Papilomas em cães: causas, sintomas e tratamentos

Os papilomas em cães são formações na pele ou nos tecidos mucosos que se parecem com pequenos tumores. Embora não sejam graves, eles requerem avaliação veterinária.
Papilomas em cães: causas, sintomas e tratamentos

Última atualização: 16 Agosto, 2021

Os papilomavírus (Papillomaviridae) são um grupo de agentes virais patogênicos que infectam vertebrados. Mais de 100 tipos diferentes foram isolados apenas em humanos, alguns deles de natureza anedótica, mas outros causadores de câncer cervical em mulheres (HPV-16 e HPV-18). Além da nossa espécie, você sabia que os cães também podem pegar papilomas devido a essa infecção?

De fato, os papilomas em cães são tumores benignos causados pelo papilomavírus, embora aqueles que os infectam não sejam os mesmos que causam sintomas em humanos. As diferentes espécies de vírus nesse grupo são muito específicas em termos de mecanismo de replicação, portanto, geralmente não “saltam” entre as espécies.

O que são os papilomas em cães?

A palavra papiloma pode soar um pouco técnica, mas se usarmos o termo “verruga”, você certamente saberá do que estamos falando automaticamente. Os papilomas, em cães e qualquer outro animal, são tumores benignos causados pelos papilomavírus, nesse caso especializados em infectar células caninas.

A mucosa oral e os cantos dos lábios são os locais mais comuns de surgimento dos papilomas, mas eles também podem aparecer na pele e até mesmo nos órgãos genitais, principalmente se a transmissão tiver sido por contato sexual com um animal infectado. A natureza do vírus costuma condicionar o local em que a infecção vai ocorrer.

Características do vírus

Os papilomavírus (PV) são agentes patógenos de DNA com cerca de 8000 pares de bases integradas em seu genoma, que, por sua vez, é coberto por um capsídeo icosaédrico não envelopado acessório. Como esses vírus carecem de organelas e estruturas celulares, eles precisam “sequestrar” as células do hospedeiro e se integrar a elas para se multiplicar e se espalhar entre os indivíduos.

O alvo dos PV são as células epiteliais, embora apenas aquelas com potencial proliferativo sejam invadidas, pois esse é um requisito para que a infecção seja persistente. É importante notar que, uma vez que os vírus entram no corpo do cão, é estabelecida uma fase assintomática que dura pelo menos 4 semanas.

Tipos de papilomavírus canino

Como já dissemos, nos seres humanos existem mais de 100 tipos de papilomavírus, provavelmente porque os casos em nossa espécie tenham sido os mais estudados. Embora mais da metade dos PVs descritos venham de infecções em Homo sapiens, podemos destacar as seguintes variantes em cães:

  • CPV1: geralmente causa infecções assintomáticas, embora também seja a causa de lesões internalizadas ou mais externas, endofíticas e exofíticas, respectivamente.
  • CPV2 – Causa lesões endofíticas e exofíticas, mas também é responsável pelo surgimento de carcinomas invasivos das células escamosas.
  • Tipos CPV3, CPV4, CPV5: esses 3 tipos causam o surgimento de placas pigmentárias.
  • CPV6: causa papilomas endofíticos.
  • CPV7: causa papilomas exofíticos.

 

Um vírus do papiloma em 3D.

Sintomas dos papilomas em cães

Conforme indicado pelo site VCA Hospitais, os papilomas em cães podem ocorrer em diferentes áreas. Em filhotes e cães jovens, formam-se aglomerados na mucosa oral e no canto dos lábios. Por outro lado, em cães de todas as idades, podem se manifestar como verrugas solitárias em qualquer parte da pele.

Alguns tipos mais específicos de PVs podem aparecer na área genital em grupos, enquanto outros aparecem nas pálpebras ou na borda do canal lacrimal. No entanto, todos eles têm uma coisa em comum: causam pólipos secos (verrugas), placas escamosas ou estruturas duras que crescem “para dentro”.

