No Japão, o gato trabalha

Os animais são uma grande companhia e muitas vezes são usados para executar diferentes trabalhos. Até hoje, os felinos tinham sido poupados de trabalhar. No entanto, a partir de agora, no Japão, os gatos trabalham. Neste artigo, contamos como esses bichos de estimação ganham salário nesse país asiático.

Como o gato trabalha no Japão

Cada vez mais empresas japonesas oferecem trabalho aos gatos, devido aos benefícios que eles trazem para os seus funcionários. De acordo com pesquisas e a experiência, os felinos reduzem o estresse e a ansiedade no escritório.

Não se trata de um projeto ou iniciativa chamada “leve seu bicho de estimação ao trabalho”, mas sim de os empresários contratarem gatos para que trabalhem para combater o estresse no ambiente de trabalho. Com a companhia dos gatos, os funcionários do escritório fazem a “terapia do ronronar”.

Os terapeutas de quatro-patas trazem calma, energia, paz e diversão para os funcionários da empresa. Eles conseguem fazer com que os funcionários se sintam mais relaxados e, inclusive, mais produtivos. Em um país tão exigente no trabalho como é o Japão, onde as jornadas laborais são muito longas e a hierarquia é rígida, muitos empregados sofrem as consequências do estresse e da pressão extremos.

Os especialistas indicam que essa ideia traz muitos benefícios, desde que os gatos tenham uma personalidade bastante dócil e se deem bem com as pessoas.

Embora algumas empresas estimulem seus funcionários a levar seus próprios bichos de estimação para o escritório, isso não é tão vantajoso. Isso porque os felinos são animais que gostam muito de demarcar seu território e são sensíveis a mudanças de ambiente, e também se incomodam ao ficar no meio de pessoas desconhecidas.

Fonte: lavozdelmuro.net

No entanto, se os felinos se habituarem a viver no escritório desde pequenos e a compartilhar o espaço com muitas pessoas (e com outros animais de sua mesma espécie), essa iniciativa pode acabar sendo uma boa ideia.

O melhor de tudo é que, nesses casos, o animal não vai sofrer, pelo contrário, ele vai viver bem com a sua “família”. É preciso escolher espécimes de gato que sejam sociáveis, emocionalmente equilibrados, que sejam independentes, que não se assustem, que se adaptem a tudo, que não tenham problema em ficar sozinhos à noite ou nos finais de semana e que saúdem as pessoas de manhã.

Por que os gatos são a melhor opção no trabalho?

Os felinos têm características que nenhuma outra raça possui. Por exemplo, estão envoltos por uma energia especial, são tranquilos e nos trazem muita paz. Os bichanos são especialistas em purificar os ambientes dos “maus espíritos” ou de “cargas energéticas negativas”… Por isso, eles são um elemento ideal para as empresas. Além disso, os gatos são muito sensíveis e podem perceber quando algo não vai bem com alguma pessoa.

Por tudo isso, se tornaram os melhores terapeutas. Já que com a sua presença ajudam as pessoas solitárias, doentes, deprimidas, e também as estressadas. Já que no Japão as pessoas adoram gatos, não é difícil compreender o porquê deles terem escolhido esse animal para ajudá-los no trabalho.

Ferray, a empresa pioneira em empregar gatos no trabalho

Uma das primeiras empresas a apostar na “ronroterapia” foi a Ferray, empresa especializada na área de Informática. Os resultados, segundo afirmam os executivos, foram mais do que satisfatórios. O nível de ansiedade e de estresse dos empregados foram reduzidos notavelmente. 

Fonte: bucket1.glanacion.com

O diretor da empresa, Hidenobu Fukuda, introduziu essa política de “gatos no escritório” faz alguns anos. A empresa, além disso, oferece dinheiro a quem adotar um felino e levá-lo para casa.

Dar e receber carinho físico é muito importante para os seres humanos. Isso faz com que nós relaxemos e permite que nos “desconectemos”, além de eliminar as preocupações. Por sua vez, através do ronronar do gato, nos sentimos mais equilibrados (devido às vibrações que ele produz).

A boa notícia é que os felinos também se beneficiam dessa relação. Ao ronronar, liberam endorfinas, conhecidas como os hormônios do bem-estar.

Fonte das imagens: www.duna.cl, lavozdelmuro.net e bucket1.glanacion.com