Lula gigante: mito ou realidade?

· junho 30, 2018
Já foram encontrados espécimes de até 14 metros de comprimento. A primeira captura desta espécie ocorreu em 2004, enquanto em 2006 foi feita a primeira gravação de um vivo.

Até muito recentemente, considerava-se que a lula gigante era um ser fantástico surgido das lendas dos marinheiros. Quando um animal tão grande apareceu em uma praia, foi sugerido que era uma outra espécie, mas parece que os cientistas mudaram de ideia nos últimos anos.

A mitologia em torno da lula gigante

Uma das primeiras menções que temos sobre a lula gigante foi feita por Aristóteles, no século 4 a.C. Logo depois, Plínio, o Velho, também descreveu um cefalópode pesando quase 320 quilos e tão grande quanto um barril.

As lendas norueguesas incluem um grande ser mitológico, kraken, que atacava os barcos e media até mil metros de comprimento. Este número chegará à literatura: Jules Verne, em 20 000 léguas submarinas, descreve uma e Herman Melville inclui outra em Moby Dick.

No entanto, a descrição desses animais variava muito dependendo de quem falava dele. Aristóteles apontou que ele media “cinco braças”, enquanto os vikings aumentaram seu tamanho para vários quilômetros, por exemplo. Embora você tenha uma ideia clara de como uma lula gigante é fisicamente, parece que ninguém a conhecia.

Lula gigante
Fonte: http://www.bioenciclopedia.com

História de suas descobertas

A primeira evidência empírica de que havia tal animal começou a aparecer no século 19. O surgimento da imprensa deu cobertura ao encalhe que ocorreu então.

Nós tivemos que esperar até a primeira década do século para termos certeza de que as lendas não foram inventadas: em 2004, uma traineira capturou pela primeira vez uma lula gigante e, depois de muito procurar, em 2006, o primeiro vídeo de um espécime vivo foi feito.

Desde então, tem havido descobertas e contatos com lulas gigantes. Além dos encalhes, restos delas foram encontrados nos estômagos de cachalotes, seu principal predador.

Hoje existem programas científicos para encontrá-los e estudá-los, e estima-se que mais de 1.000 exemplares tenham sido encontrados até o momento, embora quase todos tenham sido restos mortais ou cadáveres.

O que sabemos hoje sobre a lula gigante

Atualmente, ainda sabemos muito pouco sobre a lula gigante. Elas são conhecidas por pertencerem ao gênero dos cefalópodes, mas não há acordo sobre quantas espécies diferentes existem. Dizem que existem até 20 diferentes, embora outros apontem que é uma única espécie amplamente distribuída por todo o planeta.

Fisicamente, elas se parecem muito com as lulas comuns. Seu corpo é dividido em uma cabeça e tentáculos. Há um grande dimorfismo sexual e as fêmeas são muito maiores do que os machos: o tamanho máximo conhecido de uma fêmea foi de 14 metros de comprimento, enquanto os machos atingem 10 metros.

Apesar de seu tamanho, eles são animais relativamente leves: a maior parte do corpo são os tentáculos, que podem atingir três vezes o tamanho da cabeça. Como outros cefalópodes, nos tentáculos há centenas de ventosas que medem até 5 centímetros de diâmetro.

As lulas gigantes encontradas pesam entre 100 e 300 quilos. As fêmeas são claramente mais pesadas e maiores que os machos. No entanto, os cientistas estão cientes de que normalmente os espécimes encontrados são jovens ou ainda estão em desenvolvimento.

Pouco se sabe sobre como eles se reproduzem e procriam. Acredita-se que eles tenham uma expectativa de vida de um a três anos, o que os tornaria os animais de mais rápido crescimento de todo o planeta: desde o nascimento até atingir 100 quilos, passariam apenas alguns meses.

Lula gigante
Fonte: https://elpais.com/

Habitat das lulas gigantes

A lula gigante tem um habitat muito extenso. Restos desses animais apareceram em todos os oceanos do planeta, embora em menor extensão nas águas tropicais e polares, isto é, em águas de temperaturas extremas.

O primeiro exemplar vivo, capturado em vídeo, estava às margens do Japão. Houve encalhes em todos os continentes, mas um dos mais conhecidos foi em Bares (Galícia), pois chegou à praia vivo e morreu na areia. Ela era uma fêmea filhote e sofreu ferimentos fatais em uma briga com outra lula gigante.

É um animal que habita o mar profundo, mas foi documentado que ele pode nadar até a superfície para pescar. O primeiro vídeo de um vivo foi obtido após a tentativa de atrai-lo com uma isca, fazendo-o subir a poucos metros da profundidade.

Suas presas e predadores

O que mais se sabe sobre esses animais é a respeito da alimentação, já que dados claros foram extraídos nas autópsias das lulas gigantes encalhadas. Moluscos, pequenos crustáceos e peixes de tamanho médio, especialmente o Micromesistius poutassou, apareceram em seus estômagos.

Lula gigante
Fonte: https://www.lavozdegalicia.es

Como certificado pela fêmea que morreu em Bares, eles fazem uma caçada ativa, na qual podem lutar com seus colegas pela presa. Mas não só lutam entre eles.

Seu único predador conhecido é o cachalote. No entanto, a lula gigante não se deixa prender e as cicatrizes encontradas ao redor da boca da baleia nos permitem intuir que existem verdadeiras lutas subaquáticas entre esses dois enormes seres.

Era um mito até agora, mas parece que temos evidências suficientes de que a lula gigante existe. No entanto, ainda não sabemos o suficiente sobre isso e ainda temos muitos anos de descobertas e pesquisas pela frente e, portanto, para conhecer bem esse colosso submarino.