Leishmaniose em cachorros: sintomas, prevenção e tratamento

· abril 29, 2019
Esta doença crônica é contagiosa – não entre humanos – e é transmitida através do mosquito portador; ela pode causar sérios danos aos órgãos vitais dos cachorros.

A leishmaniose em cachorros é uma patologia crônica e grave causada por um parasita chamado leishmânia. Seu quadro clínico inclui diferentes processos infecciosos que precisam ser tratados rapidamente para evitar danos irreversíveis à saúde do animal.

Na verdade, esta é uma doença que pode ser contagiosa. Sua principal forma de transmissão ocorre através das picadas do ‘mosquito flebótomo’.

Por esta razão, a leishmaniose é mais comum em cachorros que vivem do lado de fora da casa. É uma patologia de alcance global, que pode afetar cachorros de todas as idades, sejam eles de raça ou sem raça definida. Embora seja contagiosa, a leishmaniose não pode ser transmitida às pessoas através do contato com os cachorros.

A seguir, vamos explicar melhor o que é a leishmaniose em cachorros e quais são os seus sintomas. Também vamos ensinar como preveni-la e tratá-la, a fim de preservar a boa saúde dos nossos melhores amigos.

A leishmaniose no organismo do cachorro

O termo ‘leishmânia’ se refere a diferentes espécies de protozoários parasitas pertencentes à família Trypanosomatidae. Os chamados ‘mosquitos flebótomos’, da família Psychodidae, são os vetores reconhecidos dessa doença.

A leishmânia se instala no corpo do cachorro para desenvolver as suas larvas e completar o seu ciclo de vida. Quando um mosquito infectado pica um cachorro, ele transmite as larvas de leishmânia presentes na sua saliva.

A leishmaniose no organismo do cachorro

Primeiramente, as larvas se alojam na pele, onde causam os primeiros sinais visíveis da leishmaniose em cachorros. Esta primeira fase é denominada leishmaniose cutânea ou dérmica; o ideal é estabelecer um tratamento rapidamente para conter o seu avanço no organismo do animal.

Pouco a pouco, a leishmânia vai penetrando nos tecidos mais profundos, até atingir a corrente sanguínea. Nesta segunda etapa, surgem os sinais de leishmaniose visceral ou sistêmica, que podem incluir diversos sintomas.

Devido à ausência ou pela demora de um tratamento adequado, a patologia vai se tornando cada vez mais grave e pode causar danos irreversíveis aos órgãos vitais do cachorro.

Sintomas da leishmaniose canina

Depois de serem picados por um mosquito infectado, os cachorros geralmente passam por um período de incubação que varia de 3 a 18 meses. Quando os primeiros sinais visíveis da doença aparecem, eles geralmente se concentram na pele e nas membranas mucosas.

No momento em que a leishmânia consegue atingir a corrente sanguínea e se expandir para os outros órgãos, uma sintomatologia mais complexa é observada. Estes são os sintomas mais frequentes da leishmaniose em cachorros:

  • Perda de pelo (principalmente ao redor da cabeça e nas patas).
  • Dermatite esfoliativa (descamação da pele e presença de ‘caspa’ nos pelos).
  • Lesões na pele e membranas mucosas (são mais frequentes nas orelhas, ao redor dos olhos e nas extremidades do cachorro).
  • Perda de apetite e de peso.
  • Desnutrição (derivada da perda de apetite).
  • Infecções secundárias (como consequência das feridas e lesões na pele ou membranas mucosas).
  • Perda parcial ou total das funções renais (pode ser parte da complexa sintomatologia característica da leishmaniose sistêmica).
Sintomas da leishmaniose canina

Diagnóstico e tratamento da leishmaniose em cachorros

A leishmaniose é uma doença crônica e complexa que precisa ser tratada adequadamente, a fim de evitar danos maiores à saúde do animal. Quando diagnosticada precocemente, é possível proporcionar um tratamento mais eficaz e uma melhor qualidade de vida ao cachorro. Portanto, ao observar qualquer um dos sintomas mencionados no seu cachorro, é essencial levá-lo rapidamente ao veterinário.

Na clínica, o veterinário poderá fazer os exames necessários para confirmar o diagnóstico de leishmaniose. Então, ele poderá recomendar o tratamento mais adequado de acordo com o estado de saúde e o progresso da doença em cada paciente.

Por ser uma patologia crônica, o tratamento para a leishmaniose consiste na administração de medicamentos específicos para controlar o seu progresso no organismo do cachorro. Além disso, o veterinário também poderá recomendar vitaminas ou suplementos para fortalecer o sistema imunológico do cachorro.

Como prevenir a leishmaniose em cachorros?

Atualmente, é possível encontrar algumas vacinas contra a leishmânia. Embora não seja 100% eficaz, este é um método válido para ajudar a prevenir essa doença nos nossos melhores amigos; certamente, a melhor maneira de prevenir a leishmaniose em cachorros é evitar as picadas de mosquito.

Nos pet shops, por exemplo, há repelentes de insetos feitos especialmente para cachorros. De fato, também podemos encontrar coleiras repelentes que são muito úteis para afastar os mosquitos no verão. No ambiente doméstico, existem muitos outros remédios: podemos preparar inseticidas caseiros, usando cascas de frutas cítricas ou óleo essencial de citronela.

Lembre-se também de oferecer medicamentos preventivos adequados ao seu melhor amigo durante toda a sua vida. Visitas ao veterinário a cada seis meses também serão essenciais para verificar o seu estado de saúde. Além disso, os cronogramas de vacinação e vermifugação devem ser respeitados para preservar o seu bem-estar.