O que é um mangusto?

· dezembro 9, 2018
Este mamífero pode formar colônias de 10 a 15 indivíduos, que colaboram entre si ao distribuir tarefas para favorecer a sobrevivência de sua comunidade.

Nós usamos o termo mangusto para nomear várias espécies de mamíferos pertencentes à família Herpestidae. A espécie mais famosa é certamente o suricato, que teve enorme sucesso entre as crianças devido à sua presença em desenhos animados. Mas quais são as características desses animais curiosos?

Mangusto: características físicas e taxonomia

Atualmente, são conhecidas 33 espécies de mangustos que compõem a família Herpestidae. Esses pequenos mamíferos têm um corpo fino e alongado, que geralmente mede entre 30 cm e 1,2 metro, dependendo da espécie.

Seu peso corporal pode variar de 300 gramas a 4 quilos, também de acordo com a morfologia de cada animal.

O pelo também depende fundamentalmente das espécies de cada indivíduo. Alguns mangustos têm pelos abundantes e grossos, enquanto outros apresentam um pelo fino e escasso.

As cores geralmente variam de acinzentadas a castanhas, e muitos espécimes exibem uma aparência tigrada, devido às faixas escuras de sua pele.

Todas as espécies apresentam certas semelhanças físicas, como o focinho e o par de pequenas orelhas arredondadas.

As pernas do mangusto são curtas e contêm garras poderosas e afiadas, que o permitem cavar com muita facilidade.

Além disso, a cabeça e o corpo parecem formar uma única peça, graças às suas linhas finas com contornos suaves.

suricatos

Os mangustos têm um conjunto de receptores que liberam uma substância que inibe os efeitos tóxicos do veneno das víboras.

Isso permite que eles sejam muito bons caçadores de cobras venenosas, o que é uma excelente habilidade dessas espécies.

Outra característica peculiar do mangusto é sua importante glândula anal, que libera uma substância com um forte aroma.

O animal libera esse odor para marcar território e, também, para atrair atenção durante o período de reprodução.

Habitat do mangusto

Os mangustos originalmente habitam toda a Península Ibérica, sul da Europa, Ásia e sul da África.

Eles estão geralmente concentrados em florestas e pastagens, mas também podem ser encontrados em terrenos rochosos.

No século 19, mangustos foram introduzidos no Havaí, nas Antilhas e nas Bahamas para combater roedores que prejudicavam as plantações de cana-de-açúcar.

No entanto, o rápido crescimento de sua população causou um desequilíbrio na fauna local e ameaçou a sobrevivência de muitas espécies nativas dessas ilhas.

Alimentação do mangusto

Os mangustos são mamíferos carnívoros cuja dieta inclui insetos, roedores, lagartos, cobras, pássaros, vermes e rãs.

Em certas ocasiões, eles também podem consumir carniça e ovos de outros animais para garantir o aporte de proteínas.

Para complementar sua nutrição, eles geralmente comem sementes, nozes e algumas frutas.

Na natureza, os mangustos geralmente caçam qualquer animal que seja menor que eles, independentemente de sua espécie.

Embora se destaquem por sua habilidade de caçar cobras venenosas, eles não costumam consumi-las se outros alimentos estiverem disponíveis.

suricato

Infelizmente, essa habilidade do mangusto é frequentemente usada, em alguns países, para fins de entretenimento humano.

Nos mercados asiáticos, por exemplo, é comum ver lutas organizadas entre mangustos e cobras. É um espetáculo infeliz que coloca em risco todas as espécies envolvidas.

Hábitos dos mangustos

O mangusto é um animal ativo durante boa parte do dia, desde o nascer do sol até a noite. Quase todas as espécies são sociáveis, vivem em tocas e formam colônias de 10 a 15 indivíduos.

Há também os mangustos com hábitos solitários, que se unem apenas para acasalar.

Nas colônias, cada mangusto coopera executando certas funções para permitir a sobrevivência da coletividade. Em geral, indivíduos mais jovens são responsáveis ​​pela proteção de filhotes e idosos conjuntamente.

Reprodução do mangusto

Com a chegada da primavera, os mangustos preparam-se para o período de acasalamento. Para atrair os machos, as fêmeas emitem um som muito característico que lembra uma risada.

Eles geralmente têm uma ninhada por ano, mas podem acasalar novamente se seus filhotes não sobreviverem.

Cada fêmea pode dar à luz de três a cinco filhotes por ninhada, que ela amamentará por seis semanas.

Terminado o desmame, os jovens devem aprender a caçar com a orientação de suas mães.

Os machos geralmente deixam o ninho quando os filhotes completam seus dois primeiros meses de vida. Mas os jovens podem viver com suas mães a vida toda, na mesma toca.