Os europeus acabaram com os primeiros cães da América

janeiro 5, 2019
Os conquistadores que vieram para o continente americano no século 15 trouxeram consigo exemplares caninos que podem ter contaminado os cães americanos com doenças infecciosas, às quais eles poderiam ser mais suscetíveis.

O material genético dos primeiros cães da América revelou que esses animais vieram de ancestrais da Sibéria, que chegaram no continente há 11 mil anos.

Este estudo também revelou que desapareceram repentinamente, no século 15. Parece que a origem do cão doméstico foi reescrita repetidas vezes, mas ainda assim nos traz cada vez uma história empolgante.

Onde estão os primeiros cães da América?

Os primeiros cães da América do Norte se espalharam por todo o continente, enquanto compartilhavam a terra, há milhares de anos, com os nativos americanos. Isso até que os conquistadores europeus chegassem, no século 15.

Os animais domésticos são afetados pela história humana e, assim como os colonos sofreram com a chegada de invasores europeus, estes também afetaram os animais domésticos.

Embora as razões exatas para esse desaparecimento sejam desconhecidas, existem várias hipóteses. Tal como acontece com os colonos, é possível que os cães europeus tivessem doenças infecciosas, às quais os primeiros cães americanos eram muito mais suscetíveis.

Por outro lado, pode ter acontecido que as comunidades locais simplesmente não quisessem mais ter cães, o que levou ao seu desaparecimento.

O que está claro é que atualmente quase não existem restos desses animais, e todas as raças americanas descendem de raças europeias do século 15.

Basenji

A origem dos primeiros cães da América

A origem destes cães primeiros da América era um mistério. Mas a equipe da Universidade de Oxford estudou o material genético de restos arqueológicos e descobriu que os antigos cães americanos não parecem descender dos lobos, mas sim de um ancestral comum siberiano, de 11.000 anos atrás

Isso coincide com as primeiras migrações entre a América e a Ásia, que trouxeram esses cães consigo. Atualmente, o traço na genética desses cães praticamente desapareceu, embora pareça haver um legado desses canídeos extintos: tumores contagiosos.

É um câncer genital muito comum em cães, e que atualmente ocorre em todo o mundo. Isso tornou esse câncer, que se espalha como um vírus, o único vestígio dos ancestrais desses primeiros cães da América do Norte.

Isso leva muitos a pensar sobre o papel do cão nas primeiras migrações humanas, através do Estreito de Bering, e se devemos a este animal nossa atual expansão em todo o planeta.

Alguns acreditam que poderia haver outros vestígios desses primeiros cães americanos, como os cães sem pelos, por exemplo.

raças de cães sul-americanos

Cães da América do Sul, mesma origem?

No entanto, há muitos que argumentam que as raças americanas são mais antigas do que esses estudos afirmam. Por exemplo, há vestígios na civilização asteca de cães semelhantes aos chihuahuas, uma raça mexicana que pode ter se originado antes da invasão do continente americano.

Raças andinas ou os famosos cães sem pelos são outras raças que os países da América do Sul e Central afirmam serem anteriores à invasão europeia. No entanto, parece que raças como a Labrador teriam surgido na Europa.

Uma das primeiras raças a chegar ao continente americano durante a conquista da América foi a Alano espanhol, uma raça de extrema força que até foi usada para abater touros em touradas.