O que faz um voluntário em uma associação protetora de animais?

· setembro 8, 2018
Cumprir uma função altruísta para ajudar os animais que sofrem maus-tratos ou abandono. Essa figura é necessária devido aos recursos escassos que os abrigos têm em relação ao trabalho e a capacidade de acolhida que oferecem.

As associações protetoras de animais são instituições imprescindíveis em nossas sociedade. São responsáveis por cuidar, proteger e defender os animais abandonados ou maltratados. Essas associações funcionam graças à participação altruísta das pessoas. Para saber mais sobre isso, vamos lhe falar sobre o que faz um voluntário em uma protetora de animais.

Atividades dos voluntários

Os voluntários são pessoas que doam seu tempo e seu esforço, ou seja, não ganham uma remuneração por seu trabalho. São pessoas que usam seu tempo livre para desempenhar um trabalho em troca da satisfação de ajudar.

Não são só as associações protetoras de animais que têm voluntários. Há muitas outras causas sociais que funcionam graças a eles. Qualquer um pode ser voluntário na causa que mais gostar, e geralmente não se pedem conhecimentos específicos para entrar e trabalhar nos programas.

Podemos resumir dizendo que, para ser voluntário em uma protetora de animais, só é preciso ter tempo livre, compromisso e vontade de trabalhar. Todos concordam que a compensação recebida não é econômica, e sim emocional e com base em experiências.

Trabalhos de limpeza

A limpeza dos abrigos pode parecer um trabalho pesado, mas é imprescindível para o bem-estar dos animais que vivem neles. Os recintos dos animais, não somente dos cães, devem ser limpos diariamente para garantir a higiene e a saúde de seus habitantes.

Voluntário trabalhando em abrigo de animais

Muitos dos voluntários que ajudam os abrigos fazem principalmente trabalhos de limpeza: varrer baias, fazer a cama, retirar as cobertas e os brinquedos estragados e limpar o chão. Também é necessário limpar os potes de comida depois de ter dado as rações do dia e trocar a água.

Passeios dos cães

Depois de limpar, é hora de sair para passear. A vida dentro dos abrigos é monótona para os cães e eles gostam de aproveitar um pouco lá fora, para ver lugares novos e seguir cheiros novos.

A regularidade dos passeios muda muito de uma protetora para outra. Algumas fazem passeios todos os dias e outras organizam passeios com mais cães uma vez por semana. Se você quer sair para passear com cães, deve entrar em contato com as protetoras de sua região e perguntar como elas fazem.

Além disso, dependendo de onde esteja o abrigo, haverá um passeio diferente. Os que estão em entornos urbanos e os que estão em áreas rurais fazem passeios muito distintos.

passear com cães de abrigos

Em qualquer caso, tenha em conta que o passeio é um momento delicado para os cães abandonados. Nem todos sabem passear com coleira e alguns não se dão bem com outros cães. Escute e ponha em prática os conselhos dos voluntários mais experientes para fazer bons passeios.

Lares temporários

Os lares temporários (LTs) são um pilar fundamental no funcionamento de uma associação protetora de animais. São voluntários que aceitam um animal em suas casas por um tempo limitado, quando esse precisa de um lugar para ficar por determinado período.

Os LTs são de voluntários que trabalham em seu lar, cuidando desse animal, e não precisam ir até o abrigo. Quando seu acolhido encontra uma família para adotá-lo, voluntário e animal se despedem. Isso pode acontecer novamente com outro animal ou não: a decisão é sua.

Arrecadação de fundos

Os voluntários que passam tempo com os animais são necessários, mas também são importantes os que buscam doações, parcerias e outras formas de bancar os abrigos. Há um tipo de voluntário em uma protetora de animais que se dedica exclusivamente a arrecadar fundos para poder pagar contas e comida.

casas de acolhida de cães

Há protetoras que são associações e é preciso captar sócios para poder continuar funcionando. Outras fazem feiras e vendem produtos artesanais. Outras, por sua vez, utilizam patrocínios para poder pagar pelos gastos veterinários.

Os donos de empresas também podem ajudar. Com vaquinhas, jantares solidários ou até com sorteio de produtos atrativos. Novamente, se você quer ser um voluntário em uma protetora de animais e colaborar, entre em contato com um abrigo de sua região e você saberá o que fazer.

Um lugar para cada um

No entanto, isso não é tudo. Precisa-se de muito mais ajuda de todas as pessoas que puderem auxiliar. E o trabalho de um voluntário em uma protetora de animais é muito mais do que passear com cães ou arrecadar fundos: as habilidades de cada um são necessárias.

Por exemplo, nos abrigos, precisa-se de eletricistas para fazer a manutenção da rede elétrica, de redatores que ajudem na divulgação dos animais em redes sociais, advogados que façam as denúncias de maus-tratos… Essas entidades de proteção têm trabalho para todo tipo de pessoas e habilidades.

As protetoras de animais se sustentam com trabalho voluntário de muitas pessoas. As associações não funcionam da mesma maneira, e há trabalho para todo mundo que queira colaborar. Há muitas formas diferentes de voluntariado.