Os parasitas intestinais em filhotes

· janeiro 7, 2018

Os parasitas intestinais em filhotes são muito frequentes. Sobretudo, durante a primeira fase de vida de um animal.

Desenvolvendo o metabolismo

Os filhotes se encontram em plena fase de desenvolvimento. A atividade celular de seu organismo é muito ativa, já que os músculos, órgãos e ossos estão sendo fortalecidos para a idade adulta. Seu sistema imunológico também se encontra em um momento crucial, pois está criando toda a base de defesa do organismo.

Este intenso metabolismo requer uma nutrição reforçada, principalmente com proteínas e gorduras saudáveis. Por isso, deve-se optar por um alimento balanceado específico para filhotes. A proporção nutricional é diferente da do alimento para adultos.

Esta etapa de desenvolvimento significa que há muita disponibilidade de nutrientes circulando no sangue do animal. É o caso de vitaminas, minerais, proteínas, carboidratos e gorduras. Isso faz com que os filhotes sejam ainda mais atraentes para os parasitas que os animais mais velhos.

Filhotes de cachorro

Maior vulnerabilidade aos parasitas intestinais em filhotes

O organismo de um filhote é mais vulnerável e mais fácil de ser parasitado. Por um lado, suas defesas ainda não estão totalmente preparadas para enfrentar os numerosos microrganismos do ambiente externo. Além disso, é um corpo pequeno, com órgãos de tamanho reduzido, que podem ser mais facilmente invadidos e intoxicados.

Por isso, é importante saber como fazer a desparasitação interna periodicamente. E também saber como e quando aplicar os produtos antiparasitários. Tudo isso com a finalidade de conseguir um resultado eficiente sem colocar em risco a saúde de nosso animal de estimação.

Quais são os principais parasitas intestinais em filhotes e como reconhecer os sintomas?

Os parasitas internos em filhotes se dividem em dois grandes grupos: os vermes planos e os vermes redondos.

Vermes redondos

Existem em maior quantidade e afetam mais comumente a cães, gatos e humanos. Mas também podem parasitar mamíferos selvagens, répteis, aves e roedores.

O nome se deve ao formato de seu corpo. Ao contrário das tênias e vermes planos, seu corpo é roliço, e costumam ser menores que os planos.

Apesar de seu diminuto porte, têm a capacidade de se reproduzir muito rapidamente. Podem migrar por todo o corpo através da corrente sanguínea. Desta forma, podem afetar diversos órgãos e causar danos mais severos ao organismo.

O representante mais conhecido dos vermes redondos são as lombrigas intestinais, cujo nome técnico é Áscaris.  Estes parasitas internos se alojam ao longo da mucosa do intestino delgado do animal infectado. E começam a absorver os nutrientes produzidos ao longo do processo digestivo.

No início, esta relação parasitária provoca uma inflamação intestinal, cuja primeira consequência é a diarreia crônica. Posteriormente, o animal começa a sofrer uma crescente deficiência nutricional. Os principais sintomas são emagrecimento severo e repentino, falta de apetite e fadiga, além de alterações na textura e perda da pelagem.

No entanto, é outro parasita interno chamado Toxocara que representa um maior risco para a saúde de gatos adultos e filhotes (especialmente os com menos de 6 meses). A doença mais conhecida é a Toxoplasmose.

Devido a seu alto risco de transmissão para os seres humanos, particularmente para as crianças, a toxocariose (fenômeno de contágio do ser humano através dos animais) é considerada uma zoonose de alto risco para a saúde pública.

Vermes planos ou tênias

Possuem corpo plano e achatado como uma fita, costumam ser mais extensos do que os vermes redondos. Há tênias com mais de 6 metros de extensão, ocupando quase a totalidade do intestino humano.

Filhote de cachorro no colo

Ao contrário das lombrigas, as tênias precisam de um hospedeiro intermediário para que suas larvas possam se desenvolver e, então, penetrar no corpo dos gatos, dos cães e dos humanos.

Os organismos hospedeiros mais comuns costumam ser as pulgas e os carrapatos. Assim, há a necessidade de um duplo tratamento que consiste em desparasitação interna e externa.

Há doenças de contaminação em massa por vermes planos, como a doença chamada Echinoccocus. Esta doença pode ser transmitida aos humanos e seu prognóstico pode ser grave. Na Espanha, são muitos os casos diagnosticados. E várias comunidades autônomas têm promovido suas próprias campanhas de erradicação.

Os parasitas intestinais em filhotes representam um risco à saúde de seu animal de estimação e dos demais seres ao seu redor. Por isso, é indispensável levá-lo periodicamente ao veterinário e manter os tratamentos e vacinas em dia.

Fonte da imagem principal: Hugo A. Quintero G.