O cemitério de pinguins na Antártida

· novembro 26, 2018
Esses espécimes mumificados pereceram, segundo pesquisas, como resultado dos efeitos da mudança climática.

Existe um enorme cemitério de pinguins e está localizado na Antártida. O cemitério foi descoberto em janeiro de 2016 por um grupo de exploradores ligados à Universidade de Ciência e Tecnologia da China.

Os cadáveres foram encontrados em excelente estado na península de Long, no leste da Antártida.

Os restos mumificados da maioria dos pinguins ainda preservam a pele e boa parte da plumagem.

Os corpos dessas centenas de pinguins mumificados na Antártida confundiram muitos cientistas.

No entanto, este cemitério de pinguins não é um sinal de uma doença que exterminou esses animais em tempos remotos.

Também não representa os restos mortais de um massacre de pinguins perpetrados por um predador faminto.

Segundo a equipe do Dr. Liluang Sun, líder da pesquisa, é provável que a causa da morte tenha sido a mudança climática.

Duas terríveis estações chuvosas teriam matado milhares de pinguins e transformado-os em fósseis mumificados, devido ao frio congelante.

Os pinguins Adelaide

Em geral, os pinguins são animais acostumados a climas gelados e inóspitos. Essa é a razão pela qual eles habitam a Antártica sem nenhum problema.

No entanto, durante os últimos mil anos, o clima vem mudando rapidamente em todo o mundo. Essas mudanças alteram abruptamente zonas climáticas anteriormente estáveis.

Para os pinguins, a mudança climática é uma realidade muito perigosa, porque eles estão acostumados ao frio congelante, que também é muito seco. Por esse motivo, as mudanças podem afetar seriamente a população.

pinguins

O Departamento de Ciências da Terra, no qual o Dr. Sun trabalha, realizou várias investigações.

Elas afirmam que, nos últimos mil anos, a Antártida sofreu pelo menos duas vezes temporadas extremamente chuvosas e com neve.

A maioria dos corpos mumificados encontrados são de filhotes de pinguins. Essas pequenas criaturas não possuem a plumagem à prova d’água dos pinguins adultos.

Por esse motivo, eles são mais suscetíveis à chuva e à neve. Se um filhote de pinguim ficar molhado, o vento congelante fará com que ele sofra de hipotermia.

A equipe de pesquisa do Dr. Sun acredita que a hipotermia foi a causa mais provável de morte neste cemitério de pinguins.

Um cemitério de pinguins

É comum encontrar restos de pinguins Adelaide na Antártida, incluindo penas e ossos. Afinal, é o habitat principal deste tipo de pinguim.

No entanto, é muito incomum encontrar uma quantidade tão imensa de restos de espécies Adelaide no mesmo local e que datam do mesmo período.

Esse tipo de descoberta só pode indicar a morte em massa e simultânea dos descendentes desses pinguins.

O processo de datação por radiocarbono revelou que os pinguins morreram em duas estações claramente distintas.

A primeira foi há 750 anos. A segunda aconteceu há cerca de 200 anos. Depois de investigar o sedimento em torno dos restos mumificados, os pesquisadores descobriram que os pinguins sobreviventes afastaram suas colônias do local do massacre.

Entender o comportamento dos pinguins no passado pode ajudar a prever seu comportamento em situações de crise no futuro.

Os pesquisadores usam esse conhecimento para tentar desenvolver estratégias para a prevenção e proteção da vida selvagem. Os principais pesquisadores de pinguins Adelaide são equipes da China e da Austrália.

pinguim solitário
Fonte: http://www.pinguinopedia.com/

Um mundo em aquecimento

Os estudos avançados nos permitem entender que os pinguins precisam de climas secos e frios para sobreviver.

Diante da realidade do aquecimento global, o futuro não é visto com muito otimismo para os pinguins Adelaide.

“Em geral, acredita-se que o atual aquecimento global continuará e ficará pior. Enquanto essas mudanças aquecem o planeta, a Antártica verá cada vez mais neve e chuva. Isso aumentará o risco de mortes em massa entre a população de pinguins”, disse o Dr. LiLuang Sun.

Os pinguins Adelaide são nativos da Antártica, seu único habitat. Eles atualmente utilizam cerca de 250 áreas de reprodução, de acordo com os pesquisadores. Isso significa que eles não estão em perigo de extinção iminente.

A União Internacional para a Conservação da Natureza, ou IUCN, na sua sigla em inglês, acredita que o pinguim Adelaide é uma das espécies de menor risco.

Isso significa que eles não estão atualmente em perigo iminente de extinção. No entanto, as mudanças climáticas súbitas são uma ameaça real à sobrevivência dos pinguins Adelaide.

Entre 2013 e 2014, todos os filhotes nascidos nessa estação de acasalamento morreram. Essas mortes foram causadas por chuvas incessantes e constantes nevascas.

Os filhotes de pinguim Adelaide não conseguem sobreviver à hipotermiaO número total desta espécie diminuirá se as chuvas continuarem nos próximos anos, então o cemitério dos pinguins se tornará mais numeroso.

Dr. Sun convocou toda a humanidade a trabalhar em conjunto para deter o aquecimento global. A vida dos pinguins-de-adelaide depende disso.