Dependendo do tamanho e da localização dos papilomas, eles podem ser totalmente inofensivos ou causar alguns sintomas. Dentre os possíveis sinais clínicos, destacamos os seguintes:

  • Dificuldade para comer: ocorre nos casos em que muitos papilomas se formam no palato, orofaringe ou canto dos lábios.
  • Sangramento: o cão pode coçar um papiloma na pele e causar sangramento. Às vezes, os filhotes mordem as massas que crescem em suas bocas quando comem, provocando sangramentos.
  • Dor: os papilomas que crescem “para dentro” podem ser dolorosos, especialmente se aparecerem na planta de uma pata. Nesse caso, o cão vai mancar e lamber a área.

Algumas infecções são totalmente assintomáticas. Tudo depende do tipo de papilomavírus e do estado de saúde do animal.

Como um cachorro se contamina?

Como dissemos em linhas anteriores, os papilomas em cães aparecem por contágio com algumas das variantes do papilomavírus canino. Em qualquer caso, a via de entrada pode ser muito diferente, dependendo do patógeno e do estado geral de saúde do animal.

Esses vírus são muito resistentes e podem sobreviver no ambiente fora de seu hospedeiro. Por essa razão, o cão se contamina quando entra em contato direto com outro cão infectado, mas também ao brincar com objetos infectados ou compartilhar certos elementos de cuidado com outros animais.

Os papilomavírus geralmente entram pelas feridas do animal, então pulgas ou carrapatos podem ajudá-los.

Diagnóstico dos papilomas em cães

Os papilomas são muito semelhantes entre si, mas às vezes podem ser confundidos com tumores sebáceos e outras doenças epidérmicas. Para obter um diagnóstico preciso, a clínica veterinária costuma usar injeção por aspiração. Com essa técnica, um grupo de células da lesão pode ser coletado de forma minimamente invasiva e observado ao microscópio.

Em alguns casos, a amostra obtida após a injeção não é suficientemente reveladora. Nesse cenário, é indicada uma resseção completa da verruga que então analisada em laboratório. Assim, melanomas e condições mais graves são descartados.

Tratamento

O tratamento de papilomas em cães dependerá da localização das verrugas e do estado geral de saúde do animal. Por exemplo, algumas dessas formações são reabsorvidas por conta própria em 1 ou 2 meses, à medida que o sistema imunológico do animal luta contra a infecção e a aniquila.

Nos casos em que isso não acontecer, a remoção cirúrgica direta ou a remoção por eletrocirurgia ou radiocirurgia pode ser usada. Em espécimes saudáveis, o reaparecimento de uma verruga após o tratamento é muito raro.

Se o animal for imunossuprimido, mais papilomas podem aparecer no seu corpo. Nesses casos, são necessários tratamentos mais específicos.

 

Um veterinário limpando os olhos de um cachorro.

Os papilomas cutâneos não são condições graves. Embora permaneçam na pele do animal com o tempo, se não crescerem ou se espalharem, não há com o que se preocupar. Por outro lado, se um grupo de lesões se estabelecer na mucosa oral do cão, uma intervenção cirúrgica pode ser necessária, principalmente se dificultar a deglutição ou mastigação.

Pode interessar a você...
Parvovírus em cães
Meus Animais
Leia em Meus Animais
Parvovírus em cães

O Parvovírus Canino afeta o sistema gastrointestinal, os glóbulos vermelhos do sangue e, em casos mais extremos, o músculo cardíaco.



  • Papillomas of the skin, VCA Hospitals. Recogido a 20 de julio en https://vcahospitals.com/know-your-pet/papilloma-of-the-skin
  • Regalado Ibarra, A. M., Legendre, L., & Munday, J. S. (2018). Malignant transformation of a canine papillomavirus type 1-induced persistent oral papilloma in a 3-year-old dog. Journal of veterinary dentistry, 35(2), 79-95.
  • Lane, H. E., Weese, J. S., & Stull, J. W. (2017). Canine oral papillomavirus outbreak at a dog daycare facility. The Canadian Veterinary Journal, 58(7), 747.
  • Orbell, H. L., Munday, J. S., Orbell, G. M., & Griffin, C. E. (2020). Development of multiple cutaneous and follicular neoplasms associated with canine papillomavirus type 3 in a dog. Veterinary Dermatology.
  • Thaiwong, T., Sledge, D. G., Wise, A. G., Olstad, K., Maes, R. K., & Kiupel, M. (2018). Malignant transformation of canine oral papillomavirus (CPV1)-associated papillomas in dogs: An emerging concern?. Papillomavirus Research, 6, 83-89.