Picada de centopeia em cães: como agir?

Os sintomas de uma picada de centopeia em cães geralmente não passam de um inchaço um tanto doloroso para o animal, mas existem alguns fatores que podem complicar a mordida.
Picada de centopeia em cães: como agir?

Última atualização: 03 Agosto, 2021

Não é nada fora do comum encontrar uma centopeia rondando as áreas verdes das casas, ou seja, jardins ou hortas. Portanto, não é surpreendente que as picadas de centopeia em cães sejam mais comuns do que muitos imaginam. Além disso, o que poucos responsáveis também sabem é que essa mordida pode causar problemas aos animais, em maior ou menor medida.

Embora seja verdade que a toxicidade da picada de uma centopeia não é letal em muitos casos, a lesão causada pode evoluir para algo mais sério. O nível de gravidade das consequências dependerá de vários fatores que serão explicados neste artigo.

Sintomas da picada de centopeia em cães

Normalmente, as centopeias, também conhecidas como escolopendras, picam quando se sentem ameaçadas. No caso dos cães, isso é bastante comum, pois muitos gostam de persegui-las e até comê-las, o que pode ser bastante grave.

Quando uma centopeia morde um cachorro, os sintomas podem variar dependendo de algumas condições. Dentre esses sintomas, o principal será a inflamação ao redor da picada ou de toda a área. É comum esses artrópodes morderem o focinho, as orelhas, as pernas e o abdômen dos cães.

Dependendo da quantidade de toxina inoculada, o cão pode apresentar apatia, fraqueza, falta de apetite, febre e falta de ar. Por outro lado, quando a centopeia é comida pelo cão, sua picada pode causar gangrena nos tecidos da boca ou nas almofadinhas das patas.

Verifique as fezes do animal para ver se estão diferentes do normal, pois podem indicar se o cão ingeriu uma escolopendra.

 

O rosto de uma centopeia.

A picada de centopeia é perigosa para os cães?

Como regra geral, o perigo de uma picada de centopeia em cães geralmente não é alto. Como indicam os especialistas, o mais normal é o aparecimento de uma inflamação dolorosa que vai diminuindo aos poucos, sem durar muito mais que 48 horas.

No entanto, existem vários fatores que podem agravar os sintomas e que representam um perigo real para o animal. Principalmente, existem três condições que devem ser levadas em consideração:

  • O número de mordidas: se a centopeia morder o cão várias vezes, o veneno introduzido com suas mordidas será maior, portanto, a intoxicação também será mais intensa.
  • A espécie de centopeia: a picada de centopeia mais comum, Scutigera coleoptrata, geralmente não afeta os cães severamente. No entanto, existem outras espécies que podem prejudicá-los. É o caso da Scolopendra viridicornis ou da Otostigmus scabricauda.
  • A sensibilidade do animal: existem certas características que podem fazer com que um cão seja mais afetado que outro pela picada desse invertebrado, como a idade, se tem alergia, se sofre de cardiopatia ou se apresenta condições respiratórias.

Um cuidado especial deve ser tomado com as espécies incluídas no gênero Scolopendra. Alguns dos artrópodes incluídos aqui podem ser maiores que 30 centímetros de comprimento e têm forcípulas enormes. Certas escolopendras têm o mérito duvidoso de causar as picadas mais dolorosas do mundo, embora geralmente não sejam letais.

Como lidar com uma picada de centopeia nos cães?

Quando uma picada de centopeia é detectada em um cão, a medida principal é lavar o ferimento com água e sabão neutro. Em seguida, seque com gaze esterilizada e faça uma compressa fria na área para reduzir o inchaço e o desconforto. Para isso, você deve usar alguns cubos de gelo, mas nunca diretamente sobre a pele, sempre embrulhados em um saco e cobertos por um pano fino.

No caso de começar a detectar sintomas mais graves, como a área ficar muito inflamada ou o cão vomitar ou apresentar problemas respiratórios, será necessário procurar imediatamente um centro veterinário. Se a centopeia foi identificada, o ideal é tirar uma foto como prova para o profissional, pois assim ele poderá saber com mais certeza qual foi a causa do quadro do animal.

O veterinário fará uma limpeza mais completa da ferida, bem como administrará os medicamentos necessários para a sua melhora. Com as espécies mais letais, cada segundo de ação é vital para aumentar as chances de sobrevivência do cão.

Como evitar picadas de centopeia em cães?

Se você quiser evitar o contato das centopeias com os cães, o principal é saber os lugares é mais comuns onde se pode encontrar esse tipo de artrópode. As centopeias costumam procurar áreas de pouca luz para se esconder, mas também gostam de lugares com umidade.

Por isso, nas residências costumam ser encontradas nos quintais, principalmente se houver áreas verdes cercadas, como hortas, jardins, vasos com plantas, e em ambientes internos elas preferem os banheiros. Também é muito comum encontrá-las ao redor de pilhas de madeira morta ou pedras.

Levando em consideração esses aspectos, para evitar a presença de centopeias, bem como suas picadas e de outros insetos que prejudicam animais de estimação e pessoas, é aconselhável manter uma boa ventilação em casa para que não se acumule umidade em seu interior. Verifique os cantos da sua casa se você morar em uma casa baixa localizada em uma área intertropical.

Além disso, as centopeias costumam ser atraídas pelos pequenos animais de que se alimentam, portanto, se a casa e seus arredores estiverem livres deles, sua presença será menor. Evite o acúmulo de moscas e outros insetos dentro de casa, pois isso pode atrair predadores.

 

Um cachorro em cima de um tronco.

Por outro lado, lembre-se de que também pode haver escolopendras em parques e florestas. Fique de olho no animal quando ele passar por essas áreas a fim de detectar a tempo qualquer aproximação com esses ou outros invertebrados perigosos para o cão, como a lagarta-processionária-do-pinheiro. O melhor tratamento é sempre a prevenção.

Pode interessar a você...
6 animais encontrados na caverna de Movile
Meus AnimaisLeia em Meus Animais
6 animais encontrados na caverna de Movile

A caverna de Movile é um ecossistema único no planeta. Apesar de suas condições extremas, é o lar de uma grande quantidade de vida adaptada.