O estorninho e seu ‘sol negro’

· janeiro 26, 2019
Esses pássaros formam grupos com tantos espécimes que são capazes de cobrir o céu completamente; também defecam em tal quantidade que as fezes podem ser tóxicas para algumas plantas e árvores. 

O estorninho-comum ou europeu é uma ave de tamanho médio, com plumagem negra, cujo bico muda de cor de acordo com a época do ano. Mas essa não é a única coisa curiosa sobre a espécie, já que ela tem a capacidade de imitar sons e formar grupos tão numerosos que eles cobrem completamente o céu, um fenômeno conhecido como “sol negro”.

Características do estorninho

O estorninho é um pássaro que mede cerca de 23 centímetros e pesa cerca de 100 gramas. Suas penas são quase completamente negras.

Mas, dependendo da época do ano ou da idade do pássaro, eles podem apresentar manchas ou tons de branco, roxo ou verde.

As patas são rosadas ou avermelhadas, e o bico é estreito com a ponta afiada: marrom no inverno e amarelo no verão.

A única maneira de diferenciar os sexos é porque o macho tem um bico mais acinzentado do que a fêmea.

É considerado um pássaro barulhento, já que seu canto é composto de diferentes tons e sons. Embora ambos cantem, os machos são mais ‘plagiadores’ e podem copiar cantos ou sons que ouvem ao seu redor.

Eles ficam mais “tagarelas” na época de reprodução e diminuem o barulho após o acasalamento. À medida em que cresce, o estorninho ganha um ‘repertório musical’ mais extenso e pode, assim, atrair uma parceira com mais facilidade.

As fêmeas geralmente escolhem espécimes cujos cantos são complexos, pois isso é sinônimo de experiência e maturidade. Esses cantos mais difíceis servem para defender o território da invasão de machos mais jovens.

grupo de estorninhos

Em termos de alimentação, o estorninho tem uma dieta razoavelmente ampla. É principalmente insetívoro e prefere aranhas, mariposas, libélulas, formigas, moscas, besouros e gafanhotos.

Às vezes, ele pode comer vermes, caracóis e até mesmo sapos. Se esses animais não estiverem disponíveis, poderá consumir alguns grãos, sementes ou frutas.

Em todo caso, alimenta-se perto do solo, entre a grama curta. Portanto, é comum ver um grupo de estorninhos nas proximidades de animais pastando.

Eles se aproveitam de seu agrupamento em bandos para obter comida: descem à terra ao encontrar um bom lugar para comer e, depois de satisfazerem seu apetite, levantam voo novamente.

O estorninho e o fenômeno do sol negro

Esta ave é muito gregária, o que significa que geralmente vai de um lugar para outro sempre em grupos, especialmente no outono e inverno, fora da época de reprodução.

Embora o número de indivíduos que compõem cada grupo seja variável, alguns têm milhares de indivíduos.

Uma das teorias em relação à esse agrupamento tão numeroso tem a ver com um sistema de defesa contra as aves de rapina, como o gavião e o falcão-peregrino, seus principais predadores.

sol-negro dos estorninhos

Enquanto voam, os estorninhos fazem uma formação esférica que se expande e contrai com frequência. Eles não têm um ou mais líderes, mas a velocidade, os movimentos e a direção são fatores determinados por todos.

Um dos principais problemas causados ​​pelo estorninho quando se reúne em bandos é a quantidade de excremento que produzem.

Em áreas conhecidas como ‘poleiros’, podem acumular até meio metro de resíduos. Essa concentração é tóxica e mortal para certas árvores e plantas. Embora em menor quantidade, pode vir a servir como fertilizante natural.

Habitat

Toda primavera (de março a abril) é possível ver grupos de mais de um milhão de pássaros estorninhos no sudoeste da Jutlândia, na Dinamarca, antes do pôr do sol.

Eles se aninham no norte da Escandinávia e começam a migração para áreas de acasalamento.

O comportamento no melhor estilo ‘enxame’ cria formas muito complexas e escuras no céu. Esse fenômeno é conhecido como ‘sol negro’; porque o céu é tingido dessa cor pelo número de pássaros que o atravessam.

Se você quiser desfrutar de um espetáculo natural único, como o “sort sol” (em dinamarquês), terá que viajar para a área de pântano das cidades de Ribe e Tonder.

Em algumas áreas do Reino Unido, um fenômeno semelhante também ocorre, embora menor, porque “apenas” inclui 50 mil estorninhos, e é chamado de “sussurros”, pelo som que produzem.