do material genético o faz estar em constante relação com o meio ao seu redor e, portanto, ser suscetível a ser modificado de acordo com as condições predominantes. Essas teorias podem nos chocar, mas têm componentes corretos em seus postulados.

Pode interessar a você...
Evolução convergente: a natureza em busca de soluções
Mis AnimalesLeerlo en Mis Animales
Evolução convergente: a natureza em busca de soluções

A evolução convergente ilustra o fato de a natureza ter um número finito de soluções para se adaptar ao meio ambiente. Saiba mais!