Mastocitose, o câncer mais comum em cães

O mastocitoma é um câncer de pele muito comum em cães. Geralmente se apresenta como um nódulo na pele, por isso é importante que um veterinário o analise em caso de detecção.
Mastocitose, o câncer mais comum em cães

Última atualização: 19 Setembro, 2021

Dentre os tipos de tumores que podem acometer os cães, um dos mais comuns é o de pele. Dentre as possíveis neoplasias que costumam aparecer nas camadas protetoras do corpo, a mastocitose em cães é uma das mais frequentes.

Devido ao seu aspecto, esse tipo de tumor pode ser facilmente confundido com massas benignas de crescimento adiposo, também muito comuns em cães. Portanto, ter um veterinário para examinar qualquer caroço no corpo do cão é de vital importância para sua sobrevivência e bem-estar.

O que é a mastocitose em cães?

A mastocitose, mastocitoma ou tumor de mastócitos é um tipo de tumor de pele. Para ser mais exato, geralmente é definido como uma proliferação neoplásica maligna de mastócitos. É um dos cânceres de pele mais frequentes em cães, pois na verdade representa entre 16% e 21% dos tumores de pele nesses animais, segundo dados da Morris Animal Foundation.

Os mastócitos são um tipo de glóbulo branco localizado sob a pele, muito próximo aos vasos linfáticos e sanguíneos. Eles fazem parte do sistema imunológico e, em um quadro de normalidade fisiológica, desempenham muitas funções essenciais.

Sua ação no organismo é muito importante nas alergias, já que eles são responsáveis pela liberação de histamina, heparina e outros tipos de enzimas relacionadas às reações alérgicas e muito necessárias no combate a agentes infecciosos e parasitas. Infelizmente, essas células podem se tornar malignas por uma série de mutações genéticas.

 

Características da doença

A mastocitose em cães pode se manifestar de forma muito variável. Normalmente como caroços cutâneos ou subcutâneos cujo aspecto, em geral, lembra um acúmulo de gordura.

No entanto, o caroço pode ou não ser alopécico, mais ou menos redondo e, às vezes, apresentar inflamação ou coceira ao redor. É importante que um veterinário observe o quadro e analise para determinar do que exatamente se trata antes de seguir um caminho específico.

Além do exposto acima, às vezes essas massas se desenvolvem e acabam se tornando úlceras maiores. Dependendo do cão afetado, essas úlceras podem se desenvolver em um curto espaço de tempo ou lentamente.

Sintomas da doença

Além das características mencionadas, existem outros indícios que podem indicar que o cão tem um mastocitoma. Alguns desses sintomas são os seguintes:

  • Devido à liberação de histamina dos mastócitos, a evolução desse tumor no cão causa alguns desconfortos, principalmente urticária e coceira.
  • Isso pode provocar vômitos.
  • O cão pode manifestar falta de apetite.
  • Quando a gravidade aumenta devido à expansão das células tumorais, órgãos internos podem ser afetados, resultando em reações anafiláticas e úlceras digestivas.

É importante evitar que o cão morda, babe ou lamba os tumores se eles estiverem ao alcance. Para isso, o uso do colar elizabetano é o mais recomendado. Além disso, se a existência do câncer ainda não é conhecida com certeza, prestar atenção a esses comportamentos pode ser uma forma de ficar alerta sobre o problema do cão.

Raças mais afetadas

Embora a mastocitose em cães possa ocorrer em qualquer canino dessa espécie, existem certas raças que são mais predispostas a ela. Por exemplo, é comum em espécimes braquicéfalos ou de nariz arrebitado, como pugs, bulldogs e boston terriers.

Esse tipo de crescimento cancerígeno também é comum em outras raças, como o shar-pei, o labrador, o cocker spaniel, o golden retriever, o staffordshire terrier, o basset hound, o beagle, o weimaraner ou o schnauzer. O mastocitoma corresponde a 25% de todos os tumores de pele nesses animais.

Diagnóstico e tratamento da mastocitose em cães

Em caso de detecção de um nódulo, o veterinário procederá à análise após aspiração com agulha fina ou biópsia e observação da amostra coletada ao microscópio. Além dos já mencionados, outros testes diagnósticos podem ser realizados se a massa tiver se espalhado. Ou seja, um hemograma completo, exame de urina e painel bioquímico, ultrassom ou radiografias.

Confirmada a mastocitose canina, será estabelecido o tratamento mais recomendado para o caso. Isso vai depender do grau do tumor, da dificuldade de removê-lo ou de sua disseminação para outras partes. Por exemplo, quando o tumor é de baixo grau (não tem tendência à metástase), é normal intervir cirurgicamente para removê-lo. Isso é considerado desde que haja espaço para isso.

Se o tumor for mais desenvolvido, ou seja, de alto grau, pode facilmente se espalhar internamente. Isso significa que geralmente vira metástase e acaba afetando outros órgãos, como baço, gânglios linfáticos ou fígado. Portanto, será necessário proceder a outros tipos de tratamentos.

A abordagem usada para os tumores mais graves geralmente é a radioterapia local ou quimioterapia. No caso da radioterapia, também pode ser recomendada quando, após a cirurgia, percebe-se que a remoção completa das células cancerosas não foi garantida.

Quimioterapia contra a mastocitose em cães

Infelizmente, o câncer é tão agressivo que, quando é detectado altamente desenvolvido, a expectativa de vida do cão não ultrapassa um ano. Contudo, os profissionais sempre recomendam a quimioterapia como uma opção quando a repetição da cirurgia não é possível ou a radioterapia não pode ser administrada.

Como em humanos, a quimioterapia é um tratamento químico do câncer que tem como objetivo retardar seu processo, pois ataca células malignas que se proliferam de forma incontrolável. No entanto, ao contrário de nós, sintomas como vômito ou queda de cabelo não podem ser extrapolados para cães.

Apesar disso, em alguns casos, certas respostas podem ocorrer no animal. Falta de apetite, náuseas, diarreia ou diminuição das defesas podem ser alguns deles. Em qualquer caso, esses efeitos secundários só são graves ou perigosos em menos de 5% dos casos, segundo estatísticas da Faculdade de Medicina Veterinária da Universidade Complutense de Madrid.

Como indicam os especialistas, os protocolos de quimioterapia geralmente são realizados com tolerância muito boa. No entanto, é importante monitorar a toxicidade existente por meio de um hemograma antes de cada uma das sessões.

 

Um cão com mastocitose.

Prognóstico e recuperação do cão com mastocitoma

O tratamento quimioterápico pode aumentar a chance de o cão viver um pouco mais. Contudo, infelizmente, é uma abordagem de alto risco quando o animal está um pouco fraco, pois não são apenas as células cancerosas que são danificadas.

Por isso, o diagnóstico e o tratamento precoces podem melhorar o prognóstico. Por esse motivo, é sempre melhor verificar a pele do cão com frequência. Mais atenção pode ser dada ao corpo do animal durante as sessões de escovação, banho ou mesmo quando acariciado para detectar precocemente qualquer anormalidade e consultar o veterinário.

Pode interessar a você...
Câncer de estômago em cães: o que fazer se detectado?
Meus Animais
Leia em Meus Animais
Câncer de estômago em cães: o que fazer se detectado?

Os sintomas do câncer de estômago em cães podem ser confundidos com os distúrbios gerados pela gastrite crônica. Leia mais sobre essa doença.



  • Mastocitoma canino. Cuando la cirugía no alcanza. Recogido el 4 de agosto en https://vetoncologia.com/wp-content/uploads/2016/10/VetOncologia-Mastocitoma-Canino-Cuando-la-cirugia-no-alcanza.pdf
  • Rioseco, H., Cubillos, V., Martín, R., & Thibault, J. (1976). Mastocitoma en perros. Arch. Med. Vet, 9(1), 58-61.
  • Ríos, A. (2008). Mastocitoma canino y felino. Clínica veterinaria de pequeños animales, 28(2), 135-142.
  • Soto Arroyo, P. R. (2007). Mastocitoma en caninos, su presentación clínica, diagnóstico y tratamiento.
  • Clemente-Vicario, P., & Naranjo-Freixa, C. Factores clínicos y patológicos importantes en el pronóstico del mastocitoma canino.